Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Isto tem tanto de arrepiante como de fascinante. São os primórdios das tatuagens em Portugal

Depósito de peles tatuadas no Instituto de Anatomia da Faculdade de Medicina de Lisboa

As tatuagens contam histórias na pele há muitos anos. Histórias de amor, bravura e crime. O Instituto de Medicina Legal sugeriu uma exposição e o Mude avançou. Pode agora ver mais de 60 amostras de peles tatuadas entre 1910 e 1940, no Bairro Alto. A exposição chama-se “O mais profundo é a pele” e é o pretexto ideal para republicarmos uma matéria exclusiva sobre este intrigante universo

Bernardo Mendonça (texto) e Nuno Botelho (Fotografias)

A mote da exposição “O mais profundo é a pele” que exibe pela primeira vez ao grande público a fascinante e misteriosa colecção de tatuagens do Instituto Nacional de Medicina Legal (INML), no Palácio Pombal, nas imediações do Bairro Alto, em Lisboa, inserido na programação do Museu do Design e da Moda (Mude), republicamos uma matéria exclusiva sobre este intrigante universo.

Não se impressione assim tanto. O conteúdo do recipiente com peles humanas conservadas em formol a que o Expresso teve acesso tem tanto de arrepiante como de enigmático e fascinante. (E, caro leitor, tem uma vantagem em relação a nós - não tem de aguentar o intenso cheiro a formol que veio junto com aqueles retalhos de pele)

São sinais de um passado português remoto que resistiram ao tempo no Instituto de Anatomia da Faculdade de Medicina de Lisboa, situado nas instalações do Hospital de Santa Maria. São marcas antigas na pele que contam os primórdios da tatuagem em Portugal. Algumas percebem-se claramente que foram feitas no peito. Outras poderão ter sido feitas nos braços, nas pernas e em tantas outras partes do corpo, mais íntimas. A nosso pedido, Pedro Henriques, técnico do Instituto, estendeu na bancada da sala de preparação as peças anatómicas, deixando claro que nada sabe sobre as suas identidades e proveniências e que ali permaneceram por acaso. Porque foram ficando. "No passado, os cadáveres que vinham para aqui eram de indigentes, pessoas não identificadas. Eventualmente criminosos. As zonas de pele tatuadas eram retiradas dos corpos dos cadáveres para evitar a sua identificação quando fossem dissecados ou usados em estudos. Ainda hoje o procedimento é o mesmo. Gostava de um dia expor estas tatuagens antigas no teatro anatómico."

Quem foram aquelas pessoas? Que significados e códigos sociais tinham as inscrições na pele e a que grupos pertenciam? As respostas poderão estar num documento de 1882 publicado na "Revista de Ciências Naturais e Sociais", com assinatura do conceituado etnógrafo português Rocha Peixoto, que escreveu sobre a tatuagem naquela época. Nesse tempo era também chamada 'mutilação': "A permanência nas prisões, nos navios e nos quartéis, dando lugar a períodos de grande ociosidade, origina tão pouco a persistência fecunda do costume". Uma questão parece clara, a tatuagem era essencialmente território de rufias e marginais. "A multiplicidade, a sede de ordinário escolhida nas regiões do corpo vulgarmente ocultas, a intenção pornográfica de uma grande percentagem de desenhos, denunciam a insensibilidade à dor, o impudor e a obliteração, ou melhor, a ausência de elevação moral da maior parte dos tatuados", diz o investigador Rocha Peixoto.

Neste artigo, mostramos-lhe as imagens de tatuagens feitas há dois séculos e revelamos-lhe os seus significados, numa época em que ninguém sonharia que tatuar na pele passaria a ser uma moda massificada, para homens e mulheres. Esta é parte de uma reportagem sobre a história da tatuagem ao longo dos tempos em Portugal, publicada este sábado na Revista.

A PORNOGRAFIA NA PELE

A maioria dos desenhos toscos feitos na pele destes antepassados foram concretizados com agulhas, tinta da china ou carvão triturado e em suspensão na água. Ilustram sereias, bailarinas, mulheres desnudas, com formas redondas, cabelos longos, saltos altos e meias pelo joelho. São símbolos de volúpia, erotismo e desejo que terão sido ostentados no corpo por bravos marujos, militares e marginais. Para o sociólogo Vitor Sérgio Ferreira, investigador do Instituto de Ciências Sociais, as tatuagens de mulheres despidas, com os seios e púbis desenhada, "eram a pornografia da época, a ligação dos homens às prostitutas e às amantes - elementos biográficos partilhados em grupo".

Contemporâneo da época em que terão sido feitas essas tatuagens, o investigador Rocha Peixoto afirma que os "emblemas amorosos e eróticos" eram dos que mais predominavam nos nossos tatuados do século XIX. "As eróticas são numerosas e encontram-se quase exclusivamente nos que habitam assiduamente as prisões (...). As mais vulgares são os falos, ornamentados por vezes, outras pretendendo acusar uma erecção burlescamente exagerada. As tatuagens de alguns encarcerados da Penitenciária de Lisboa - um homem nu com um erotismo de Sátiro na perna esquerda e uma mulher nua na direita - são comuns nesta ou em outras partes do corpo. As mulheres são ordinariamente desenhadas sob formas rotundas; num tatuado que examinei recentemente havia no antebraço esquerdo a figura de uma mulher em que a preocupação dominante fora a amplitude dos seios, do ventre e das nádegas; no antebraço direito um homem igualmente nu com o órgão sexual característico de dimensões quase iguais às de todo o desenho. O distinto médico-alienista de Lisboa Dr. Júlio de Matos informou-me que tivera notícia de um tatuado que fizera desenhar no braço esquerdo um Cristo com um falo em erecção de dimensões desproporcionadas".

