Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

São homens e rezam. Apenas entre homens 

No Seixal e no Restelo (foto em baixo) há homens que preferem rezar entre si, à noite, depois do trabalho

Jose Carlos Carvalho

Há homens que se reúnem para rezar o terço no masculino, sem mulheres, que acusam de “controlar tudo” na igreja

Começam a aproximar-se da porta da igreja do Seixal às nove da noite fria e molhada. Cumprimentam quem encontram pelo caminho e ficam à espera. Quando a porta do santuário se abre, entram. Dirigem-se para o primeiro banco, olhos postos no altar. São três homens e o padre. Em silêncio, tiram os terços dos bolsos, baixam a cabeça e começam a rezar. Durante quase 40 minutos, ajoelhados, repetem: “Ave Maria...”

Há dois anos que um grupo de 12 homens se junta uma vez por mês na igreja da zona antiga para rezar o terço. Deixam para trás a família e os jogos de futebol para tentar replicar em Portugal um movimento de oração no masculino que surgiu no Brasil, onde são milhares os homens que rezam apenas entre homens.

“Numa pesquisa na internet encontrei o Movimento do Terço dos Homens, no Brasil, e pensei que poderia ser uma ótima ideia para Portugal”, explica Nuno Capucha, um dos impulsionadores. Técnico tributário, 44 anos, conta a história habitual de alguém que se afastou da religião na adolescência e regressou, adulto, para as missas de domingo, mas que precisava de algo mais. Mas porquê rezar apenas entre homens? “Porque as mulheres tomam a liderança de tudo o que diz respeito à vida das igrejas e os homens ficam para trás.”

Terço com sotaque

Em julho, o jornal brasileiro “O Globo” fez manchete com uma fotografia de milhares de homens a rezar de terço nas mãos. A reportagem contava que à noite, acabada a missa, as mulheres saíam da igreja e os lugares eram ocupados por homens. Três mil terão lotado um templo na zona norte do Rio de Janeiro. A cerimónia foi transmitida em direto pela internet. O movimento ganhou força na última década e está a ser exportado para a Bolívia, Paraguai e EUA.

O artigo não conta que a onda de oração no masculino terá começado pela mão de dois padres portugueses: Miguel Lencastre e José Pontes encontraram nas igrejas vazias do nordeste do Brasil uma oportunidade para atrair homens, acostumados a ficar do lado de fora. Quem explica é António Ruivo, ligado ao santuário de Schoenstatt, em Lisboa, que ouviu o relato diretamente de um dos sacerdotes. Portugal, contudo, está muito longe desta dimensão. A pesquisa do Expresso descobriu apenas os grupos do Seixal e de Schoenstatt e mesmo o Patriarcado, quando questionado, não os conhecia. Há procissões, como a da Farinheira, em Mação, em que só participam homens, mas que não funcionam com esta regularidade.

Desde 2014 que os participantes do grupo do Seixal tentam conquistar mais adeptos, mas não é fácil. Criaram uma página no Facebook e colaram um cartaz no átrio da igreja. Apostaram sobretudo na divulgação boca a boca, mas o movimento não cresceu. Os que participam, contudo, dizem-se fiéis. Pedro Inês, 35 anos, desempregado, só falta às reuniões quando tem de ficar com o filho de ano e meio porque a mulher, que trabalha por turnos, não consegue. Valentim Queirós, reformado, 71 anos, 12 netos e dois bisnetos, diz que participa porque “é bom estar entre homens” e que “rezar em grupo tem outra força”, embora o terço faça parte da sua rotina diária, mesmo que solitária. Rafael Santos, funcionário público, 30 anos, outro dos fundadores do movimento na margem sul, defende que o objetivo é “rezar de forma pragmática, pelas intenções de cada um, porque a vida é uma batalha diária e o terço é uma arma que dá força”. O simbolismo masculino é evidente nos discursos, como quando Nuno Capucha confessa ser “devoto de São Nuno de Santa Maria, génio militar impulsionado pela fé”.

nquanto fala tem nas mãos o terço de madeira oficial do movimento brasileiro, lembrança que trouxe do santuário de Aparecida para todos os membros do grupo.

Tiago Pacheco da Silva é pároco do Seixal há um ano. Quando chegou, encontrou o movimento e nunca pensou em fechar as portas a estes homens. Quando pode, participa, e quando não é possível “eles entram, rezam sozinhos e vão à vida deles”. Compreende a necessidade de homens rezarem entre homens porque “o terço está associado a uma oração de mulheres idosas e, além disso, as senhoras dominam todos os momentos da igreja e, desta forma, eles têm um método e tempo próprios”.

