Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Não sou mulher, sou um planeta

Como ninguém tem mais autoridade que uma mulher quando se trata de falar de mulheres, pedimos à parte feminina do Expresso que escrevesse uma simples frase sobre as maravilhas, complicações, atribulações, desgostos, frustrações, alegrias e entusiasmos de ser mulher. Não identificamos as autoras, porque o que elas escrevem é para cada uma delas e para todos nós – e é um exercício notável de orgulho. Esta quarta-feira é Dia Internacional da Mulher

Ser mulher? É fazer milagres todos os dias, sem esperar ser canonizada por isso.

Penso muito no dia em que as minhas filhas vão perceber que É ASSIM QUE O MUNDO AINDA FUNCIONA. E eu sem ser capaz de lhes dar uma justificação para isto e ainda ter de lhes dizer que, apesar disto, vivemos numa das melhores regiões do planeta para as mulheres… sorte a nossa.

Na próxima encarnação quero voltar a ser mulher. Tirando isso, quero ter exatamente os mesmos Direitos e Deveres que qualquer homem. Nem mais nem menos - os mesmos. Exceto ter de mudar pneus, porque não gosto!

Logo de manhã, sentei-me à secretária. À minha frente, tinha uma garrafa de vinho enviada por uma agência de comunicação, como forma de marcar os seus 12 anos de existência. Um vinho tinto, da zona da Península de Setúbal, com um rótulo personalizado: “Jornalista – Colheita Selecionada”. A ideia até nem é má, mais criativa do que a maioria, certamente. O problema é a imagem que na garrafa está gravada: uma pintura, a preto e branco, de uma redação de um jornal. Todos são homens. Ser mulher, no século XXI e no mundo ocidental, ainda é isto: o confronto diário com preconceitos e com um mundo que ainda é feito à imagem dos homens – ainda que um rápido olhar pela redacção deste jornal desminta a visão tão pouco paritária que parece persistir.

Pequenina que sou, não faço frases, recupero as palavras das mulheres da minha terra:
“Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
(...)
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.” (Adélia Prado)
A mesma que me ensinou:
“Minha mãe achava estudo a coisa mais fina do mundo. Não é.
A coisa mais fina do mundo é o sentimento.
Aquele dia de noite, o pai fazendo serão, ela falou comigo:
“Coitado, até essa hora no serviço pesado”.
Arrumou pão e café, deixou tacho no fogo com água quente.
Não me falou em amor. Essa palavra de luxo."
Obrigada, companheiras.

Além das diferenças biológicas, ser mulher é (ou devia ser) o mesmo que ser homem. Somos todos pessoas

Não, não somos mais pequenas, mais fracas ou menos inteligentes que qualquer homem. Somos o que quisermos - sem necessidade de nos compararmos ao sexo masculino. Hoje não é dia para mostrar que somos melhores que os homens - é mais um dia para mostrar que temos que persistir na luta pela igualdade de género.

Acredito que as mulheres têm direito a tudo: conciliar uma carreira com uma família. É altura que a deixem assumir vários papéis, sem lhes imporem dificuldades acrescidas.

Ser mulher é carregar metade do mundo às costas e continuar a sorrir para o dia de amanhã. É conseguir refletir sobre as dificuldades que se deparam e prosseguir não faltando a todos os seus outros compromissos rotineiros, a ciência assim o comprova. Provedora da vida, dona de um corpo sagrado, naquele onde a semente, qual mãe terra, desponta para o nascer de uma nova esperança.

Sabem o drama dos sobredotados? Ok. Ser mulher é isso. Para relaxar, na próxima encarnação quero ser homem. E depois, voltar mulher, claro. Mais dotada do que nunca.

Quanto aos direitos das mulheres... o passado não tem futuro, mas o futuro tem passado

Como disse Emma Watson, “feminismo é sobre dar às mulheres a opção de escolherem. Feminismo não é um pau que se usa para bater noutras mulheres. É sobre liberdade, libertação e igualdade. Não percebo o que é que as minhas mamas têm a ver com isso”.

Pecará pela falta de originalidade, talvez, mas percebi a verdadeira condição de ser mulher quando fui mãe. O que inclui ter assumido a responsabilidade de educar as minhas filhas para a igualdade, tornando-as conscientes do seu direito a serem respeitadas, valorizadas e ouvidas sempre, independentemente do género.

Não sou mulher, sou um planeta. Que está sempre a dar voltas ao infinito. Tanto posso ser o canto de um pássaro como um vulcão em fogo - porque fora do tempo, um cavalo é uma árvore. Mas se fosse homem, acho que também era assim...

Ser mulher é poder viver a mais poderosa das experiências, a de gerar um ser dentro do seu corpo, e vê-lo crescer e tornar-se gente. Mas é também ter a fragilidade das emoções à flor da pele, num turbilhão de sensações de difícil gestão. Estas são as suas força maior e a sua fragilidade. E é essa a grande mais-valia da mulher.

Marcar o coração daqueles que amo
Unir os desavindos
Ler nos olhos dos outros
Honrar compromissos
Escolher o melhor caminho para viver
Resgatar o amor, sempre o Amor!

Gosto mesmo é de refletir sobre questões fraturantes enquanto beberrico um chá preto e experimento os potenciais prodígios da maquilhagem Bobbi Brown!