Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Bispo de Leiria: país não faz favor nenhum se dedicar uma atenção privilegiada a Fátima

FRANCISCO LEONG/AFP/Getty Images

António Marta considera que o Estado pode fazer “muito mais”, reivindicando uma descriminação positiva relativamente a esta cidade do concelho de Ourém. “Os peregrinos não têm deixado faltar nada ao Santuário”, diz, e por isso pede “para a cidade, para as infraestruturas, para as estruturas”

O bispo de Leiria/Fátima, António Marto, afirmou esta quinta-feira que o país "não faz favor nenhum se dedicar uma atenção privilegiada a Fátima", considerando que o Estado pode fazer "muito mais".

O bispo, em declarações aos jornalistas, sublinhou que o Estado pode "dedicar muito mais" atenção a Fátima, reivindicando uma descriminação positiva relativamente a esta cidade do concelho de Ourém.

"Não peço nada para o Santuário, que os peregrinos não têm deixado faltar nada ao Santuário. Peço para a cidade, para as infraestruturas, para as estruturas", explicou António Marto, afirmando que deveria haver um investimento para facilitar os acessos a Fátima e o trânsito na própria cidade, bem como os seus passeios.
Já relativamente a questões fiscais, o bispo considerou que "o que dá lucro, tem de pagar o seu imposto. É de justiça".

Durante o seu discurso no Encontro Anual de Hoteleiros, promovido pelo Santuário, António Marto salientou a importância de Fátima para a projeção do próprio país no mundo.

"O país tem Fátima como uma referência que o dá a conhecer em todo o mundo, como nenhuma outra instituição, nenhum outro lugar", salientou.

Para o bispo, Fátima chega aos "cantos mais recônditos do mundo", onde nem "o Cristiano Ronaldo chega", notou.

"O país deve muito a Fátima", disse, destacando que o Santuário é um "montra onde se espelha o país", com Portugal a ser "conhecido e reconhecido" através deste lugar.

Em termos de "marketing, é uma publicidade gratuita e de qualidade até", frisou.