Orar sem o terço

O frio é o mesmo, o resto é distinto. Às mesmas 21h frias de uma noite de dezembro, outros homens começam a chegar. Desta vez, o local é o santuário de Schoenstatt, no Restelo. Também se atrasam. Também chegam aos poucos, um de cada vez. Este grupo é formado por seis homens, um está doente e não pode comparecer.

O Ramo dos Homens de Schoenstatt — movimento de renovação católica de génese masculina que surgiu em 1914 na Alemanha — chegou a ter quatro “grupos de vida”. Formados há cinco anos, atualmente, só dois núcleos funcionam regularmente. No total, são 15 homens que se encontram a cada quinze dias e decidem, de forma autónoma, que método querem imprimir às reuniões. “Somos um movimento de leigos e o padres são os nossos assessores, não mandam”, explica Paulo Galvão, psicólogo que trabalha como coach e é o coordenador do Ramo dos Homens.

Desafiados a explicar o motivo de se reunirem apenas entre homens, concordam que “homens e mulheres têm características próprias e, quando se juntam, estas evidenciam-se”. Dizem ainda que “também as interpretações dos textos são distintas”. Pedro Mendonça é o “chefe” daquele grupo de homens casados, com mais de 50 anos. Assumiu a responsabilidade em outubro e vai ser líder durante um ano litúrgico (até outubro de 2017). Engenheiro industrial, conta que foi “educado no amor à Igreja, em frente ao presépio” e que vê nesta prática “a possibilidade de desenvolver o papel de pioneiro e educador dos homens”.

Para o teólogo e sacerdote Anselmo Borges, o surgimento de movimentos de leigos é positivo. “Jesus era leigo e a Igreja é, antes de mais, o povo de Deus”. Segundo o religioso, “povo, em grego, diz-se laós, de onde vem a palavra leigo” e “é excelente que haja leigos que se reúnem em grupos e associações para rezar em conjunto, meditar e prestar serviços”. Avisa, contudo, para dois perigos: “O surgimento de algum elitismo ou a redução a um devocionismo intimista, esquecendo a caridade cristã.”

Também a teóloga Teresa Toldy alerta que “em geral, estes movimentos de espiritualização passam ao lado de questões fraturantes da Igreja”, como a discussão do papel da mulher na instituição e a sua ordenação. E sublinha que haver grupos só de mulheres para debater textos litúrgicos não é o mesmo porque “eles sempre tiveram voz na hierarquia, enquanto elas reúnem-se para ter espaço de expressão da sua fé, sem reproduzir o discurso masculino”.

Daniel Simões, 58 anos, é economista. Tinha deixado de ir à missa, mas numa peregrinação a Fátima aproximou-se do movimento e gostou do que viu porque não havia “muita beatice”.

Agora é dele a missão de organizar o Encontro Internacional dos Homens de Schoenstatt, em maio do próximo ano, em Aveiro e Fátima. José Cid é engenheiro informático e tem 65 anos. Começou a frequentar o santuário do Restelo trazido pela mão do filho e, hoje, toda a família participa. Não tem dúvidas de que a leitura no masculino “é mais focada” e sublinha que “o chavão da igualdade de género não se coloca em Schoenstatt, onde todos são iguais diante de Deus”. Os 66 anos do engenheiro agrónomo Pedro Castro e Costa fazem-no explicar que “não há um rezar no masculino e outro no feminino porque a prédica é a mesma, a expressão é que é diferente”, mas também que “os homens reforçam a oração quando a fazem em conjunto”.

Desde que surgiu, os homens de Schoenstatt tentam rezar o terço no masculino. Falharam sempre. Reconhecem que “o modelo de Portugal não tem de ser o do Brasil”, por isso dedicam-se a estudar textos litúrgicos. “Estamos numa fase embrionária, com tudo por fazer”, dizem. E se uma mulher quiser participar? “É o que está a acontecer”, responde Pedro Mendonça. Acabada a reunião, saem todos da sala e juntam-se em frente à porta, já fechada, do santuário. É quase meia-noite, ligam o telemóvel e rezam. Sem mulheres. Mas entregam-se a uma mulher, a mãe de Jesus.