Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Ordem dos Médicos e PCP pedem justiça contra “cancro” da corrupção

Bastonário da Ordem dos Médicos falou a propósito da detenção do ex-presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo e das mais de 30 buscas relacionadas com o negócio do plasma

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) apelou esta terça-feira a que se faça justiça, sendo acompanhado pelo secretário-geral do PCP, após uma reunião de trabalho, em Lisboa, ao comentar a operação em curso sobre eventual negócio ilícito de plasma.

“Desconheço os contornos. Não tenho nenhuma informação privilegiada nessa matéria”, ressalvou José Manuel Silva. Ainda assim, o bastonário declarou: “Faça-se justiça”, porque “Portugal precisa que se combata a corrupção, de mais transparência”.

“A corrupção é o cancro do nosso sistema. Combata-se a todos os níveis, também na saúde, doa a quem doer”, disse, depois de esclarecer que o encontro com os comunistas serviu para dar a conhecer a posição da Ordem dos Médicos sobre a lei dos atos em saúde e o subfinanciamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS), uma vez que “sem ovos e sem pessoas não se fazem omeletes”.

O líder comunista Jerónimo de Sousa também afirmou não ter “informação segura e certa” sobre o caso, mas defendeu um “princípio fundamental – se há suspeitas investigue-se, apure-se e julgue-se”. “Não queria fazer julgamentos precipitados. Que se combata este fenómeno de corrupção que existe no nosso país”, declarou.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) revelou esta manhã que estão em curso mais de 30 buscas em estabelecimentos oficiais relacionados com a saúde, incluindo o Ministério e o INEM, e outras em território suíço, numa investigação ao negócio do plasma.

De acordo com uma nota da PGR, as buscas domiciliárias e não domiciliárias em Portugal decorrem na área da Grande Lisboa e do grande Porto.

Além dos estabelecimentos oficiais ligados à área da saúde, duas das buscas realizam-se em escritórios e locais de trabalho de advogados.

No decurso destas diligências foi, igualmente, efetuada uma detenção, que uma fonte ligada ao processo confirmou ter sido Cunha Ribeiro, ex-presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo.