Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Nós vamos mostrar os nossos rostos: temos medo mas o amor é maior

Da esquerda para a direita: Fatima, 47 anos, Rana, 27 anos, e Reem, 26 anos

Fatima, 47 anos. Rana, 27 anos. Reem, 26 anos. As histórias de coragem têm as idades todas. Ouvimos falar das receitas delas na cozinha, acabámos a ouvir a receita delas para olhar o medo - amor. Amor pelos filhos, pelos irmãos. Amor. E é por ele e por eles que destaparam os rostos que nos anunciaram inicialmente que não iriam mostrar. Fatima, Rana, Reem

Marta Gonçalves

Marta Gonçalves

Texto

Jornalista

Tiago Miranda

Tiago Miranda

Fotos

Fotojornalista

Corta-se miudinho a salsa, os coentros e a cebola. Depois, mistura-se a carne picada, o arroz e os ovos. Tempera-se a gosto com sal e pimenta. O recheio já está feito. À parte estão esticadas e preparadas as folhas de uva ou de alface romana, que foram demolhadas em água quente. Em cada uma, duas colheres da mistura. Enrolar. Num tacho, coloca-se um fio de óleo, tomate e harissa (uma combinação de temperos muito utilizada na cozinha árabe). De seguida, um copo de água e os rolinhos recheados lá para dentro. Agora é só deixar cozinhar por 40 minutos.

À primeira vista, o aspeto é muito semelhante às tradicionais salsichas com couve lombarda. Chama-se yabrak e é um dos pratos que Fatima mais gosta de cozinhar. Tem 47 anos, cinco filhos e quatro netos. É síria e está em Portugal com o estatuto de refugiada.

Também o kibih, uma espécie de croquete de carne, é uma das suas especialidades. Estas e outras fazem parte das dezenas de receitas que preparou no “Pão a pão – Projeto de Integração de Refugiados”, uma iniciativa que promoveu jantares sírios no Mercado de Santa Clara, em Lisboa, durante o último mês de dezembro. Correu tão bem que vem aí um projeto maior - já lá vamos.

A filha Reem, 26 anos, tem mão para os doces. Domina o açúcar, os ovos e a manteiga. Gosta mesmo é de fazer bolos, mas cozinha de tudo um pouco. Já a filha Rana, 27 anos, é mais dada às sopas e às massas. Só as três já eram capazes de compor um menu completo, embora a equipa seja bem maior.

O projeto temporário no Mercado de Santa Clara, que serviu para testar sabores, a equipa e o público, vai tornar-se permanente. Em breve, a capital será casa de um restaurante de cozinha síria que deverá empregar, numa primeira fase, mais de uma dezena de pessoas. A inauguração está prevista para abril, no renovado Mercado de Arroios. A ideia é, no futuro, conseguir replicar o espaço em vários pontos do país e ter trabalho para 300 pessoas.

Agora, é preciso esperar. Embora já exista espaço, falta melhorá-lo: pintar, decorar, arranjar eletrodomésticos, comprar mesas e cadeiras, dispor as louças, arrumar os talheres, pensar na ementa e nos horários. Há muito por fazer e ainda há muito por caminhar até que o projeto esteja finalmente pronto.

A vontade de abraçar o filho é mais forte do que o medo

É em casa, na periferia de Lisboa, que encontramos Fatima, Reem e Rana. Pela janela entra um raio de sol que aquece a sala num dia gelado de fevereiro. O sofá está impecavelmente aprumado. A mesa de jantar com oito lugares está decorada com flores. As três sorriem nervosas pela dificuldade em perceber as conversas que se cruzam. Os últimos dias têm sido de espera, querem voltar ao trabalho o mais rápido possível.

Desde o primeiro momento, aceitaram contar a sua história mas não queriam mostrar as suas caras. A mais de cinco mil quilómetros de distância da cidade onde nasceram, Damasco, na Síria, o medo do passado ainda está presente. Imortalizar o rosto numa imagem e publicar num jornal pode ter represálias.

Click! Primeiro disparo. Ajeitar a mão e virar o rosto mais para a esquerda. Click! Ao segundo disparo mudam de ideias. “Alguém algures pode ver-me, ouvir a minha história e ajudar-me a trazer o meu filho. No outro dia, na televisão, vi um refugiado que tinha sido proibido de entrar nos Estados Unidos da América, mas alguém ouviu-o e agora está em casa com a família”, explica Fatima. A vontade de abraçar o filho é tão mais forte do que o medo que sente.

