Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Viagens, férias, casas, quadros e dentistas: as despesas suspeitas do caso Sócrates

José Sócrates

ilustração Helder Oliveira

Relatório do Ministério Público enumera centenas de milhares de euros gastos por Carlos Santos Silva que, alegadamente, eram ordenados por José Sócrates. Veja a lista de despesas. E a quem foram feitos os pagamentos

428 mil euros em viagens e alojamentos. 334 mil euros em honorários pagos a Sofia Fava. Quase 200 mil euros em obras de arte. 173 mil euros em pagamentos feitos por João Perna, motorista de José Sócrates. 114 mil euros em exemplares do livro “A Confiança do Mundo”, de Sócrates. Estes são alguns dos valores de despesas suspeitas pagas por Carlos Santos Silva, que segundo o Ministério Público foram na verdade ordenadas pelo antigo primeiro-ministro.

A informação sobre as despesas não é nova, mas elas de novo são elencadas hoje na revista Sábado, que cita abundantemente o relatório do Ministério Público com que foi confrontado José Sócrates no último interrogatório realizado no âmbito da Operação Marquês, há três semanas.

Para o Ministério Público, Carlo Santos Silva era testa-de-ferro de José Sócrates. O antigo primeiro-ministro nega tudo.

Além daquelas despesas, há ainda gastos de 80 mil euros em remunerações ao blogger António Peixoto, para que este defendesse Sócrates na Internet. Sandra Santos, amiga de Sócrates, recebeu 92 mil euros. Ana Bessa, mulher do antigo ministro Pedro Silva Pereira, terá recebido 98 mil euros. Domingos Farinho, que terá ajudado a escrever o livro “A Confiança do Mundo”, auferiu 95 mil euros.

Há ainda reportadas despesas de 37 mil euros com o funeral do irmão de José Sócrates, António Pinto de Sousa. E seis mil euros em despesas de tratamentos dentários de Sócrates e seus familiares. Tudo pago por Carlos Santos Silva.

Segundo o Ministério Público, muitos destes pagamentos foram combinados por telefone, através de palavras de código e num tom que, para o Ministério Público, justifica muito mais uma ordem de o quem o pedido de um empréstimo, como alega Sócrates, que nega ter comandado todos estes pagamentos. Segundo a Sábado, Sócrates só pagou a Santos Silva 250 mil euros até hoje.

Mas há mais. A investigação à Operação Marquês diz que foram gastos um total de 52 mil euros em férias em 2008 em Menorca (Espanha), mais 73 mil euros na passagem de ano 2008/2009 em Veneza (Itália) e 18 mil euros em 2014 em Formentera (Espanha).

O relatório recupera ainda as despesas com a casa em que José Sócrates viveu em Paris, que foi comprada por Carlos Santos Silva. A aquisição do apartamento custou 2,8 milhões de euros, a que se somam despesas de 480 mil euros em obras e arquitectos, 92 mil euros em mobiliário e despesas de condomínio, ale de 58 mil euros em viagens e gastos de alojamento.

O interrogatório, o terceiro a José Sócrates na investigação da Operação Marquês, foi realizado a 13 de março. São ao todo 103 páginas com indícios de crimes, que foram apresentados pelos procuradores Rosário Teixeira, Filipe Preces e Filipe Costa, bem como pelo inspetor das Finanças Paulo Silva. O antigo primeiro-ministro é apontado pela investigação como cérebro de uma estratégia para ocultar alegados recebimentos corruptos de três fontes: do Grupo Lena, do Grupo Espírito Santo e de Vale do Lobo.

Segundo a Sábado, José Sócrates falou durante cinco horas e meia, exaltando-se muitas vezes e chegando a levantar a voz e a ser agressivo com a equipa de investigadores defronte de si.

Sócrates é suspeito de seis crimes: corrupção passiva; fraude fiscal qualificada; branqueamento de capitais; tráfico de influência; falsificação e recebimento indevido de vantagem. Ou dito de outra forma: Sócrates é, respetivamente, suspeito de ter praticado seis comportamentos ilícitos: de intervir ilegalmente em negócios; de ocultar rendimentos através de testas-de-ferro; de apresentar falsas justificações para fundos ocultados através de terceiros; de utilizar a rede diplomática para influenciar negócios do Grupo Lena no estrangeiro; de forjar um contrato de arrendamento de um apartamento em Paris e informação nos documentos de adesão ao “perdão fiscal” RERT de 2010; e de fazer pagamentos de despesas de lazer em 2011.