Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

O espumante da rainha

© Juda Ngwenya / Reuters

Sabia que a rainha de Inglaterra lançou um espumante? Pois é. E já vai na segunda “edição”. Limitada, claro. “Noblesse oblige”

De tempos a tempos, as figuras públicas "lembram-se" de fazer um vinho que leva o seu nome. Foi assim com Francis Ford Coppola, com Angelina Jolie e Brad Pitt, com o ator Sting, com o francês Gérard Depardieu ou até com o improvável atual presidente dos EUA, Donald Trump. Mas talvez não imaginássemos a rainha de Inglaterra, Isabel II, a entrar neste lote. A verdade é que a rainha se estreou nas lides vitivinícolas e parece estar a gostar. Em 2011, mandou plantar 16.700 pés de vinha na sua propriedade, Windsor Great Park Estate. As castas: chardonnay, pinot noir e pinot meunier - obrigatórias para fazer espumante. Na verdade, Isabel II não fez mais do que reabilitar uma tradição milenar, pois aquela havia sempre sido uma zona de vinha. O príncipe Carlos também esteve bastante envolvido no processo.

Na propriedade da rainha, Windsor Great Park Estate, foram plantados 16.700 pés de vinha no ano de 2011. Em 2013, saiu dali o primeiro resultado: um espumante

Na propriedade da rainha, Windsor Great Park Estate, foram plantados 16.700 pés de vinha no ano de 2011. Em 2013, saiu dali o primeiro resultado: um espumante

© Toby Melville / Reuters

Depois de dois anos de "blending", o vinho foi engarrafado e passou dois anos em caves a estagiar. Quando as primeiras 3000 garrafas de espumante Windsor Vineyard 2013 foram postos à venda, em "packs" de 3 garrafas, pelo preço de 87€, esgotaram rapidamente. Agora, uma segunda edição limitada – de apenas 2000 garrafas - está a ser preparada para sair este outono (preço por garrafa: €40, mais caro que a primeira edição). E poderá apenas ser encomendada online. O objetivo é que a produção atinja as 20.000 garrafas, dentro de 6 ou 7 anos.

Nos EUA, desde 1975 que o realizador Francis Ford Coppola se dedica a fazer vinhos em Napa Valley. Este ano, estabeleceu uma parceria com a Academia de Hollywood para os fornecer durante três anos

Nos EUA, desde 1975 que o realizador Francis Ford Coppola se dedica a fazer vinhos em Napa Valley. Este ano, estabeleceu uma parceria com a Academia de Hollywood para os fornecer durante três anos

© Kimberly White / Reuters

Hobby de luxo ou negócio lucrativo?

A relação entre o vinho e as celebridades não é propriamente uma coisa rara. Muitos foram os interessados em fazer os seus próprios vinhos. Foi o caso do realizador norte-americano Francis Ford Coppola, que há largas décadas se dedica à produção de vinhos. Em 1975, o cineasta do "Padrinho" comprou uma propriedade na área vinícola de eleição dos EUA, Napa Valley. A Inglenook era uma propriedade centenária com vinhas velhas e Coppola levou os últimos 40 anos a investir a sério. Em 2011, contratou o diretor de enologia da Chateau Margaux, uma das casas de vinho francês mais reputadas, Philippe Bascaules. Desde 1998, Coppola tem produzido dezenas de vinhos e feito um negócio apreciável – 500 milhões de dólares era a fortuna estimada do realizador em 2007, em que se incluíam os negócios do vinho, charutos, dois restaurantes, uma linha de comida congelada e três 'resorts' nos EUA. Uma notícia recente dá igualmente conta do sucesso que os vinhos Coppola estão a ter: a Academia de Hollywood anunciou que o seu vinho seria o eleito para os eventos da Academia nos próximos 3 anos.

A diversidade da linha de vinhos de Coppola inclui tintos e brancos, com mais de 30 anos de safras

A diversidade da linha de vinhos de Coppola inclui tintos e brancos, com mais de 30 anos de safras

Jason Bahr

O atual presidente norte-americano, Donald Trump, comprou em 2011 a maior propriedade vinícola da Virginia, a Trump Winery. A sua vinha inclui Chardonnay, Sauvignon Blanc, Sémillon e Viognier entre as castas brancas, e Merlot, Cabernet Franc, Petit Verdot, Cabernet Sauvignon e Malbec entre as tintas. Trump produz espumantes, vinhos tintos e brancos.