Da esquerda para a direita: Fatima, 47 anos, Rana, 27 anos, e Reem, 26 anos

Da esquerda para a direita: Fatima, 47 anos, Rana, 27 anos, e Reem, 26 anos

Tiago Miranda

Fatima, 47 anos, e as filhas Rana, 27 anos, e Reem, 26 anos, estão em Portugal com o estatuto de refugiadas há um ano e três meses. Vieram do Egito e chegaram a Lisboa no âmbito do programa de reinstalação do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). Os rapazes da família, Rafat, 20 anos, e Yhia, 15 anos, também vieram. Mas houve um que ficou para trás: Rateb, 23 anos. Está na Turquia com a mulher à espera de autorização para entrar na União Europeia.

“Só queria que o Rateb viesse para o pé de nós. Na Síria já não tenho nada… nem casa, nem família, nada. O que mais quero é que a minha família fique toda junta. Esse é o meu sonho”, diz a matriarca. No total, lá em casa são 11 pessoas. Fatima vive com os quatro filhos, os dois genros e os quatro netos.

Morto a tiro

Desde 2013 que ninguém pode entra na rua onde Fatima criou os cinco filhos. Não sabem ao certo o que aconteceu à casa, provavelmente foi destruída. Mais uma marca da guerra que teima em não ter fim.

Quando fugiram, não levaram nada. No fundo, sempre pensaram que iriam regressar. O tempo passou e o futuro cada vez mais passava por outro lugar. Só o marido de Fatima regressou à casa da família, queria ir buscar umas fotografias e meia dúzia de roupas. À saída, quando atravessou a porta foi morto a tiro. Naquele dia, àquela hora e naquela rua outros 149 homens morreram da mesma forma.

Tentaram a Jordânia e Líbano. Foram barrados nas fronteiras, viajaram de táxi, barco e autocarro. Só no Egito conseguiram ficar. “São pessoas muito diferentes e têm um estilo de vida muito distinto dos sírios. No entanto, era mais fácil porque falávamos todos a língua árabe. Gostamos muito de estar em Portugal, mas é muito difícil comunicar com as pessoas devido à barreira linguística”, explica Rana.

Foram três anos. Fatima e as filhas eram donas de casa, os filhos mais novos estudavam e os maridos trabalhavam. A Europa continuava a ser o destino, novamente pela segurança e também por uma melhor educação.

Como refugiados referenciados pelo ACNUR, existiam três opções: o regresso em segurança ao país de origem, integração no país de acolhimento, neste caso no Egito, ou reinstalação num país terceiro. Assim, Portugal passou a ser a nova e atual morada.

Hijab: a relação com Deus

O clima é muito parecido ao da Síria e sentem-se seguros. As principais diferenças estão na organização e no facto de agora viverem numa democracia. “Em Portugal, as pessoas são todas equivalentes. Têm os mesmos privilégios. Todas as pessoas são tratadas de igual forma, o que não acontece na Síria. Aqui, enquanto cidadão português há o direito de viver no país, de votar, de ter um seguro de saúde”, analisa Fatima.

Divertidas, mãe e filhas contam que no ocidente acham que os sírios vivem em tendas, anda de camelo e vestiam sempre burqa. Quando passam na rua, sentem os olhares mas não juízos de valores. Há curiosidade porque falta conhecimento sobre a cultura árabe, dizem.

“Muitas pessoas perguntam o porquê de usar o lenço se já não estamos na Síria”, comenta Reem. “Usar o lenço é algo que faz parte do Islão. Colocar o hijab é para que os outros olhem para ti só como uma pessoa e não pela tua beleza. Nós gostamos de usar e por isso usamos. Quem não gosta, não usa. É algo que faz parte da relação com Deus.”

Apesar de já terem feito algumas amizades, sobretudo no meio escolar que as crianças da família frequentam, a língua é uma barreira que as impede de conhecer outras pessoas. Os maridos de Reem e Rana, que trabalhavam como designer gráfico e costureiro, não conseguem arranjar emprego fixo. Procuram aqui, encontra ali. É tudo temporário e sem perspetivas de melhorias.

