Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Automobilistas já podem ‘fugir’ ao pórtico de portagem na A29 em Gaia

A polémica começou em 2010, quando o Governo iniciou a cobrança de portagens em várias das antigas SCUT, incluindo a A29 que liga Porto a Aveiro. Um dos pórticos foi colocado em Gulpilhares, naquela que é a única via municipal de acesso às freguesias mais a sul do concelho de Gaia

Os condutores podem evitar a partir desta terça-feira o pórtico de portagem da A29 em Gulpilhares, Gaia, graças à conclusão da via alternativa projetada pela Câmara Municipal que assim deu uma resposta local a um "disparate central".

"Foi uma resposta local a um disparate central. Ninguém compreendia, e não compreende, a localização deste pórtico. Em primeiro lugar porque a autoestrada foi construída em cima da estrada nacional", afirma o autarca Eduardo Vítor Rodrigues.

A polémica começou em 2010, quando o Governo decidiu introduzir pórticos de cobrança de portagens em várias das antigas SCUT (sem custos para o utilizador), incluindo a A29 que liga Porto a Aveiro. Um dos pórticos da A29 foi colocado em Gulpilhares, naquela que é a única via municipal de acesso às freguesias mais a sul do concelho de Gaia, motivando vários protestos e levando então muitos automobilistas a desviarem o seu percurso por ruas mais interiores do concelho para evitar o pagamento.

"Foi muito injusto o modelo que aqui foi seguido. Na altura tudo foi permitido", criticou o autarca, recordando que quando tomou posse, em 2013, deu início a um "processo negocial tranquilo, numa base de diálogo, explicando os factos, fazendo perceber que também não estava em causa nenhuma perda financeira significativa para o concessionário".

Mesmo durante a campanha para as autárquicas em 2013, o agora presidente da Câmara chegou a propor a criação da alternativa viária à antiga SCUT, uma promessa que vê agora cumprida com a inauguração, esta terça-feira, do troço alternativo.

"É uma alternativa paralela à autoestrada, que permite que os moradores, fazendo um pequeno desvio para o interior de Gulpilhares, acedam às praias e à zona de habitação sem terem que passar por pórtico", destaca o autarca, explicando que este desvio retoma um acesso antigo "que tinha ficado obstruído pela própria ocupação da autoestrada".

As obras, com um custo global de cerca de 200 mil euros, arrancaram em setembro do ano passado, depois de "um processo de expropriação amigável" e da aquisição de uma parcela de terreno que permitiu a construção da nova via.

"Foi uma solução encontrada para o trânsito local, que é o que nos importa neste momento. É não onerar as pessoas que aqui moram, os moradores da zona de Gulpilhares, Valadares e pessoas que se dirigem para São Félix da Marinha e para Arcozelo", assinalou Vítor Rodrigues.

O autarca realçou ainda que a obra irá já a partir de hoje ter "repercussões na vida das pessoas" que graças a esta via, de ligação da Rua da Ameixoeiras à Avenida Combatentes do Ultramar Português, conseguirão desviar-se do pórtico e assim evitar a cobrança de taxas entre os 0,45 euros e os 1,10 euros.

"O município é o ator decisivo para a resolução dos pequenos problemas dos cidadãos e este (...) inscreve-se naquilo que são o leque das pequenas obras, das pequenas intervenções que têm grande reflexo no dia-a-dia dos cidadãos", sublinhou.

Esta obra, acrescentou Vítor Rodrigues, "insere-se num projeto já em curso de reabilitação de toda a rede viária envolvente, da qual sobra a rua das Moutadas, que é a etapa final".

A inauguração da via de ligação da rua das Ameixoeiras à Avenida dos Combatentes do Ultramar, em alternativa ao pórtico da A29 em Gulpilhares, está marcada para hoje pelas 11:00.