Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Híbrido musculado

DR

Os tablets que também são portáteis são uma das tendências mais evidentes do mercado. Este modelo da Asus prova que é possível ter muito desempenho em pouco espaço

Paulo Matos

Paulo Matos

Exame Informática

Jornalista

A Microsoft deu o mote para a categoria dos híbridos com o Surface e tem vindo a elevar sucessivamente a fasquia à medida que vai lançando novos modelos. A empresa de Redmond tinha referido que não queria que os habituais parceiros de hardware vissem o Surface como concorrência, mas sim como um apontar de um caminho. A Asus foi dos fabricantes que melhor seguiu o conselho - e o Transformer 3 Pro comprova-o.

A capa teclado une-se ao tablet através de uma ligação magnética e pode ser ligeiramente levantada para tornar a escrita mais ergonómica. A ajudar a experiência está a retroiluminação do teclado e um percurso de teclas de 1,4 mm. A dimensão generosa do trackpad é outra mais-valia, já que traz vantagens ergonómicas óbvias.

DR

Ecrã em alta

O primeiro contacto com o ecrã deixou-nos apreensivos, parecia que faltava brilho. Mas a utilização que fomos fazendo deste PC comprovou-nos que esta noção estava completamente errada. Além da elevada resolução (2880x1920 píxeis) e da capacidade de lidar bem com ambientes muito luminosos, contamos com níveis de contraste apurados. Até podemos baixar o brilho praticamente para zero e conseguir ter condições para trabalhar na mesma. Em suma, um bom equipamento para consumir conteúdos. Uma ideia que é reforçada pela qualidade do som. A parceria Asus SonicMaster / Harman Kardon dá origem a um áudio com um alcance dinâmico convincente e capaz de chegar com qualidade aos graves.

É impossível pegar neste Transformer e não pensar imediatamente num Microsoft Surface, já que as semelhanças em termos de design e dimensões são gritantes. E é isto mau? Não, o resultado final está bem conseguido. Usado de forma individual, o ecrã funciona como um tablet de 12,6”, que é ergonómico, fino e leve, funcionando o teclado igualmente como capa. Atrás está um kickstand (pé de apoio) que permite ajustes múltiplos e um ângulo de visualização de 170 graus. No topo do tablet, de alumínio e magnésio, temos o botão de energia, e as laterais estão reservadas para a conectividade: portas USB Type-C/ThunderBolt 3, USB 3.0, HDMI num lado; e leitor de cartões SD/SDXC, jack de áudio e botão de volume no outro.

É verdade que há semelhanças estéticas inequívocas entre o Transformer 3 Pro e o Surface Pro 4, mas também importa salientar que a Asus decidiu dotar o seu híbrido de mais “músculo”. Ou seja, tem um hardware mais rico, como se pode comprovar, por exemplo, pelo processador i7 de 6ª geração e pelos 16 GB de RAM. É verdade que os resultados dos benchmarks não mostram que a Asus tenha ganhos significativos em relação ao Surface, mas dá garantias de um ciclo de vida mais longo. Além disso, o preço também inclui a capa-teclado.

DR

Concessões

Para a maioria dos consumidores, os híbridos ainda continuam a viver um pouco na terra de ninguém: se tiverem ecrãs grandes não são práticos para serem usados como tablets; e as capas teclado e kickstands não fazem deles suficientemente ergonómicos para quem quer trabalhar com eles no colo, por exemplo. O Transformer 3 Pro não vai conseguir mudar este paradigma, mas é um bom PC para quem trabalha maioritariamente em mobilidade e precisa de uma máquina potente. Mas peca pela autonomia reduzida.

Características

ASUS TRANSFORMER 3 PRO

Preço: €1599
Ecrã: WQHD+ de 12,6” (2880 x 1920)
Processador: Core i7 6500U
Memória RAM: 16 GB
Armazenamento: SSD de 512 GB
Conectividade: 802.11ac Wi-Fi, Bluetooth 4.1, USB Type-C /ThunderBolt 3, USB 3.0, HDMI, leitor de cartões SD/SDXC
Dimensões: 298x210x8,3 mm
Peso: 790 g