Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Sócrates processou o Estado português, avança a SIC notícias

Ex-chefe de Governo é um dos 20 arguidos da Operação Marquês, cuja decisão da investigação do Ministério Público será conhecida a 17 de março

José Sócrates processou o Estado português. A informação está a ser avançada pela SIC Notícias. O antigo primeiro-ministro convocou uma conferência de imprensa para as 20h, em Lisboa.

Há cerca de seis meses, Sócrates já tinha anunciado a intenção de processar o Estado para contestar a forma como está a ser tratado pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e pelo Tribunal Central de Investigação e Ação Penal. Na altura, acusava o Ministério Público de ter iniciado uma segunda campanha de difamação contra si ao levantar suspeitas sobre a sua atuação em relação à Portugal Telecom.

“Irei processar o Estado porque o Estado portou-se indecentemente e irei recorrer a tribunais internacionais”, disse numa conferência de imprensa a 28 de junho do ano passado.

O ex-chefe de Governo é um dos 20 arguidos da Operação Marquês, cuja decisão da investigação do Ministério Público será conhecida a 17 de março, estando indiciado por fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para ato ilícito.

O ex-primeiro-ministro José Sócrates foi detido a 1 de novembro de 2014 no Aeroporto de Lisboa quando regressava de Paris e esteve preso durante nove meses. Após esse período, foi libertado e continua à espera de uma acusação do Ministério Público.

Entre os outros arguidos no caso está o ex-presidente do BES Ricardo Salgado, os empresários Joaquim Barroca, Paulo Lalanda de Castro, administrador da Octapharma em Portugal, Diogo Gaspar Ferreira e Rui Mão de Ferro, Inês Pontes do Rosário (mulher de Carlos Santos Silva), o advogado Gonçalo Trindade Ferreira, e Bárbara Vara, filha de Armando Vara, bem como a ex-mulher de José Sócrates, Sofia Fava.

  • Sócrates diz que vai processar o Estado português

    Ex-primeiro-ministro acusa Ministério Público de ter iniciado uma segunda campanha de difamação contra si ao levantar suspeitas sobre a sua atuação em relação à Portugal Telecom. José Sócrates considera “gravíssima” a declaração do diretor do DCIAP à SIC sobre a possibilidade de a investigação da Operação Marquês não terminar no prazo fixado de 15 de setembro e assume que vai processar o Estado. "Quiseram impedir-me de concorrer a Presidente"