Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Direção-Geral de Saúde confirma 10 casos de legionela detetados na Maia

Dois novos casos de legionela foram notificados esta quarta-feira, elevando para quatro o número de pessoas comprovadamente infetadas na fábrica Sakhti. Outras seis pessoas mantêm-se sob observação por eventual contágio. Uma das pessoas internadas, revela a SIC Notícias, piorou e foi transferida para os cuidados intensivos

A Direção-Geral de Saúde (DGC) clarificou esta quinta-feira que se mantêm identificados quatro casos de pessoas infetadas com legionela na Maia, e outros seis estão em observação.

Dois novos casos de legionela foram notificados na quarta-feira, elevando então para quatro o número de pessoas comprovadamente infetadas na Sakhti, divulga em comunicado a DGS, que admite a "possibilidade de exposição ocupacional, uma vez que ambos são trabalhadores da mesma unidade fabril".

Segundo a DGS, os dois novos casos identificados estão internados (um no Centro Hospitalar de São João e outro no Centro Hospitalar do Porto – Hospital de Santo António). A Lusa tentou ouvir os hospitais que se escusaram fazer qualquer esclarecimento sobre a situação atual dos doentes. A SIC Notícias avançou esta manhã, no entanto, que uma das pessoas internadas piorou e foi transferida para os cuidados intensivos.

A DGS lembra que as torres de arrefecimento da fábrica estão tratadas e sem contaminação, e diz que se mantém "o nível de alerta para a população em geral".

Também quarta-feira, os trabalhadores da Sakthi, empresa de componentes automóveis, localizada na Maia, disseram estar "tranquilos, apesar de alguma preocupação natural", como referiu à Lusa um representante do sindicado SITE-Norte após um plenário.

No mesmo dia, o Mistério do Ambiente revelou que análises realizadas numa inspeção extraordinária que decorreu na última segunda-feira revelaram a inexistência da bactéria 'legionella pneumophila' na empresa Sakthi.

Em comunicado anterior, a DGS já tinha dito que a população residente no concelho da Maia não precisa de tomar cuidados adicionais.

O vice-presidente da Câmara da Maia afirmou também já que "a população do concelho pode estar muito mais tranquila", porque o assunto relacionado com o surgimento de casos da "doença dos legionários" numa fábrica do concelho está "resolvido".

A doença, provocada pela bactéria legionella pneumophila, contrai-se por inalação de gotículas de vapor de água contaminada (aerossóis) de dimensões tão pequenas que transportam a bactéria para os pulmões, depositando-a nos alvéolos pulmonares.

  • Legionela detetada em torre de arrefecimento de fábrica na Maia

    Há um caso de legionela confirmado na Sakthi Portugal, fábrica de componentes de automóveis em Vermoim, Maia. A administração assegura que a contaminação se resume a um colaborador, mas a Direção-Geral de Saúde adiantou que há mais sete pessoas em avaliacão

  • Moradores de Vermoim preocupados com legionela

    A fábrica da Maia onde foi detetado um caso de legionela fica perto de uma zona residencial e de uma escola na zona de Vermoim. João Santos vive nas imediações e garante que moradores já apresentaram várias queixas nos últimos anos por causa da poluição