Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Todos os dias 15 portuguesas colocam silicone para aumentar a mama

Anualmente são importadas 15 mil próteses mamárias, quase todas para estética. Médicos alertam para erros

Fazer uma plástica para melhorar a aparência já não é exclusivo das classes altas. Portugal importa anualmente cerca de 15 mil próteses mamárias e mais de 70% são para embelezamento. Além do silicone para aumentar a mama, são cada vez mais as mulheres e os homens que recorrem à cirurgia para aperfeiçoarem o contorno corporal ou o rosto. A estética tornou-se de tal forma atrativa que os cirurgiões plásticos vão eleger um provedor para defender os utentes.

“Os portugueses vivem reféns das opiniões e procuram mais a cirurgia estética para se sentirem melhor com a sua imagem; há listas de espera”, garante o cirurgião plástico, David Rasteiro. O médico do Hospital de São José, em Lisboa, faz intervenções de beleza no privado e revela que há muitos jovens, sobretudo homens.

Dados de clínicas especializadas indicam que aos 25 anos há muitas mulheres a colocarem implantes mamários e homens com 30 anos a fazerem abdominoplastias para aperfeiçoarem o abdómen. “A procura é maior nas mulheres entre os 20 e os 40 anos, para mamoplastia de aumento e lipoaspiração, e com 55 anos, para liftings e redução mamária. Nos homens é mais evidente entre os 30 e os 40 anos, para tratamentos da face, como nariz, e lipoaspiração”, explica David Rasteiro.

A oferta inclui dezenas de soluções, desde injeções de preenchimento de rugas a cirurgia íntima, mas é a colocação de silicone mamário que lidera. Uma clínica na região centro adianta que das mais de 30 intervenções estéticas feitas no primeiro trimestre, 60% foram para aumentar a mama.

Laboratórios da área — que pediram anonimato — garantem que a procura cresce todos os anos entre 2% a 3% e que, em média, 5500 portuguesas aumentam o peito, um número insignificante na Europa. “Portugal representa 1% do mercado europeu, é irrisório. Espanha é o país com mais implantes, 40 mil a 50 mil por ano.” Ou seja, 20 mil a 25 mil espanholas por ano colocam silicone. Segundo profissionais do sector, o que tem aumentado muito é a publicidade.

No país há centenas de unidades — os grandes hospitais privados ficam de fora porque a sua cirurgia plástica é quase exclusivamente reconstrutiva — e de profissionais a anunciarem tratamentos estéticos e os cirurgiões plásticos temem pela qualidade. Aliás, as reclamações têm sido sempre mais. As quatro queixas que em 2014 chegaram à Entidade Reguladora da Saúde subiram para 42 no ano seguinte, para 47 em 2016 e este ano já entraram 16.

“Atos de medicina estética que exigem um conhecimento profundo de materiais, de técnicas e até de anatomia, como a injeção de botox, são vendidos a todo o tipo de profissionais com instruções de aplicação e ‘bonecos com cruzinhas’ para mostrar onde injetar”, denuncia Victor dos Santos Fernandes, presidente do Colégio de Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Estética da Ordem dos Médicos. “A situação é caótica, desde médicos de família e dermatologistas que se dedicam à lipoaspiração, a ginecologistas que fazem mamoplastias.”

Gabinetes do provedor no Porto, Coimbra e Lisboa

O lucro é o culpado. “A cirurgia plástica é um sector que ainda permite ganhar dinheiro e há médicos que vão ao estrangeiro fazer um master e outros optam pela vigarice de praticar atos médicos sem serem médicos”, alerta o presidente da Sociedade Portuguesa de Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Estética, Celso Cruzeiro. “Temos assistido a casos dramáticos. As pessoas não sabem onde se queixar e estamos a criar gabinetes do provedor no Porto, Coimbra e Lisboa e a nomear um provedor nacional”, revela.

A Ordem dos Médicos está a preparar-se: “Tenho o tema na agenda para que a Ordem possa dar uma resposta eficaz e contribuir para proteger os cidadãos”, afirma o bastonário, Miguel Guimarães. “Em Portugal não existe uma definição em lei de ato médico e muito menos de ato médico especializado e em tese qualquer médico pode atuar desde que se sinta capacitado e competente para o fazer, mas não deve e por isso existem especialidades médicas.” Victor dos Santos Fernandes dá-lhe razão porque “a consciência é o ‘órgão’ mais elástico do homem”.