Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Marcelo em Lamego: “É uma desgraça. Estou aqui a representar o pesar dos portugueses”

O Presidente da República fez questão de ir a Lamego deixar as condolências às famílias das vítimas da tragédia na fábrica de pirotecnia que matou pelo menos 6 pessoas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo Sousa, disse esta quarta-feira ser necessário lidar de forma mais eficiente com a atividade pirotécnica, na sequência das explosões que ocorreram em Lamego na terça-feira.

Em declarações aos jornalistas em Avões, Lamego, o Presidente da República afirmou, no entanto, não ser este o momento para esse tipo de balanços, até para respeitar o luto dos familiares das seis vítimas mortais já confirmadas.

Seis pessoas morreram e duas estão ainda desaparecidas na sequência de explosões ocorridas na terça-feira numa fábrica de pirotecnia em Avões, no concelho de Lamego.

Marcelo Rebelo de Sousa disse ainda que quis apresentar pessoalmente o pesar de todos os portugueses aos familiares das vítimas deste incidente.

O Presidente da República lembrou que se trata de "unidades fabris dispersas, pequenas, familiares, com condições muito diversas de funcionamento e com problemas de acompanhamento, de inspeção e de controlo".

Lamentou que, no passado, se tenham registado "outras situações trágicas como esta", das quais têm de ser tirar "lições para o futuro".

"Este não é o momento ainda de falar disso, ainda estamos muito na emoção da perda de pessoas e ainda com respostas a dar relativamente a duas pessoas ainda não localizadas", considerou.

No entanto, "logo a seguir vai ser preciso pensar a sério" nesta matéria, até porque "é uma atividade que está dispersa pelo território nacional", acrescentou.

No entender do chefe de Estado, agora é o momento de acompanhar os familiares das vítimas "na dor pela perda dos seus entes queridos" e "neste compasso de espera difícil para entrarem em luto".

O Presidente da República realçou que estas são ações "sempre morosas, complicadas, demoradas" e agradeceu aos elementos das várias entidades que estão no terreno.

"Há que agradecer a estas mulheres e estes homens que ainda têm muito trabalho pela frente, porque é uma área muito grande e difícil de percorrer, tendo havido explosivos e havendo explosivos", referiu.

Marcelo Rebelo de Sousa disse ainda que, neste caso, há o problema adicional de não se poder trabalhar de noite.

"Quer dizer que o esforço desta gente é duplo, é triplo, para tentarem fazer o que têm a fazer em contrarrelógio", frisou.

  • Vítimas mortais são quase todas da mesma família

    Uma violenta explosão ao final da tarde desta terça-feira atingiu as oito pessoas que faziam o carregamento de uma encomenda de foguetes numa fábrica de pirotecnia em Avões, Lamego. A maioria das seis vítimas mortais são da família do proprietário. Estão ainda duas pessoas desaparecidas

  • Ferreiros de Avões está de luto

    A tragédia de Lamego vitimou várias pessoas da mesma família. Os moradores de Ferreiros de Avões, povoação próxima da fábrica de pirotecnia, estão em choque com a tragédia