Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Mãe da jovem que morreu com sarampo é antivacinas

Rapariga de 17 anos que estava internada no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa, e não resistiu ao sarampo não estava vacinada por opção familiar. Equipa médica não conseguiu tratar pneumonia bilateral na sequência da infeção

Não resistiu. A jovem que morreu com sarampo esta quarta-feira no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa, não estava vacinada por opção da família. Fonte médica revelou ao Expresso que a mãe da rapariga de 17 anos é antivacinas e adepta da homeopatia. Além de não ter proteção contra o sarampo, também não tinha outras vacinas do Programa Nacional de Vacinação.

A jovem estava hospitalizada na unidade pediátrica do Centro Hospitalar de Lisboa Central desde a madrugada de segunda-feira, quando foi transferida do Hospital de Santa Maria por necessitar de cuidados intensivos em quarto de pressão negativa (para isolamento), indisponível naquele hospital. I. terá contraído sarampo no Hospital de Cascais, onde fora inicialmente hospitalizada devido a uma mononucleose, aparentemente pela proximidade com bebé de 13 meses infetado, portanto igualmente sem a vacina.

Esta terça-feira, o ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes visitou a jovem e falou com os pais, a quem garantiu que a adolescente estava no melhor local para ser tratada e que tudo continuaria a ser feito para que sobrevivesse.

De acordo com a Visão, a vítima mortal teve um choque anafilático quando recebeu a vacina dos dois meses e terá sido por isso que a família decidiu que não seria mais vacinada. A outra irmã também não terá recebido qualquer vacina.

Uma pessoa que se apresenta como “familiar muito próxima” dos pais da adolescente, que entrou em contacto com o Expresso, garante que a família não é antivacinas, e que as outras duas filhas do casal, uma mais velha e uma mais nova, “foram ambas devidamente vacinadas”. Explica ainda que devido “a uma reação muito grave a uma vacina, com risco de morte” quando rapariga ainda era bebé, os pais não voltaram a vaciná-la “orientados por aconselhamento médico”.

Luís Varandas, pediatra e coordenador da Comissão de Vacinas Sociedade Portuguesa de Pediatria (SPP), explicou à revista Visão que mesmo após uma reação destas não há necessidade de deixar de se vacinar uma criança. "Compreendo o receio dos pais em vacinar uma criança após uma reação desta gravidade", admitiu o médido. Mas "as vacinas podem passar a ser feitas em ambiente hospitalar, de forma a que seja vigiado e controlado o efeito das mesmas na criança."

Este caso mortal por sarampo é o primeiro nos últimos 23 anos, quando foi registada a última grande epidemia de sarampo em Portugal. Em 1993/94 o país foi assolado por três mil casos da infeção e em 1987/88 um total de 30 crianças perderam a vida devido às complicações da doença.

Na época o sarampo ainda era endémico, embora já controlado. Foi por esta ocasião que os peritos decidiram adicionar uma segunda dose da vacina, então aos 11/13 anos. Só em 2000 o reforço da imunização, iniciada aos 12 meses, foi antecipado para os 5/6 anos.

[ Notícia atualizada às 17h30 ]