Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

"Hoje, há medo nas redacções. Ou alguém tem dúvidas?"

Esta redação multimedia é a ligação do IV Congresso dos Jornalistas Portugueses à Universidade: uma redação que funciona em tempo real com alunos de vários cursos de todo o país

Marcos Borga

A precariedade no jornalismo, a qualidade da informação na era do imediatismo e o contra-senso de haver uma audiência cada vez maior e que cada vez menos valoriza o trabalho dos jornalistas foram alguns dos temas em debate no segundo dia do 4.º Congresso dos Jornalistas, que decorre até domingo em Lisboa

A afirmação e a pergunta que titulam este artigo foram proferidas pela presidente do Sindicato dos Jornalistas. No fim de uma série de comunicações que antecedeu o primeiro painel de debate do 4.º Congresso dos Jornalistas, vários membros da direção do Sindicato subiram ao palco para dar voz ao testemunho de 11 jornalistas que, por temerem represálias, preferiram não assumir publicamente, perante os colegas de profissão, os problemas que enfrentaram. "Hoje, há medo nas redações. Ou alguém tem dúvidas?", concluiu Sofia Branco.

Para trás ficava o relato de quem cedeu a chantagens de chefes, de quem foi despedido por ter um vínculo precário e não querer esconder-se de uma inspeção da ACT na redação, de quem tem funções de chefia há dez anos e é pago a recibos verdes, de quem se viu forçado a desistir da profissão por não conseguir sobreviver com um ordenado de 500 euros, de quem é estagiário anos e anos.

"Retalhos de uma profissão cada vez menos livre e independente, que se resigna" e que, acrescentou a presidente do Sindicato, faz cada vez menos o que devia fazer: "serviço público, contribuir para uma opinião esclarecida e informada ou escrutinar todos os poderes", por exemplo.

A precariedade na profissão é um dos sintomas mais evidentes da crise de um sector ao qual já se colou, há anos, a imagem da "tempestade perfeita": acentuada quebra de receitas publicitárias, mudanças irreversíveis nos hábitos de consumo de informação, novos paradigmas de distribuição de conteúdos e uma concorrência exacerbada pelas audiências. E, no meio de tudo isto, o diagnóstico que a maioria dos jornalistas faz à profissão indica-nos que ela já conheceu melhores dias.

Como chegou o jornalismo a este ponto? E será este um ponto de não retorno? Estas foram duas das perguntas que percorreram parte substancial do primeiro painel do congresso, que reuniu nove jornalistas de alguns dos principais meios de comunicação nacionais. E logo no arranque do primeiro painel, Alexandre Afonso, da Antena 1, colocou o foco numa das (auto)críticas mais ouvidas durante a manhã: o imediatismo que hoje dita regras na profissão.

O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa foi jornalista e diretor do Expresso. E presidiu à sessão inaugural do IV Congresso dos Jornalistas Portugueses

O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa foi jornalista e diretor do Expresso. E presidiu à sessão inaugural do IV Congresso dos Jornalistas Portugueses

Marcos Borga

"Estamos a pensar muito pela cabeça dos outros e não pela nossa cabeça. Temos de pensar em para quem trabalhamos e não em estar nos sítios só porque os nossos concorrentes estão lá", exemplificou. João Pedro Pereira, do Público, questionou outro exemplo clássico da lei do mais rápido a dar o que todos darão. "Tenho sérias dúvidas sobre estas guerras de 30 segundos para ver quem envia a notificação da notícia primeiro".

Anabela Neves, da SIC, partilhou as reflexões e concordou que o imediatismo do ciclo informativo está a impedir que haja "tempo para pensar". "As edições online de todos os meios pegam em notícias de outros e replicam-nas sem sequer as confirmar. E a confirmação de fontes deve fazer parte do nosso ADN", recordou, lamentando a espiral de uma profissão "sem freio a fazer manchetes falsas que são desmentidas minutos depois online".

