Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

“Os humanos estão a tornar-se supérfluos”

DR

Entrevista a António Moniz, especialista em Sociologia do Trabalho

No ano passado, a multinacional Foxconn, fornecedora da Apple e da Samsung, substituiu 60 mil funcionários por robôs. A Uber já tem carros autónomos em fase de teste. E são cada vez mais os exemplos da chamada quarta revolução industrial, que vai generalizar a robotização no mundo do trabalho. Esta semana, a Fundação Francisco Manuel dos Santos promove um debate sobre o futuro do emprego. António Moniz, professor da Universidade Nova de Lisboa, antecipa algumas das mudanças.

O Fórum Económico Mundial estima que a robotização vai levar à extinção de cerca de cinco milhões de postos de trabalho nos próximos três anos. Caminhamos para uma sociedade sem emprego?
É óbvio que os processos de automatização estão a aumentar fortemente em vários sectores e há desenvolvimentos a nível da tecnologia que vão afetar seriamente algumas profissões, sobretudo aquelas que têm tarefas mais rotineiras. Mas penso que essa previsão é demasiado drástica.

Que profissões estão em risco de desaparecer?
Um estudo da Universidade de Oxford conclui que algumas profissões podem ser substituídas por automatismos. Em alguns casos não tem nada que ver com robôs, mas com a introdução de algoritmos que permitem automatizar cálculos. Por exemplo, uma das profissões que se considera que vão desaparecer rapidamente é a de avaliador de seguros, assim como profissões na área bancária e de avaliação financeira, que passam a ser ‘desempenhadas’ por algoritmos. Os contabilistas, que tratavam do IRS, recolhiam toda a informação relativa a faturas e a introduziam em papel, também serão muito afetados, uma vez que há cada vez mais informação estatística que já foi automatizada. Também os trabalhadores agrícolas têm tendência a desaparecer, já que a agricultura extensiva é cada vez mais automatizada. E, a prazo, também os motoristas, por causa dos avanços na área dos carros autónomos. Algumas linhas de metro em grandes cidades já não têm condutor e a maior parte das pessoas não sabe. Em várias profissões, a pouco e pouco os humanos estão a tornar-se supérfluos.

O que fazer com os novos desempregados?
Há que encontrar alternativas para as pessoas que desempenham profissões que vão desaparecer. E será uma percentagem bastante significativa. O mais importante é apostar na formação para outro tipo de profissões. Temos de preparar as gerações mais jovens para este novo mundo, com o desenvolvimento de novas competências.

Estima-se que dois terços das crianças que estão hoje na escola vão desempenhar profissões que ainda não existem. De que tipo serão?
São profissões mais criativas e de conteúdo mais analítico, por exemplo na área da programação.

Vamos trabalhar menos horas e menos dias por semana?
O desenvolvimento da tecnologia permite diminuir as horas de trabalho mantendo ou até mesmo aumentando a produtividade. Por isso, essa é uma solução que provavelmente será adotada. No final dos anos 90 e no princípio dos anos 2000 já estávamos a assistir a um decréscimo do número médio de horas de trabalho na Europa, Portugal inclusive. Já se estava quase adotar como regra a semana das 35 horas, mas depois de 2008, estritamente por razões políticas, começou a reverter-se esse processo para diminuir os custos do trabalho.

Concorda com a ideia do Rendimento Básico Incondicional, que já está a ser testado na Finlândia?
A maior parte dos estudos sobre o impacto das tecnologias de informação verificam que há um acréscimo muito grande da produtividade. Porém, não se está a conseguir resolver o problema da distribuição desse ganho. Essa seria uma maneira de equilibrar a sociedade, revertendo esse crescimento para as pessoas.

O cientista Stephen Hawking defende que a robotização e a Inteligência Artificial irão “acelerar a desigualdade económica a nível mundial, fazendo com que só sobrevivam os empregos mais criativos ou de supervisão”. Concorda?
A tendência será essa. O modelo de organização económica e social deverá piorar e as tensões sociais tenderão a agravar-se.