Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

O YouTube juntou televisão ao streaming e chamou-lhe TV

NOVIDADE. Numa primeira fase, a YouTube TV apenas estará disponível em solo norte-americano e não há quaisquer planos para o seu lançamento na Europa

A YouTube TV vai utilizar inteligência artificial para potenciar a personalização e cativar novos públicos. O serviço do gigante norte-americano quer chamar a atenção dos millennials com uma marca que casa a televisão tradicional com o streaming

Já era a plataforma com maior número de conteúdos de vídeo disponíveis na Internet e agora entrou (de forma definitiva) no negócio da televisão. Apesar do seu sucesso, o YouTube continua a reinventar-se e decidiu apresentar a YouTube TV. No fundo, trata-se de um serviço de televisão pago que será um híbrido entre a televisão linear e um serviço de streaming.

À semelhança do que acontece com os operadores de televisão portugueses, o serviço da YouTube TV permitirá aos utilizadores norte-americanos o agendamento de gravações dos programas que mais lhes interessarem — para que possam ser vistos noutra altura —, mas não será essa a principal característica do serviço. Como elemento diferenciador, a Alphabet (casa-mãe da empresa) avança com a utilização de inteligência artificial para potenciar a personalização e cativar novos públicos. Em causa estão os millennials, geração que já não vêm televisão mas que não abandonam o consumo de conteúdos televisivos.

Em solo norte-americano, onde o serviço será lançado em primeiro lugar — ainda não há quaisquer planos de expansão europeia —, a YouTube TV contará com 40 canais (entre os quais se destacam FOX, ABC, CBS, NBC, SyFy, ESPN) e terá o custo de 35 dólares. A criação deste serviço de streaming chega numa altura em que a empresa detida pela Alphabet tenta competir com empresas do setor como a Hulu, a 21st Century Fox, a Comcast e a Time Warner, que lançaram recentemente os seus próprios pacotes de televisão por subscrição. À oferta junta-se ainda um canal próprio, com programação ainda a definir. Será que a Netflix e a Amazon Prime Video têm razões para se preocupar? Por enquanto, ainda não.