Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

A estrela da companhia

d.r.

É uma das maiores apostas da Seat nos últimos anos. O novo Ibiza chega em junho mas foi revelado ao mundo esta semana. Estreia uma nova plataforma do grupo Volkswagen e traz também novas motorizações. O jornalista Rui Pedro Reis esteve em Barcelona para conhecer o Ibiza em primeira mão. Ainda não o conduziu, mas o que viu já chega para antecipar o que aí vem

Rui Pedro Reis /SIC

Para as marcas generalistas, o segmento B é uma espécie de balão de oxigénio e, em mercados como o português, é mesmo aquele que concentra a maior parte das vendas. Daí que a chegada de um novo modelo seja antecipada com grande expectativa. É o caso da quinta geração do Seat Ibiza. Vais ser dado a conhecer em detalhe no Salão de Genebra, daqui a um mês. Mas a marca espanhola quis marcar posição e reuniu alguns jornalistas da área para ver o modelo em primeira mão.

O mini Léon

À primeira vista o novo Ibiza é uma espécie de mini León. Compreende-se porquê. O familiar compacto da Seat é um sucesso global. Em conjunto com o SUV Ateca, Léon e Ibiza constituem os três pilares do fabricante de Martorell. O objetivo dos designers da marca foi, por um lado aproximar a identidade dos três modelos, por outro tornar o Ibiza mais compacto mas ao mesmo tempo com mais qualidade de vida a bordo. novo modelo é 87 mm mais largo, o comprimento foi reduzido em dois milímetros e a altura tem menos um milímetro. Na base está uma nova plataforma, a MQB-AO, que é estreia absoluta no Ibiza e que também vai ser utilizada pela nova geração do Volkswagen Polo. A maior distância entre eixos resulta, segundo a marca, num automóvel mais confortável e seguro. Percebe-se que o interior é mais amplo e que há mais espaço para as pernas. Os bancos estão mais largos e, segundo a Seat, O Ibiza tem a melhor habitabilidade do segmento. Também a bagageira é best in class e aumentou 63 litros, para um total de 355 litros.

Quanto a motorizações, há três propostas a gasolina. Em primeiro lugar, o bloco três cilindros em aço 1.0 TSI, com 95 cv ou 115 cv. Para o final do ano é aguardado um novo motor 1.5 TSI, com 150 cv. Já nos diesel a oferta está concentrada no 1.6 TDI, com versões de 80 cv, 95 cv e 115 cv. As versões até 95 cv vão estar equipadas com caixa manual de cinco velocidades. As restantes oferecem caixa manual de seis velocidades. Em opção, estará disponível a caixa automática de dupla embraiagem DSG de sete velocidades.

Uma novidade é o fim da versão de três portas. O Ibiza passa a estar disponível apenas em versão de cinco portas, mas os designers do grupo defendem que as novas linhas conseguem a desportividade de um modelo sem portas para os passageiros de trás.

Quatro perfis de utilização

A nova geração do Ibiza passa a contar com quatro níveis de equipamento, para clientes com perfis distintos. Aos já conhecidos Reference, Style e FR, junta-se agora o nível de equipamento XCellence. Este último tem como alvo uma clientela que procura um automóvel mais distinto e a apontar ao conforto e onde os detalhes contam. É o equipamento topo de gama, a par com o FR, onde a marca aposta num perfil mais desportivo e uma imagem mais agressiva, com para-choques distinto, um difusor traseiro e suspensão desportiva (com possibilidade de escolha entre modo Normal e Sport. Ambos os níveis de equipamento vão ter o mesmo preço. Entre as novidades, está também a utilização de luzes LED, tanto no interior como no exterior.

A nível tecnológico, o Ibiza também recebe herança de muitos elementos conhecidos do León. É o caso dos sistemas Front Assist, Traffic Jam Assist, Adaptive Cruise Control, Keyless Entry, nova geração de sensores de estacionamento dianteiros e traseiros e câmara traseira. O ecrã de infoentretenimento e conectividade tem 8”, está integrado na consola central, e pode incluir Apple Car Play, AndroidAuto e Mirror Link.

Agora é esperar para ver

Dentro de um mês, no Salão de Genebra, a Seat apresenta oficialmente o novo Ibiza. Nessa altura, já vai ser possível conhecer a oferta em detalhe, nomeadamente a ficha técnica do produto, com prestações e consumos. Já os preços, será preciso aguardar pelo mês de Maio, momento em que vai decorrer o primeiro teste ao novo citadino da marca espanhola, antes do lançamento no mercado em Junho. Desta vez foi possível perceber que é assumida a colagem do Ibiza ao León e que a Seat aposta muito na nova plataforma. Por dentro o automóvel parece confortável, tanto à frente como nos lugares de trás. A Seat só mostrou as versões FR e XCellence. Há mais atenção aos pormenores, em especial nos acabamentos, Mas, em ambas, fica a impressão de um uso considerável de plásticos duros, menos agradáveis ao toque, ainda que visualmente apelativos. Uma tendência seguida por outros construtores, que preferem apostar na qualidade de construção.

30 anos de história

Foi em 1984 que a Seat se aventurou com o modelo a que deu o nome da ilha mediterrânica. À data anunciava um motor “System Porsche”, num momento em que ninguém adivinhava que anos mais tarde ambas as marcas iriam estar no mesmo grupo automóvel. Passadas estas três décadas, o Ibiza evoluiu muito e conta com 5,4 milhões de unidades vendidas no total das quatro gerações.

Tratando-se de uma revelação mundial, ainda não há pormenores mecânicos ou sobre consumos e prestações