Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

MP investiga incêndio no armazém de enxofre em Setúbal

Caso do incêndio no armazém da Sapec, em Setúbal, é investigado pelo Ministério Público. Inspetores da PJ foram ao local e concluiram que o fogo não tem origem criminosa

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

O Ministério Público abriu uma investigação ao incêndio no armazém da Sapec, em Setúbal. "Confirma-se a instauração de inquérito", diz ao Expresso o gabinete de comunicação da Procuradoria-Geral da República.

Uma fonte da Polícia Judiciária de Setúbal revela ao Expresso que um grupo de inspetores esteve no local, realizando uma inspeção no armazém. E concluiu que "o incêndio não tem origem criminosa".

É a GNR que está a levar a cabo a investigação de forma a apurar responsabilidades ambientais no caso.

O fogo deflagrou na manhã desta terça-feira, causando uma nuvem de dióxido de enxofre. Entretanto, esta manhã a Direção-Geral da Saúde (DGS) garantiu que a situação da Sapec Agro, está “completamente controlada” e já não existe emissão de dióxido de enxofre para a atmosfera.

Há 20 pessoas afetadas pela nuvem de dióxido de enxofre: 10 bombeiros e 10 civis, entre os quais quatro crianças. Um menor deu entrada no Hospital, enquanto outra criança que ingressou na quarta-feira à noite naquela unidade hospitalar já teve alta, mas continua a inspirar cuidados.