Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Risco, mentira, ilegalidade e desrespeito. As quatro palavras dos ambientalistas contra Almaraz

CENTRAL. A central nuclear de Almaraz, está localizada junto ao Tejo. A água deste rio ibérico serve para refrigerar os seus dois reatores, em funcionamento desde 1981 e 1983

Tiago Miranda

Movimentos cívicos e ambientalistas portugueses e espanhóis marcaram para esta quinta-feira, em Lisboa, uma concentração contra a construção de um novo armazém para resíduos nucleares e a continuação do funcionamento da central de Almaraz, além de 2020

A associação ambientalista Zero escolheu as palavras risco, mentira, ilegalidade e desrespeito para referir-se à central espanhola de Almaraz e para apelar à participação na concentração, em Lisboa, contra a continuação da atividade da unidade nuclear.

"As quatro razões ou palavras que escolhemos são sinónimo daquilo que este processo de continuação de funcionamento da central nuclear de Almaraz para nós significa", disse esta quarta-feira à agência Lusa Francisco Ferreira, presidente da Associação Sistema Terrestre Sustentável, Zero.

Movimentos cívicos e ambientalistas portugueses e espanhóis marcaram para esta quinta-feira, em Lisboa, uma concentração contra a construção de um novo armazém para resíduos nucleares e a continuação do funcionamento da central, além de 2020.

Para Francisco Ferreira, "é fundamental apresentar junto das autoridades espanholas" a posição de vários grupos, incluindo os ambientalistas, "para que todos percebam no que consiste este episódio entre dois países que se deveriam dar bem, mas que, em relação à central de Almaraz, têm um profundo desacordo".

"Face a estas quatro palavras" – risco, mentira, ilegalidade e desrespeito -, a Zero faz o seu apelo a que "haja uma grande participação das pessoas que não querem ver continuar uma ameaça de um risco crescente causado pela central nuclear de Almaraz".

Lembrando que esta é a central nuclear mais próxima de Portugal, situada a cerca de 100 quilómetros da fronteira, a Zero espera que o país vizinho "tenha uma diferente postura, relacionamento e atitude quanto ao prosseguimento do seu programa nuclear e escolha opções mais sustentáveis do ponto de vista energético".