Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Ministério Público português acusa vice-presidente de Angola de corrupção

DOMINICK REUTER / AFP / GETTY

Manuel Vicente é acusado no processo que envolve o ex-procurador Orlando Figueira e o advogado Paulo Blanco

Rui Gustavo

Rui Gustavo

Editor de Sociedade

O Ministério Público português concluiu a acusação da Operação Fizz. Manuel Vicente, vice-presidente de Angola, é acusado de corromper o antigo procurador Orlando Figueira para que este arquivasse um processo em que estava a ser investigado em Portugal.O advogado Paulo Blanco, que terá servido de intermediário, é igualmente acusado de corrupção. Armindo Pires, que representava os interesses de Manuel Vicente em Portugal, é o quarto arguido do processo e também é acusado de corrupção.

Segundo uma nota do MP enviada às redações, Manuel Vicente (à data presidente da Sonangol), Paulo Blanco e e Armindo Pires, "em conjugação de esforços", terão pago a Orlando Figueira "que, na altura, trabalhava no DCIAP", cerca de 760 mil euros e outras vantagens, "designadamente colocação profissional numa instituição bancária".

Em troca, o ex-procurador da República "proferiu, em dois inquéritos, despachos que favoreceram o presidente da empresa angolana". Estes dois processos, em que Manuel Vicente era investigado por branqueamento de capitais, "foram arquivados pelo referido magistrado".

Ainda de acordo com o MP, no decurso da investigação "foram arrestados e apreendidos ao ex-procurador da República cerca de €512.000,00 que se encontravam em contas bancárias portuguesas, em cofres e em contas bancárias sedeadas no Principado de Andorra".

O Ministério Público quer que Orlando Figueira continue preso em casa enquanto aguarda julgamento. E que Paulo Blanco "continue sujeito a proibição de contactos".

Manuel Vicente "será, agora, notificado do despacho de acusação através de carta rogatória dirigida às autoridades angolanas". Só nessa altura "o Ministério Público pronunciar-se-á sobre medidas de coação a aplicar a este arguido".

Ao longo de todo o comunicado, o Ministério Público evita dizer que Manuel Vicente é o atual vice-presidente de angola.