Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

“Presente de Natal” das empresas de diversão para Costa caiu ao chão e partiu-se

TIAGO PETINGA

Os empresários, que têm vindo a protestar pela “sustentabilidade da atividade”, pretendem voltar a ter alvarás de cultura que lhes permita descerem o IVA de 23% para 13%

O carrossel de brinquedo que a Associação Portuguesa de Empresas de Diversões (APED) queria entregar a António Costa na sede do Conselho de Ministros, em Lisboa, caiu ao chão e partiu-se.

Após a entrada do primeiro-ministro na reunião do Conselho de Ministros, dois elementos da APED preparavam-se para entregar um carrossel e um cavalo, dois brinquedos que pretendiam de entregar ao Governo “simbolizando o passado da atividade”, mas estes acabaram por cair ao chão e partiram-se.

Cerca de vinte elementos da APED reuniram-se junto ao Ministério das Finanças e encontram-se desde as 9h junto à sede do Conselho de Ministros, em Lisboa, onde pretendiam entregar um “presente de Natal” ao primeiro-ministro António Costa.

No entanto, quando o presidente da APED mostrava o brinquedo aos jornalistas, este caiu ao chão. “Este carrossel é uma imagem de uma atividade que pode acabar. É a imagem do passado”, disse o presidente da APED, Luís Paulo Fernandes, antes do brinquedo lhe cair das mãos e quando falava aos jornalistas.

Os cerca de vinte manifestantes mantêm-se à porta do Conselho de Ministros revoltados com a situação em que se encontram e preveem deslocar-se a seguir para a Presidência da República.

À tarde, a associação vai participar numa reunião no Ministério das Finanças com o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade.

Desde 2013 que estes empresários lutam pela aplicação da resolução 80/2013, aprovada por todos os partidos políticos no parlamento e publicada em Diário da República.

O documento “recomenda ao Governo o estudo e a tomada de medidas específicas de apoio à sustentabilidade e valorização da atividade das empresas itinerantes de diversão”.