Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

‘Il vero romano’

Conhecemos e admiramos as pizzas, mas há uma multiplicidade de sabores italianos que merecem ser experimentados. Estes mercados, bares e charcutarias são um bom cartão de visita

getty

No início da Rua Nova da Piedade, mesmo ao pé do Parlamento, numa pequena loja com pouco mais de 30 metros quadrados, esconde-se um dos segredos mais bem guardados da gastronomia da capital. No antigo espaço da geladaria Nannarella — que subiu uns quatro lugares na mesma rua — vai nascer uma loja italiana de comida. Será uma joint venture da dona da geladaria, Costança Ventura, com o casal Alessandro e Stefania Lagana, donos do Il Matriciano, um restaurante italiano cuja primeira loja fica algumas ruas mais abaixo.

Comer um gelado num e uma salsicha de Abruzzo no outro é como se estivéssemos em Itália, sem sair de Lisboa. Ou melhor, em Roma, a cidade da qual os donos das duas casas abdicaram em prol de Lisboa.

Il Mercato, de Tanka Sapkota, foi feito para replicar uma praça italiana e está aberto desde janeiro

Il Mercato, de Tanka Sapkota, foi feito para replicar uma praça italiana e está aberto desde janeiro

mário joão

O novo espaço, guardado a sete chaves, pode parecer mais um italiano numa cidade onde a comida que melhor representa o país ainda é a pizza. Porém, quem conhece as duas marcas sabe que elas têm sido embaixadoras dos verdadeiros (e arriscamos a acrescentar bons) sabores da gastronomia italiana. E o sucesso tem-lhes permitido expandir o negócio. Primeiro foi a geladaria de Costança a chegar à área gourmet do El Corte Inglés, depois a espalhar-se por toda a cidade, durante o verão, em carrinhos ambulantes. Enquanto isso, Il Matriciano ia, discretamente, conquistando clientela e aumentando a sua oferta. Primeiro foi Il Matriciano al Mare, dedicado ao peixe, e depois uma charcutaria, desta vez em Campo de Ourique, com produtos italianos originais para venda.

E é precisamente por aí que começamos este roteiro de charcutarias italianas, onde se pode encontrar — e provar — produtos típicos do país e levá-los para casa para apreciar com os amigos.

O La Bottega by Il Matriciano tem produtos vindos diretamente de Itália

O La Bottega by Il Matriciano tem produtos vindos diretamente de Itália

mário joão

La Bottega by Il Matriciano nasceu com esse propósito. Os clientes já há algum tempo que pediam uma mercearia gourmet italiana, e Alessandro e Stefania fizeram-lhes a vontade em outubro. “Foi uma boa ideia”, diz Miguel Bennedictis, o gerente do espaço que dá a cara pela marca em momentos como este, em que o casal está em périplo pela terra-mãe à procura dos melhores fornecedores. “É uma verdadeira charcutaria italiana. Temos de tudo o que há em Itália, desde os vinhos, os queijos, os enchidos, os pães, as massas (de diferente grãos), o molho de tomate, o azeite (com trufas e biológico), a polenta, a bolacha italiana...” Todos os dias há um aperitivo, a partir das 18h, e há sempre pratos a €9 (com café e sobremesa incluída). Quem tiver sorte é capaz de encontrar um carrinho de gelados Nannarella à porta, o qual, sem ter dia fixo para aparecer, costuma lá parar com alguma frequência.

Curiosamente, o mercado italiano que há pouco tempo se instalou na zona do Rato surgiu pela mão de um nepalês, Tanka Sapkota, que é um dos rostos da cozinha italiana em Portugal. Formado em Itália e na Alemanha e com mais de 20 anos de experiência, Tanka emigrou para Lisboa por acaso. “Tinha emigrado para a Alemanha e vim a Portugal quando fiquei sem visto. A ideia era ficar uma ou duas semanas, mas vi o potencial que havia aqui para abrir um restaurante de verdadeira cozinha italiana.” Tanka trabalhou em reputadas cozinhas italianas (que entretanto fecharam) até abrir o seu primeiro restaurante, o Come Prima, em Santos, com um forno a lenha de onde sai a maioria dos pratos. Quase duas décadas depois, abriu o Forno D’Oro (o forno leva mesmo ouro), um espaço especializado em pizzas. Mas os clientes pediram-lhe mais. Queriam um local que fosse uma homenagem à frescura e à qualidade dos produtos italianos.