CRISTO QUE OS PROTEJA

Os amuletos e símbolos religiosos e protectores eram outras das tatuagens recorrentes no passado. Cristos e cruzes que chegavam a rasgar o peito, em enormes dimensões para os proteger dos males. Especialmente nos indivíduos não criminosos. "Os dois traços da cruz ou cinco pontos representando as cinco chagas de Cristo, as letras INRI sobrepostas aos dois cravos cruzados com que pregaram as mãos do Senhor no madeiro, são as mais simples e ingénuas. Vêm seguidamente as cruzes ornamentadas, com a coroa de espinhos ao través, a legenda que diz de que povo Jesus era rei, pedestais onde o crânio e dois fémures significam a inelutável certeza do fim derradeiro. Os Cristos, numerosíssimos, são de ordinário acompanhados de emblemas que contam pitorescamente toda essa adorável história de resignação no martírio", explica Rocha Peixoto.

OS SÍMBOLOS DOS VALENTÕES DO MAR

Desde tempos remotos que os marinheiros e pescadores investiam no rito da tatuagem, uma moda grupalista feita, muitas vezes, nas longas permanências no mar alto, em que o corpo era usado como um diário de bordo autobiográfico. "A tatuagem era coisa de classes populares, um desafio físico e social ligada à boémia, a delinquência, ou à marinhagem e exército e os símbolos de uma gramática linear e fácil de interpretar", resume o investigador Vítor Sérgio Ferreira. Nos homens embarcados, os símbolos mais comuns eram a âncora, a rosa-dos-ventos, o barco e o mar revolto ou a sereia, a figura feminina meio mulher, meio peixe sempre presente no imaginário destes marujos.

OS ANIMAIS QUE AFASTAM O INIMIGO

As feras, as serpentes e outros animais exóticos indicavam uma atitude de coragem, vigor para afastar os inimigos. Como quem dizia 'Chega-te para lá que eu não sou manso'. É o que diz o investigador Vítor Sérgio Ferreira: "Os animais selvagens gravados na pele traduziam não só a experiência em guerras em África, como serviam para passar agressividade, força e servir de protecção e defesa face ao outro".

TATUAGENS DE GRATIDÃO

No século XIX não era raro encontrar corações trespassados por setas, escritos amorosos e mãos que se cumprimentam, em sinal de agradecimento e gratidão. Apesar dos símbolos eróticos serem bem mais comuns nos tatuados da época, o amor e a amizade eram também eternizados na pele por alguns. "As paixões humanas mais elevadas explicam ainda entre nós algumas tatuagens representativas da amizade filial, de várias recordações gratas, de amor, até, em alguns casos: certos operados em que se encontram simples corações escolhiam este desenho com um sentido oculto e honesto dirigido à mulher estimada. Mas geralmente o instinto erótico é o motivo fundamental das figuras amorosas e, naturalmente, das pornográficas", escreveu Rocha Peixoto, Que chamou a atenção para o facto de a maioria dos tatuados não saber escrever e usar a tatuagem como forma rudimentar de comunicação. "É necessário reconhecer, com Lassagne, a necessidade das pessoas analfabetas em exprimirem por figuras ou símbolos as ideias que não podiam representar de outra arte, facto tão remoto que, como geralmente se sabe, antes da invenção da escrita já o pensamento era transmitido pelo hieróglifo". Os astros, as flores, os animais, a âncora, o navio, o tambor e todas as marcas profissionais enfim são representações objectivas de ideias cuja transmissão mal fariam de outro modo."

EM NOME DA PÁTRIA

Por amor e devoção à pátria surgiam na época tatuagens com os símbolos da Monarquia Portuguesa e mais tarde da Primeira República. Terão sido muitos deles militares combatentes. Nesta imagem, o símbolo da monarquia está combinado com uma homenagem a uma tal "Maria de Jesus", em 1914. Era comum os símbolos patrióticos surgirem ao lado de cruzes de Cristo que recordavam os camaradas que tombaram na guerra dos Boer (ocorrida na África do Sul entre 1880 e 1881 e 1899 e 1902). Rocha Peixoto chega a escrever com detalhe como era a técnica da tatuagem na época: "Com três agulhas solidamente fixas a um pequeno cabo de madeira ou simplesmente ligadas e unidas por um fio, e tinta-da-china de escrever ou carvão triturado e em suspensão na água, tem o operador com que levar o efeito à prática (...). Para impedir a inflamação e a febre, mesmo quando aquela é irritante, o operador adopta como tópico a saliva ou a urina, sendo manifesto que nada remedeia com tal terapêutica. Quinze dias passados, quando muito, estão extintos os vestígios da irritação passageira que a operação provocou e a nitidez do desenho é então definitiva e provavelmente indelével".