“Se para os portugueses é complicado, quanto mais para nós que não falamos português”, comenta umas das mulheres. Em tempos, tiveram aulas mas como eram dadas por voluntárias não foi possível continuar. As três já vão compreendendo o que escutam, falar e escrever é que é um pouco mais difícil.

Numa dessas aulas de português, Fatima apanhou uma conversa no ar. Ouviu qualquer coisa sobre cozinhar e Síria. Em casa, pediu ajuda ao filho para procurar mais sobre o projeto. Viu, gostou, pediu mais informações. Agora, juntamente com as duas filhas, vai integrar a equipa de cozinha do restaurante que em breve abre portas. Rafat deverá ajudar no serviço às mesas.

“O meu único plano é ter uma vida normal”

Fatima não era a única chefe na cozinha do “Pão a Pão”. Ao seu lado tinha Mouna, 38 anos. Prefere os doces aos salgados. Está a contar pelos dedos os dias que faltam até que possa servir os seus pratos na sala do novo restaurante.

“O meu único plano é ter uma vida normal”, diz Mouna, que vive numa casa cedida pelo Conselho Português para os Refugiados (CPR) com o marido Yosef, 42 anos, e os cinco filhos, com idades entre um ano e sete meses e os 18 (três meninos e duas meninas).

Estão em Portugal há menos de um ano e, tal como a família de Fatima, o português é uma dificuldade. Na sala lá de casa estão afixados quadros com as palavras e os respetivos desenhos. O pai e os filhos estão a ser ensinados por voluntários. Aos poucos, vão aprendendo.

“Os portugueses surpreenderam-me. Gosto de viver aqui, muito por causa das pessoas. Sinto que ninguém se mete na minha vida só porque sou muçulmana, sinto que me respeitam. Quero muito ficar por isso”, diz Mouna. “O meu único plano é ter uma vida normal.”

Na Síria, Yosef era economista, cá não consegue encontrar um emprego fixo. “Faria qualquer coisa.”

Deixaram os subúrbios de Alepo e entraram ilegalmente na Turquia. Chegaram a Portugal através do programa de recolocação, foram selecionados devido ao problema de saúde de um dos filhos. Lorance, de 15 anos, tem um problema de visão e estava a ser acompanhado pelos médicos quando a família teve de fugir.

“Não houve movimentação da organização e as ajudas vieram apenas de privados. Foram amigos de amigos que se ofereceram para ajudar. O CPR deu-nos a casa, o que foi fantástico e estamos agradecidos. O principal problema é as crianças ainda não estarem na escola e a falta de ajuda para tratar a doença do meu filho”, sublinha Yosef.

Questionado pelo Expresso, o CPR diz que está a acompanhar o caso e a tentar integrar as duas meninas em meio escolar. Quanto a Lorance, refere que este começou a ser seguido no Hospital de São José, em Lisboa, e que foi agora transferido para os Capuchos. Recusou tecer mais comentários, justificando que os processos são confidenciais.

Nas próximas semanas chegam mais 224 refugiados a Portugal

Segundo o ACNUR, a reinstalação passa pela seleção e transferência dos refugiados que estão em condições precárias num primeiro país de asilo (como por exemplo, o Egito ou a Turquia) para um outro país que os acolhe e concede um direito de residência permanente. Já a recolocação, define a Comissão Europeia, entende-se como a transferência de pessoas que necessitam de proteção internacional de um Estado-membro para outro.

A Portugal, em 2016, chegaram através da reinstalação 16 refugiados sírio provenientes da Turquia. Já no programa de recolocação, Portugal recebeu um total (desde dezembro de 2015 até 16 fevereiro 2017) de 1001 requerentes de proteção internacional (722 provenientes da Grécia e 279 da Itália).

“A maioria dos requerentes tem nacionalidade síria, sendo famílias com filhos menores e são provenientes da Grécia. A maioria dos requerentes provenientes de Itália são do género masculino, viajam sozinhos e têm nacionalidade eritreia”, refere ao Expresso o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Ao longo das próximas semanas está prevista a chegada de mais 224 refugiados. Ainda em fevereiro e no começo de março devem aterrar em Portugal 169 requerentes de proteção internacional vindos da Grécia, 23 de Itália e 32 refugiados reinstalados do Egito.