Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Pedidos de ajuda ao Instituto de Apoio ao Jogador tiveram “crescimento enorme”

Vício na Internet ainda não é um distúrbio oficialmente reconhecido

Flickr

Pedidos de ajuda concentram-se agora nos jogos online, sobretudo apostas desportivas e póquer on-line, em vez dos tradicionais problemas relacionados com os casinos

Os pedidos de ajuda ao Instituto de Apoio ao Jogador (IAJ) concentram-se agora nos jogos online, que registaram um “crescimento enorme”, em vez dos tradicionais problemas relacionados com os casinos, disse à Lusa o psicólogo Pedro Hubert. Todos os anos tem vindo a aumentar o número de pedidos que chegam ao instituto, através da linha de ajuda (968230998) e da marcação de consultas, mas o perfil de quem pede ajuda também tem mudado.

“Há uns anos, a maior parte era jogadores de casino, das máquinas, e agora tivemos um crescimento enorme de pedidos de ajuda” de pessoas com problemas com o jogo online, sobretudo apostas desportivas e póquer on-line, adiantou Pedro Hubert, coordenador do IAJ.

Também estão aparecer cada vez mais casos de adolescentes e jovens universitários com problemas relacionados com vídeojogos. Nestas situações, a componente não é tanto o dinheiro, mas o insucesso escolar, os problemas familiares e o isolamento, devido às horas que passam a jogar, muitas vezes 14 a 16 horas por dia, disse o especialista em jogo patológico.

A maior parte dos pedidos de ajuda relativos ao jogo a dinheiro, “seja online ou offline”, é feita pelos familiares (50 a 60%), enquanto nos vídeojogos, “99%, para não dizer 100%, são feitos pelos pais, porque os próprios nunca pedem ajuda”.

Após anos a apostar online e muitas noites mal dormidas a pensar em esquemas para arranjar dinheiro para jogar e recuperar o que já tinha perdido, Rui (nome fictício) decidiu que era altura de pedir ajuda. Em 2001, tinha então 30 anos, Rui começou a jogar de forma lúdica, “sem qualquer tipo de compulsão”, sendo as apostas desportivas online o seu “jogo de eleição”.

Mais tarde, em 2013, passou por alguns problemas de saúde e conjugais que o levaram a “jogar mais compulsivamente, com valores de apostas superiores”, como contou à Lusa. Jogava sempre no horário de trabalho. “Se trabalhasse oito horas estaria a apostar e a seguir jogos durante esse tempo”, admitiu. Na fase mais aguda da compulsão havia dias em que chegava “a jogar, entre ganhar e perder, 500 a mil euros por dia”, contou.

Quando a família descobriu o seu vício, Rui ficou uns tempos sem jogar, “mais por não poder do que por não querer”, e teve de sair de casa onde morava com a mulher e os filhos. “Fui viver para outra casa e passado um tempo, voltei a recair e foi nessa recaída que cheguei à conclusão que sozinho não conseguia resolver o meu problema de jogo”, contou Rui.

No próprio dia, ligou para os Jogadores Anónimos, falou com “um companheiro”, e foi à primeira reunião. Uma semana depois teve a primeira consulta no instituto. “Foi aqui que começou o meu processo de recuperação e felizmente as coisas têm estado a correr bem", disse Rui, contando que, nos primeiros seis meses, frequentou mais de 50 reuniões dos Jogadores Anónimos e tinha consultas semanais.

Está há oito meses sem jogar, mas confessa que “a vontade” permanece. “Eu sou um jogador e hei de ser o resto da vida”, porque “gosto de jogar”. “O que tenho tentado fazer é munir-me de ferramentas que considero válidas e necessárias para conseguir ter o jogo cada vez mais controlado e distante da minha vida e isso passa muito pelas consultas, pelas reuniões dos jogadores anónimos, pelo nosso querer e pelas estratégias que vamos adotando na vida”, disse.

Uma das estratégias que arranjou foi entregar todas as suas finanças, desde cartões de crédito, acesso a 'homebaking' e transferências bancárias a um amigo e receber uma semanada. O que mais valoriza na recuperação é a tranquilidade que sente quando se deita, “sem sentimentos de culpa, sem pensar no jogo. Não há nada que pague isso”.

Segundo o coordenador do IAJ, as taxas de recuperação, “independentemente de haver uma ou outra recaída”, rondam os 60%, valores que vão ao encontro dos de outros centros europeus e norte-americanos.