Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Só um evadido de Caxias foi preso, garantem MAI e Ministério da Justiça

Nuno Botelho

Em comunicado conjunto, o Ministério da Administração Interna e o Ministério da Justiça só garantem a detenção de um dos dois chilenos que fugiram de Caxias este domingo. À Lusa, fonte da Polícia Nacional espanhola garantiu que os dois estavam sob sua custódia

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

A trama adensa-se. O Ministério da Administração Interna e o Ministério da Justiça garantem, num comunicado conjunto, que só foi detido um dos dois chilenos que fugiram do Estabelecimento Prisional de Caxias este domingo.

"A Administração Interna e a Justiça confirmam a detenção, nas últimas horas, de um dos três evadidos do Estabelecimento Prisional de Caxias, na madrugada de domingo. O detido, de nacionalidade chilena, encontra-se sob custódia das autoridades espanholas", diz o documento.

O comunicado refere ainda que assim que foi identificada a fuga dos três reclusos, "as autoridades portuguesas trocaram a informação necessária não só entre si, mas também no âmbito dos mecanismos de cooperação policial internacional, tendo ainda sido desenvolvidas ações, que continuam em curso, no âmbito da cooperação judicial internacional". Além disso, mal foi conhecida a fuga, "as forças e serviços de segurança iniciaram ações e operações com vista à recaptura dos evadidos".

Ao início da manhã, o Expresso e outros órgãos de comunicação adiantaram que os dois fugitivos tinham sido capturados no aeroporto de Madrid. Nessa altura, em reação às notícias publicadas, o Ministério da Justiça confirmou apenas a primeira detenção e revelou que a segunda estava em curso, sem acrecsentar mais pormenores da operação policial.

Poucas horas depois, uma fonte da Polícia Nacional espanhola adiantou à agência Lusa que dois dos três reclusos que fugiram do estabelecimento prisional de Caxias, foram detidos em Madrid, no domingo, com documentos de identificação falsos.

A mesma fonte adiantou que os dois reclusos, de nacionalidade chilena, ficaram sob custódia do Tribunal Superior de Justiça.