Problemas que, segundo o jornalista do Expresso José Pedro Castanheira - o único elemento deste primeiro painel que tinha estado presente nos três anteriores congressos -, poderiam ser pelo menos atenuados se o código deontológico fosse cumprido. E atualizado, para colmatar uma das "graves omissões" que diz perdurar desde 1993: "não haver sanções para os jornalistas que não respeitem o código". Acresce, segundo Castanheira, que o jornalismo tem mecanismos de auto-regulação que "não passam de boas intenções", uma entidade reguladora (ERC) "em que os jornalistas não se reveem e que não é respeitada nas redações", "conselhos de redação inexistentes" e "empresas que não são rentáveis" entregues a empresários "que encaram os seus órgãos de comunicação como instrumentos de poder".

Mas num painel que também sublinhou, como defendeu o jornalista do Correio da Manhã Carlos Rodrigues, a necessidade de o jornalismo ser "uma atividade rentável" para que possa ter "como palavra chave a independência, houve também um apelo do jornalista Nicolau Santos, do Expresso, para que o congresso - e por conseguinte a profissão - não se transformasse "num muro de lamentações". Porque, constatou, "o jornalismo sempre foi resistência, resiliência e luta contra as pressões".

A esse propósito, de resto, Nicolau Santos deixou fortes críticas ao que considerou ser a recente deriva do jornalismo económico para o papel de "suporte da troika, dos banqueiros e do programa de ajustamento" e pediu capacidade para "resistir às investidas que tem havido contra o jornalismo". "Há sempre alternativa no jornalismo e na vida", disse.

Uma das alternativas, para o jornalista Carlos Rodrigues de Lima, do Diário de Notícias, é fazer o jornalismo voltar à sua essência. Que parece também prejudicada pela tendência para o "deslumbramento" dos jornalistas. "Às vezes os jornalistas limitam-se a contar as histórias do que se passa lá fora e parece que não aprendem nada com isso. O que é que a Apple fez pelo telemóvel que não possamos fazer pelos jornais?", exemplificou.

Depois de ironizar com o potencial que os jornais têm para aproveitar as tendências para o consumo de produtos vintage - "Haverá coisa mais vintage do que ler jornais em papel?" - o jornalista do "DN" lamentou que depois do tempo "em que se discutia o que era notícia", hoje, nas redações, se privilegie "o que é giro" e "o que indigna as redes sociais". "O jornalismo precisa de ser rentável, mas a receita está na origem, no jornalismo. Não vale a pena inventar. Se no meio da enxurrada de informação não tivermos notícias ou reportagens diferenciadas, vamos com a corrente. Ninguém pára, lê olha ou escuta".

Painel onde participaram diretores de quase todos os órgãos. As opiniões dos congressistas dividiram-se: uns acharam que os diretores colocaram o dedo na ferida, outros que traçaram um cenário sem precários

Painel onde participaram diretores de quase todos os órgãos. As opiniões dos congressistas dividiram-se: uns acharam que os diretores colocaram o dedo na ferida, outros que traçaram um cenário sem precários

Marcos Borga

Na direcção certa?

O painel seguinte terá conseguido o feito de alcançar uma das maiores proporções de sempre de directores de meios de comunicação por metro quadrado: 19 diretores de jornais, rádios e televisões. E quando todos se alinharam no palco - para uma mesa redonda que, como sublinhou Sérgio Figueiredo, da TVI, mais parecia "um pelotão de fuzilamento" -, saltou à vista uma das situações mais criticadas da sessão: a constatação de que em quase duas dezenas de diretores, apenas existiam duas mulheres - Graça Franco, da "Renascença", e Mafalda Anjos, da "Visão".

No seguimento do painel anterior, também os diretores assumiram os vários problemas e desafios que os meios de comunicação têm pela frente. "O tempo das notícias acelerou. Se juntarmos a isso menos recursos humanos e tecnológicos, percebemos que um dos grandes problemas é a viabilidade dos projetos", apontou Arsénio Reis, da TSF. Também por isso Paulo Baldaia, do "DN", desvalorizou as críticas sobre o facto de os diretores serem cada vez mais chamados a tratar de assuntos extra-editoriais e mais relacionados com a gestão das empresas. Porque "sem resolver o problema financeiro não resolvemos os restantes problemas dos media".

