Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

#Feminismo. A obsessão do politicamente correto

A atriz Emma Watson foi alvo de críticas de feministas por causa de uma foto para a “Vanity Fair“: “Disseram-me que não posso ser feminista e ter mamas”, acusa

Foto Mike Coppola/Getty Images

“Vá, admite, és um pouco machista”. Não era a primeira vez que o ouvia, mas a acusação sempre me parecera tão tonta que nunca me preocupara sequer em rebatê-la. Mas desta vez era diferente. A Marta e o Pedro são dois dos meus melhores amigos. Tinham-me convidado para jantar em casa deles com um jornalista e autor brasileiro, que não me conhecia de lado algum e já ficara a saber que eu era “um porco machista”. Não foi bem isso que a Marta disse, mas foi ao que me soou. Aquilo feriu-me como um insulto.

Corri para o dicionário, talvez o equívoco fosse meu. “Machismo: ideologia que defende a supremacia do macho; atitude de dominação em relação à mulher baseada na não aceitação da igualdade de direitos”. Lida assim, em voz alta, a coisa soava mesmo feia. A Marta, feminista convicta, sossegou-me: não me revia naquela descrição. O problema é que eu talvez “gostasse demasiado de mulheres bonitas”. Não era eu gostar demasiado de mulheres, sobretudo se fossem interessantes, o que também era verdade; era gostar demasiado das bonitas e de o assumir sem pudor. Bom, se isso é crime, podem prender-me já. Se é a isto que chamam machismo, então sou mesmo culpado.

Aquela conversa tinha começado por causa de uma foto a preto e branco da Monica Bellucci que eu colocara no Facebook no Dia da Mulher. Escrevera apenas: “Hoje é o dia dela. A Mulher. Parabéns, Monica!”. Houve quem me descobrisse logo a carapuça: “Tu muito gostas de fingir que és um machista empedernido só para provocar o pessoal”. Ainda se pode provocar o feminismo?

Fiz a experiência há uns meses. Também no Facebook, coloquei o vídeo de uma mulher [a cantora pop e atriz canadiana Melissa Molinaro] que decidira, no dia do seu casamento, fazer uma coreografia sensual para o marido. O vídeo foi partilhado por milhões de mulheres nas redes sociais, muitas das quais desafiavam as amigas a fazer algo semelhante. Mas se um homem o partilhava, então era um sacana sexista e misógino, que se deleitava com a“hipersexualização” daquelas mulheres.

Molinaro também não escapou a críticas. Na cartilha de certas “feministas”, uma mulher não pode dançar assim para o marido, porque ao fazê-lo está a assumir uma atitude de submissão. Neste pseudo-feminismo não há lugar para ela nem para mulheres como a atriz Emma Watson, que sempre se bateu pelos direitos das mulheres, mas foi acusada de ser hipócrita por ter posado para a “Vanity Fair” e revelado um pouco dos seios. Na cartilha pseudo-feminista, uma mulher só pode mostrar as mamas em público se o fizer como ferramenta de “empoderamento feminino”, essa expressão que agora virou quase ocupação profissional. Na ditadura destas “feministas”, as mulheres nunca serão verdadeiramente livres para fazerem o que bem entenderem com o seu corpo.

O problema não é o feminismo: a defesa da igualdade entre homens e mulheres devia ser uma luta de todos. O problema é esta obsessão com o politicamente correto, este “feminismo” intolerante e eivado de preconceitos, sempre disposto a disparar rótulos e gritar “Lobo!” por tudo e por nada. Convidou a colega de trabalho para sair? Assédio sexual! Postou a foto de uma mulher bonita no Facebook? Seu sacana sexista! Colocou uma foto em topless no Instagram? Grande cabra exibicionista!

Se o feminismo é isto, podem chamar-me machista à vontade.