Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Roubou um camião de gás e tentou circular em contramão em Barcelona

ALEJANDRO GARCIA / EPA

O ministro espanhol do Interior já confirmou que o incidente nada tem a ver com atos terroristas. “O condutor do camião (...) tem antecedentes psiquiátricos. Não se tratou de nenhum ato terrorista”, escreveu no Twitter

O homem que esta terça-feira roubou um camião do gás em Barcelona e foi detido, ao tentar circular em sentido contrário numa via marginal da cidade, sofre de transtornos mentais e foi internado num centro psiquiátrico.

O ministro espanhol do Interior Juan Ignacio Zoido já confirmou que incidente nada tem a ver com atos terroristas. "O condutor do camião de butano roubado em Barcelona e detido tem antecedentes psiquiátricos. Não se tratou de nenhum ato terrorista", escreveu o ministro no Twitter.

A polícia regional da Catalunha (Mossos d'Esquadra) e a Guarda Urbana detiveram o condutor, tendo inclusivamente disparado contra ele quando tentava levar o camião em sentido contrário pela Ronda Litoral de Barcelona, uma via marginal que contorna a cidade e passa em frente às praias da cidade.

Tudo começou às 10h40 da manhã (9h40 em Lisboa), quando um homem de nacionalidade sueca roubou um camião com botijas de gás butano, na rua Vilà Vilà, de Barcelona, aproveitando o facto de o responsável pelo veículo estar ocupado a distribuir as botijas.

Fontes ligadas à investigação, citadas pela agência espanhola Efe, realçaram que durante a fuga a alta velocidade o camião foi perdendo algumas das botijas, tendo provocado estragos em vários veículos e ferimentos leves numa mulher.

As unidades dos Mossos d'Esquadra e da Guarda Urbana de Barcelona (polícia municipal) deram ordem ao condutor para que este parasse, mas tiveram de efetuar vários disparos até finalmente deter a marcha do camião. Apesar dos vários tiros disparados pela polícia catalã, o condutor do camião saiu ileso.

A avaliação médica ao condutor comprovou que o homem sofre de transtornos mentais, pelo foi levado para um centro psiquiátrico de Barcelona.

O detido, de nacionalidade sueca, não pôde ser interrogado imediatamente, dado não entender nem saber falar castelhano, catalão ou inglês.