Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Eficiência

O ecrã tátil generoso inclui um bom sistema de navegação e suporte para Apple Car e Android Auto que, infelizmente, a Google ainda não disponibilizou em Portugal

d.r.

Um título curto, mas que descreve muito bem este carro. O Hyundai Ioniq foi claramente desenvolvido com o objetivo de ser o mais eficiente possível

A eficiência do Ioniq começou logo na fase projeto: a Hyundai desenvolveu uma plataforma que vai ser comum a diferentes veículos eletrificados. O Hybrid é a primeira versão a chegar ao mercado nacional, mas o Ioniq vai estar disponível na versão totalmente elétrico e na versão Plug-in. O elétrico puro recorre a uma bateria de 28 kWh com uma autonomia máxima superior a 250 km. O Plug-in é muito semelhante ao híbrido ensaiado, mas com uma bateria de maior capacidade, para fazer uns quantos quilómetros sem recorrer ao motor de combustão, que pode ser carregada com fontes externas. Coisa que não é possível fazer no híbrido convencional, a versão que ensaiámos. Como é típico dos híbridos não plug-in, a bateria é carregada pelo próprio carro através do motor de combustão e nas descidas e desacelerações. Na prática, o motor de combustão é desligado muitas vezes, sobretudo no pára-arranca típico da condução urbana.

Abaixo dos 5 l/100 km

Estamos todos habituados a consumos anunciados muito pouco realistas. Aqui não é muito diferente, já que a Hyundai anuncia um consumo de 3,9 l /100 km. No entanto, nos mais de 300 km que fizemos ao volante deste Ioniq, acabámos com o computador de bordo a marcar 4,7 l /100 km. Bom, muito bom, até porque cerca de metade da distância foi percorrida em autoestrada, o pior ambiente para um híbrido, com um cruise control programado para 100 km/h e com quatro pessoas a bordo.

Com uma condução (ainda) mais cuidada e urbana, acreditamos que seja possível baixar um pouco mais. Também é verdade que quando pegámos no carro, o sistema marcava uma média superior a 7 l /100 km, o que só vem demonstrar que os consumos dependem muito do estilo de condução. O que é ainda mais evidente em veículos híbridos e elétricos. Mas ficou provado que este carro permite, de facto, consumos muito reduzidos.

O Ioniq “desliza” sobre a autoestrada, mesmo em velocidades elevadas. Chega ao pormenor do logótipo na grelha frontal ser, na verdade, uma pintura sobre um género de acrílico

O Ioniq “desliza” sobre a autoestrada, mesmo em velocidades elevadas. Chega ao pormenor do logótipo na grelha frontal ser, na verdade, uma pintura sobre um género de acrílico

Aliás, ao volante sente-se bem como o Ioniq desliza com facilidade. Mesmo em velocidades acima dos 100 km/h, sentimos o carro a “furar” o ar de um modo admirável e o motor de combustão a desligar-se com regularidade. É impressionante verificar o que este Hyundai consegue extrair de uma bateria com cerca de 2 kWh disponíveis.

Bem equipado

Não há como fugir da comparação com o Toyota Prius, que tem um preço base similar. No entanto, o Ioniq oferece muito mais, sobretudo na tecnologia disponível a bordo. Na componente mecânica, destaca-se a caixa automática de seis velocidades associada a uma embraiagem dupla. O resultado é uma suavidade extrema – não se sentem as mudanças de caixa. Se não fosse o ruído (reduzido) do motor a combustão, nem se percebia quando este motor entra em funcionamento. A gestão dos dois motores está muito bem conseguida. Muito provavelmente a melhor que já experimentámos em híbridos.

Além do modo automático, o utilizador pode optar pelo modo Sport com controlo manual (sequencial) da caixa, o que torna o carro bem mais reativo. No global, os 141 cavalos totais e a forte ajuda do binário do motor elétrico tornam o comportamento convincente, sobretudo depois de ganhar alguma velocidade – no arranque em modo automático, fica muito longe de nos deixar colados aos bancos.

Nesta versão, o cruise control adaptativo e o sistema de manutenção na faixa de rodagem sobressaem. São eficientes, embora o controlo automatizado do volante apenas suporte curvas pouco apertadas. Ou seja, em autoestradas é possível ter uma condução quase totalmente automatizada. Quase, porque o sistema não faz ultrapassagens… nem é capaz de parar nas portagens. Em termos de segurança, destaque ainda para o alerta quando a câmara frontal deteta a possibilidade de colisão – quando, por exemplo, o carro que circula em frente trava repentinamente ou se surgir um carro em contramão. Gostámos da possibilidade de escolher um de três níveis de antecipação deste alerta

Não é preciso ligar qualquer cabo para ligar o smartphone ao sistema de infoentretimento a bordo. Nem sequer para carregar, se o smartphone suportar wireless charging

Não é preciso ligar qualquer cabo para ligar o smartphone ao sistema de infoentretimento a bordo. Nem sequer para carregar, se o smartphone suportar wireless charging

A bordo, temos direito a um carregador sem fios para smartphones e um ecrã tátil generoso com acesso a várias apps, incluindo ferramentas que nos ajudam a melhorar a eficiência da condução e um bom sistema de navegação (inclui trânsito em tempo real). A interface revelou-se intuitiva, com menus bem estruturados, embora seja demasiado dependente do tátil, o que pode levar a utilizações pouco seguras em viagem. Em frente ao condutor há um segundo ecrã com informações complementares, onde podemos aceder a informações sobre a viagem, consumos e, mais importante, instruções de navegação.

Familiar bem conseguido

O espaço a bordo é generoso, embora pessoas mais altas possam ficar com a cabeça a roçar no tejadilho nos bancos traseiros; a mala é espaçosa q.b.; o conforto está assegurado pelas razões indicadas; a dinâmica é bastante satisfatória; a tecnologia de segurança e de infoentretenimento é de última geração; e o mais importante, os consumos são realmente baixos. O Prius tem, finalmente, um rival à altura.

Características

Marca e modelo: Hyundai Ioniq Hybrid Tech
Preço: €33.056
Potência: 105+44 CV (gasolina+elétrico)
Binário: 147+170 Nm
Aceleração: 0-100 km/h: 10,2 seg
Emissões CO2: 92 g/km
Velocidade máxima: 185 km/h
Consumo indicado: 3,6 l/100 km
Consumo testado: 4,7 l/100 km
Dimensões: 1,82x1,45x4,47 m (LxAxC)