Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Hospitais receberam 13 novos medicamentos contra o cancro

Luís Barra

Tratamentos inovadores foram aprovados pelo Governo ao longo de 2016. Têm indicações para alguns dos tumores mais comuns, como mama e próstata

O Serviço Nacional de Saúde consegue assegurar mais três dezenas de fármacos inovadores para tratar doentes com cancro. O Governo deu 'luz verde' à utilização dos medicamentos no decurso do ano passado. Estão indicados para neoplasias da próstata, da mama ou do pulmão e ainda para tumores líquidos malignos como mieloma, linfoma e leucemia.

As novas terapêuticas oncológicas fazem parte de um conjunto de 51 moléculas, 35 de uso exclusivo hospitalar, que passaram a estar disponíveis para os doentes portugueses. Um valor total que a autoridade do medicamento garante ser "o maior número de medicamentos inovadores de sempre aprovado em Portugal", representando "um acréscimo de 38% em relação a 2015".

Nos hospitais, além dos fármacos oncológicos chegaram também novas terapêuticas para a artrite reumatoide, artrite psoriática, espondilite anquilosante, VIH, hepatite C e Parkinson, por exemplo. E os medicamentos de 'linha branca' também foram reforçados.

Em comunicado, o Infarmed salienta que, "em relação aos medicamentos genéricos, foram aprovadas 493 novas apresentações, relativas a seis novas substâncias ativas, entre elas um antiepilético, um imunossupressor ou um medicamento para a osteoporose". Foram ainda aprovados dois fármacos biossimilares, os genéricos dos sofisticados medicamentos biológicos.