Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Hospitais públicos investem 30 milhões em parques de estacionamento

Tiago Miranda

O Serviço de Utilização Comum dos Hospitais acaba de lançar um mega-concurso para a remodelação e construção de parques de estacionamento de Norte a Sul do país. Obras poderão durar até quatro anos

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

O SUCH - Serviço de Utilização Comum dos Hospitais, que funciona como central de compras do Serviço Nacional de Saúde (SNS), abriu um concurso para a requalificação de parques de estacionamento que poderá traduzir-se num encargo máximo de 30 milhões de euros.

O anúncio do concurso, publicado na sexta-feira em “Diário da República”, prevê a separação da contratação em dois lotes. O maior, que tem um valor máximo de 27 milhões de euros, refere-se à “requalificação, ordenamento e construção civil de parques de estacionamento”. Um segundo lote, no valor de 3 milhões de euros, destina-se ao fornecimento de equipamentos de controlo e gestão de acessos.

O concurso estabelece um prazo máximo de 48 meses para a execução das obras, que decorrerão em vários hospitais de Norte a Sul do país. O anúncio não especifica detalhes como o número e localização de parques e lugares de estacionamento.

Para a requalificação e construção dos parques de estacionamento as propostas serão classificadas em função do preço (com um fator de ponderação de 45%), mérito técnico do estudo prévio (35%) e mérito técnico da proposta (20%). Para o fornecimento do equipamento de controlo de acessos os critérios de avaliação serão o preço (55%) e o mérito técnico da proposta (45%).

As propostas no âmbito deste concurso deverão ser apresentadas ao SUCH no prazo de um mês.

Este é o terceiro maior concurso público lançado em Portugal desde o início do ano, segundo o portal Base, que compila os anúncios e contratos públicos. Acima dos 30 milhões orçamentados para os parques de estacionamento dos hospitais ficam apenas dois concursos do Instituto da Segurança Social para a distribuição de comida a pessoas carenciadas, no valor de 66,1 milhões de euros (em janeiro) e 65,8 milhões de euros (em fevereiro).