Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

População deve calafetar portas e janelas devido a incêndio em armazém de enxofre em Setúbal. Cinco bombeiros feridos

Incêndio no concelho de Setúbal está controlado mas está a obrigar a cuidados especiais até que desapareça a nuvem de fumo. Fonte dos bombeiros voluntários de Setúbal disse ao Expresso que há cinco operacionais feridos, todos eles com queimaduras ligeiras

Cinco bombeiros ficaram feridos esta terça-feira, com queimaduras ligeiras, no combate a um incêndio num armazém com enxofre nas instalações da fábrica Sapec, em Mitrena, no concelho de Setúbal, apurou o Expresso. Chamas terão surgido por volta das três da manhã.

Fonte dos bombeiros voluntários de Setúbal disse que o incêndio, por volta das 8h15 da manhã desta terça-feira, já estava circunscrito e controlado. Para além dos cinco bombeiros que sofreram queimaduras ligeiras nas pernas, não há mais feridos.

A prioridade dos bombeiros que se encontram neste momento no local é a “proteção da própria fábrica” que se encontra num “espaço confinado”.

A Proteção Civil Municipal apelou à população das localidades de Praias-do-Sado e Faralhão para não saírem de casa e para calafetar portas e janelas até que desapareça a nuvem de fumo provocada pelo incêndio.

“Estamos a apelar às pessoas para não saírem de casa até por volta do 12:00 devido à nuvem de fumo. As creches e as escolas daquela zona, incluindo o instituto Politécnico de Setúbal não vão abrir portas hoje por precaução. Já avisamos todos estes estabelecimentos de ensino”, disse à agência lusa o coordenador da proteção civil municipal José Luís Bucho, que aconselhou ainda a população a calafetar portas e janelas “com toalhas molhadas”.

Ainda não se sabe o que terá levado ao deflagrar do incêndio.

O coordenador da Proteção Civil Municipal de Setúbal, José Luís Bucho acrescentou, indicou que “ainda não foi possível entrar dentro de um dos armazéns, que tem uma estrutura em ferro que ameaça ruir e que só depois de haver condições de segurança é que se podem iniciar aí as operações de rescaldo”.

“Durante o combate ao incendio, cinco bombeiros sofreram queimaduras ligeiras, mas nenhum caso inspira cuidados”, adiantou.

Quanto à nuvem de fumo provocada pelo incêndio, que obrigou as populações das freguesias de Praias do Sado e Faralhão e, mais tarde, da freguesia de Gambia, Pontes e Alto da Guerra a ficarem em casa, começou a dissipar-se de forma significativa.

José Luis Bucho disse à agência Lusa que a situação deverá ficar controlada dentro de poucas horas.

O incêndio em dois armazéns de enxofre da Sapec, um produto abrasivo e tóxico, teve início às 3h00.

Notícia atualizada às 11h05