Quem partilha o mesmo gosto pelo vinho, apesar de estar no espectro político oposto, é a cantora pop Madonna, que tem, desde 1996, uma adega no Michigan, em parceria com o pai, o italiano Silvio Ciccone. A Ciccone Vineyard and Winery tem 14 hectares de vinha da casta Pinot Noir, Pinot Grigio, Chardonnay e Dolcetto, entre outras. Dois dos seus vinhos foram distinguidos em concursos internacionais em 2013.

Do lado de cá do Atlântico, muitas são as personalidades do mundo do espectáculo que também se dedicam ao vinho. Pode não saber, mas o cantor lírico Andrea Bocelli possui uma empresa familiar que produz vinhos há 130 anos. Situada na Toscana, a Bocelly Family Wines tem como enólogo o reputado Paolo Caciorgna. A casa tem vários vinhos conhecidos, como o "In Canto" (feito de Cabernet Sauvignon), o "Terre di Sandro", feito de vinhas velhas Sangiovese, ou o "Alcide", baseado em Sangiovese e Cabernet. Recentemente, o cantor lírico lançou ainda um Prosecco Extra Dry.

Em 2011, o cantor britânico Sting comprou uma propriedade vinícola na Toscana, em Itália. Desde então, os vinhos do Tenuta Palagio têm todos nomes de músicas suas

Em 2011, o cantor britânico Sting comprou uma propriedade vinícola na Toscana, em Itália. Desde então, os vinhos do Tenuta Palagio têm todos nomes de músicas suas

Na mesma região, o cantor britânico Sting comprou a propriedade vinícola Tenuta Il Palagio, em 2011. Produz vinhos brancos, tintos e rosé, com a particularidade de todas as suas garrafas terem nomes de músicas suas ("Message in a Bottle", "When we Dance"…). Um dos seus vinhos mais conhecidos é o "Sister Moon", com castas de Merlot, Sangiovese e Cabernet Sauvignon.

Desde 1989 que o ator francês se tornou proprietário de vinhedos em França e produtor de vinhos

Desde 1989 que o ator francês se tornou proprietário de vinhedos em França e produtor de vinhos

© Tobias Schwarz / Reuters

Em França, terra conhecida de bons vinhos, vários atores investiram no seu gosto pelo vinho. O ator Gérard Depardieu, que adora beber bom vinho, é proprietário de vinhedos em vários países. Cinco situam-se em França, no Vale do Loire, outro em Marrocos e outro em Itália. O francês tem ainda investimentos conjuntos com Bernard Magrez, com quem criou vinhos como o "Reférence". Em 1989, Depardieu adquiriu o Chateau de Tigné, em Anjou, que daria azo a vinhos de referência como o Château de Tigné 1999. Do Haut-Médoc, é também conhecido o "Ma Vérité" (2002).

O ex-casal Jolie-Pitt tornou-se castelão ao adquirir o Chateau Miraval, em França. Daí nasceu o vinho rosé Miraval, cuja edição Vintage 2016 vai sair, apesar do casal de atores seguir agora em diferentes direções

O ex-casal Jolie-Pitt tornou-se castelão ao adquirir o Chateau Miraval, em França. Daí nasceu o vinho rosé Miraval, cuja edição Vintage 2016 vai sair, apesar do casal de atores seguir agora em diferentes direções

Jamie McCarthy

Outras celebridades que puseram o foco nas vinhas do sul de França foram Angelina Jolie e Brad Pitt, que compraram em 2012 o Chateau Miraval, uma propriedade de 1000 hectares com vinha. No ano seguinte, e da parceria com a família Perrin, nasceu um vinho rosé, o Miraval – que quando foi lançado online esgotou em 5 horas. O sucesso do vinho foi grande, tendo a produção atingido o meio milhão de garrafas no ano passado (80.000 para os EUA apenas). Mesmo com a separação do casal, Marc Perrin já fez saber que o Vintage 2016 vai ser lançado e que parece estar ótimo...

Mas não são só as personalidades das artes que percebem o potencial do vinho. Em Espanha, o futebolista Andrés Iniesta adquiriu a Bodega Iniesta, em Albacete, Espanha. Criada em 1990 pelo seu pai, José António Iniesta, que ali plantou 10 hectares de vinha, a vinha foi crescendo até aos 120 hectares. Em 2010, produziram-se os primeiros vinhos naquela 'bodega'. Um dos mais afamados é o Finca el Carril Hechicero, com quatro castas de uvas, incluindo Syrah e Cabernet Sauvignon.