E nesse capítulo, David Dinis, do "Público", admitiu que o declínio salarial e das condições de trabalho nas redacções são "um reflexo das condições do país". "Uma parte da minha missão é ir resolvendo os problemas mais graves que tenho na redação", disse, depois de defender que o jornalismo "não é uma profissão para ganhar dinheiro mas para ser feliz".

No mesmo plano, o diretor do Expresso, Pedro Santos Guerreiro, reconheceu que atualmente nas redações portuguesas "não só os salários são mais baixos, como há menos jornalistas". Um contexto propício a um ambiente onde "o mais preocupante é a desmotivação". "Todos quisemos ser jornalistas, não caímos aqui por acaso. Alguns, como é o meu caso, por quererem mudar o mundo. Mas quando se tem salários tão baixos perdemos a capacidade de sonhar e de estar ao serviço dos leitores", defendeu.

O erro de oferecer o que se produz

Entre os problemas com que as redações convivem está a necessidade de os meios se adaptarem à nova realidade tecnológica. Mas para Ricardo Costa, da SIC, mais do que a tecnologia em si - "que sempre existiu e existirá" e cuja evolução, desde o fax ao telemóvel, "sempre condicionou o jornalismo" - , a verdadeira questão está na "mudança profunda dos hábitos de consumo de informação" e nos erros cometidos pelos media no início desta nova era. "A comunicação social ficará para a história da economia como o único sector que ofereceu de borla o que produz".

Uma decisão que gerou um contra-senso difícil de resolver. "Temos as maiores audiências de sempre, mas uma audiência que valoriza cada vez menos o nosso trabalho", constata. "Não podemos parar o vento com as mãos. Mudou o modo de consumo, o tempo e o preço. O desafio é fazer bom jornalismo numa mudança de paradigma de consumo" e em que "muito do que se faz não gera receita", conclui o diretor da SIC.

Ainda no plano da evolução tecnológica, David Dinis, do "Público", enfatizou "a extraordinária oportunidade" que os meios hoje têm para "conhecer muito melhor" os seus leitores. E, de caminho, "desfazer mitos", através dos dados recebidos pelas leituras online. "Como o mito de que as pessoas só querem o clicbait. Não: as pessoas querem textos de análise, querem enquadramento".

Tal como Arsénio Reis, Graça Franco assumiu que um dos obstáculos que enfrenta atualmente na direção da Renascença é "o problema do já". "Temos de ter em minutos uma opinião definitiva sobre se é bom ou mau. Mas às vezes é preciso dizer 'não sei'", disse, depois de defender que "o grande desafio" de qualquer órgão de comunicação "é ser relevante e credível". E se, como argumentou o diretor da Antena 1, João Paulo Baltazar, o jornalismo "só pode ser recuperado se nos questionarmos permanentemente sobre o que fazemos", é preciso criar condições para que os jornalistas "deixem de parecer todos os dias a cumprir a agenda". "Temos de fazer menos, melhor e pensar mais", sentenciou Baltazar.

  • Jornalista de “O caso Spotlight” só escreve com documentos e fontes citáveis

    Michael Rezendes, o lusodescendente que participou na investigação à pedofilia na Igreja Católica, em Boston, espelhada no filme “O caso Spotlight”, afirmou esta quinta-feira, na abertura do 4º Congresso de jornalistas, em Lisboa, que nunca avança com uma notícia que não tenha por base documentos. O jornalismo de investigação é rentável, defendeu

  • Marcelo desafia jornalistas a não cederem à moda do instante

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que nos últimos anos mudou tudo na vida dos jornalistas e avisa que sem um jornalismo estável, sólido e independente, não há democracia. O Presidente da República falou esta quinta-feira na abertura do 4º Congresso dos Jornalistas, onde afirmou que o jornalismo nunca se pode vergar aos poderes, sejam eles quais forem, nem ceder à ilusão da moda do instante