Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

O poder do cacau

Getty Images

São muitos mais do que se pensa os seus benefícios para a saúde. Até na luta contra o cancro é útil. Mas atenção: falamos de cacau, não de chocolate

Diz a sabedoria popular que o chocolate é o melhor antidepressivo. E todos conhecemos pessoas “viciadas” em chocolate. A verdade é que o cacau é um alimento com elevados benefícios para a saúde. O único senão é que isto se aplica apenas ao chocolate negro com mais de 70% de cacau, e não ao chocolate de leite ou ao branco, que são sucedâneos com adição de leite e de açúcar.

Não é de agora que se conhecem os benefícios do chocolate. Napoleão Bonaparte comia um pedaço sempre que precisava de um reforço de energia. Do ponto de vista nutricional, o cacau tem tantos benefícios que é considerado nutracêutico, ou seja, um produto nutricional com valor terapêutico. Prova disso é que é usado em alguns tratamentos, inclusive na luta contra o cancro. Vamos por partes.

Classificado como “superalimento”, a semente de cacau ocupa um destacadíssimo primeiro lugar numa tabela comparativa de alimentos ricos em antioxidantes (medido em valores ORAC — Capacidade de Absorção de Radicais Livres — por 100 gramas), à frente do açaí e do chocolate negro. Para se ter uma noção dos valores, a semente de cacau regista 26 mil ORAC, seguida do açaí com 18.500 e do chocolate negro com 13.120. Porque é os antioxidantes são tão importantes? “Quando há oxidação no nosso organismo, produzimos radicais livres, que por sua vez dão origem a processos de reação em cadeia, o que pode levar ao dano das células que se deveriam renovar e no final, conduzir à morte”, explica Paula Mouta, naturopata, nutricionista funcional e membro do Cell-Wellbeing Senior Medical Advisory Board. “Os alimentos de grande poder antioxidante possuem uma molécula que inibe a oxidação das outras moléculas”.

Isto não é novo para Paula Mouta, que desde 2014 recebe pacientes de cancro da mama, cujo tratamento passa pelo cacau. Ela esclarece: “Os flavonoides do cacau atuam na recuperação das células cancerígenas. Os alcaloides dos grãos de cacau têm um efeito estimulante no cérebro, que auxilia na prevenção das doenças degenerativas.” Além disso, “quando se tem cancro, precisamos de reduzir ou eliminar por completo o consumo de açúcar. Como este é um vício quase comparável às drogas pesadas, é difícil obter resultados imediatos”, continua a naturopata de 52 anos. “Ao recomendar o consumo de 2 a 3 vezes por dia de um quadrado de cacau acima dos 70%, conseguimos modificar os comportamentos e gerar uma substituição saudável. Quando comemos chocolate amargo, estamos a ingerir uma percentagem elevada de fibra natural concentrada. Essa fibra é aliada no combate às doenças do intestino, como é o caso do cancro do cólon”.

A naturopatia enquanto “prática de saúde integral”, que olha para o ser como um todo, encaixa-se no campo da epigenética, a herança transmitida de pais para filhos através das experiências, e não só do ADN. O que isto vem dizer é que “no nosso biótipo nem tudo está programado — e atos como a alimentação, o exercício físico e o comportamento podem influenciar a maneira como os nossos genes se organizam”. O mesmo é dizer que “a alimentação pode ser o medicamento mais poderoso para reduzir o risco de doenças”. Cuidar-se, através do que come e do seu estilo de vida, pode ser a melhor política de saúde.