Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Rixa à porta de discoteca em Lisboa faz um morto

Incidente aconteceu a poucos metros da discoteca Luanda, em Alcântara, confirmou à SIC o gerente do espaço. Outros dois jovens foram baleados e transportados para o Hospital de Santa Maria. Alerta terá sido dado às 6h20 da manhã

Um dos três jovens baleados este domingo durante uma rixa à porta de discoteca Luanda, na zona de Alcântara, em Lisboa, morreu no hospital, disse à agência Lusa fonte da PSP.

Segundo a fonte do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, o jovem baleado foi transportado para o Hospital São Francisco Xavier e foi submetido a uma intervenção cirúrgica, mas acabou por morrer. De acordo com o repórter da SIC no local, a vítima tinha cerca de 20 anos e foi “assistida pelo INEM depois de ter sido atingida pelas costas”.

A rixa à porta da discoteca provocou ainda dois feridos, informou a fonte da PSP, adiantando que estes dois jovens baleados foram transportados para o Hospital de Santa Maria e encontram-se livres de perigo. De acordo com a PSP, o alerta foi dado às 6h20 deste domingo e quando a polícia chegou ao local já não encontrou os autores dos disparos. A PSP e o INEM estiveram no local, bem como a Polícia Judiciária, que vai investigar o incidente.

Em declarações à SIC, José Gouveia, gerente da discoteca Luanda, confirmou que o incidente se deu “a cerca de 50, 60 metros” do espaço. “Apercebemo-nos da situação porque as pessoas, que àquela hora estavam a abandonar a discoteca, começaram a voltar para trás, para a porta de entrada”, explicou. “Quero frisar que nada aconteceu dentro da casa que pudesse prever uma situação deste género”, disse o gerente, reconhecendo, porém, que o mais provável é que os jovens tivessem acabado de abandonar a discoteca antes de se envolverem na rixa.

Situações como esta, disse ainda José Gouveia, “são frequentes, mas não com esta gravidade”. “Trabalho à noite há mais de duas décadas. Onde há consumo de álcool e outras substâncias estas situações são frequentes, mas com esta gravidade não são tão frequentes quanto isso. São pontuais e também lamentáveis.”

[NOTÍCIA ATUALIZADA ÀS 14h00]