O Puro 4050 faz da mozzarella a estrela principal

O Puro 4050 faz da mozzarella a estrela principal

lucília monteiro

E assim, em janeiro, nasceu Il Mercato. Desenhado como se fosse um verdadeiro mercado italiano, com os queijos, os enchidos, os azeites e as massas expostos como se o cliente fosse italiano, acordasse de manhã cedo e fosse à praça. Além disso, diariamente, há 20 variedades de massas frescas, feitas à frente dos clientes, em modo de showcooking, com ovos biológicos, e que tanto podem ser consumidas no local como levadas para casa. Há uma zona de restauração, onde se pode comer sentado, de faca e garfo, e tudo o que consta do menu está à venda no mercado. Um convite para quem quer experimentar a cozinha italiana e para os fãs mais curiosos. Tanka Sapkota garante ainda mozzarella de búfala, vinda de avião no próprio dia diretamente da região da Campânia.

La pasta e o aperitivo

Encontrar produtos frescos italianos não é vulgar. Encontrar os de boa qualidade também não é fácil. Na Avenida da Liberdade, La Pasta Fresca, como o nome indica, especializou-se na produção de massas. Todos os dias há massa fresca para comer e levar para casa. É o sonho de um casal de italianos, Giuseppe Godono e Stefania Raiola, que se apaixonou por Lisboa e ficou admirado com a falta de variedade gastronómica italiana na nossa capital.
Qualquer italiano que vem para Portugal traz as massas e os aperitivos. Pelo menos. O espírito do verdadeiro aperitivo italiano dá o mote a um pequeno restaurante em Vila Real de Santo António, no Algarve. É um espaço pequeno, mas acolhedor, muito perto da praça principal. Serve o típico licor italiano e pratos (há sempre uma opção vegetariana) a preços bastante simpáticos (entre €5 a €6). Fábio é o cozinheiro responsável pelo sucesso do espaço. O chefe fez um périplo desde a Sardenha até ao sul do Algarve e trouxe a cozinha da mãe do interior italiano.

Rumando a norte, no Puro 4050, a mozzarella é rainha e senhora. Ou não fosse este um bar de mozzarellas em que este queijo é o ingrediente principal, da entrada às sobremesas. Conta, essencialmente, pelo efeito de originalidade. É que os portugueses, quando pensam em comida italiana, pensam em pizzas (há muitas e boas, e com histórias, como as do Casanova, em Lisboa, ou do Casavostra, no Porto). Mas é pouco para se conhecer de um país com uma gastronomia tão rica.

Mesmo assim, em matéria de pizzas, deixamos uma sugestão: a Lambretazzurra, em Cascais. Funciona como se fosse uma casa de família. Se a ideia for comer apenas o mais conhecido e popular prato italiano (será que podemos dizer do mundo?), então pode lá ir. Se quiser conhecer e aprofundar um pouco mais, volte ao início do texto e prepare a rota gastronómica.

moradas

mário joão

La Bottega by Il Matriciano
Rua Correia Teles, 22 A, Lisboa. 
De segunda a sábado, das 10h às 22h

Il Mercato
Pátio Bagatela, Rua da Artilharia 1, 51, Lisboa. 
De terça a domingo, das 12h às 23h

Lambretazzurra
Travessa Visconde da Luz, 3, Cascais. 
Todos os dias, das 12h às 15h e das 19h às 23h

Puro 4050
Largo de São Domingos, 84, Porto. 
De segunda a sábado, das 12h30 às 15h 
e das 18h30 às 23h

Aperitivo
Rua José Barão, 19 A, Vila Real de Santo António. 
De segunda a sábado, das 8h30 às 24h