Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Ex-presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa detido por suspeita de corrupção

Tiago Miranda

Luís Cunha Ribeiro foi detido durante esta manhã pela Polícia Judiciária no âmbito de uma investigação relacionada com o negócio do plasma. A operação ainda decorre, em vários pontos do país e no estrangeiro

Luís Cunha Ribeiro, ex-presidente do INEM e ex-responsável pela Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo, foi detido durante a manhã desta terça-feira pela Polícia Judiciária, sob suspeita de corrupção ativa e passiva e crimes conexos, no âmbito de uma investigação relacionada com o negócio do plasma. O caso envolve a farmacêutica Octopharma, empresa de Lalanda de Castro, ex-patrão de José Sócrates. A notícia foi avançada pelo “Correio da Manhã” e já confirmada pelo Expresso junto de fonte da PJ.

Em causa está a apropriação indevida de cerca de 100 milhões de euros pertencentes ao Estado. Há buscas a decorrer em Lisboa, no Ministério da Saúde, na sede do INEM e da ARS de Lisboa; no Porto, há buscas na ARS Porto e no Hospital de São João.

Após ter feito parte do júri do concurso no ano 2000, Luís Cunha Ribeiro é suspeito de ter entregue à farmacêutica Octapharma o monopólio do negócio da venda do plasma sanguíneo aos hospitais públicos portugueses.

Cunha Ribeiro terá sido subornado por Lalanda de Castro, presidente da Octapharma, com dois apartamentos de luxo: um em Lisboa, outro no Porto. Ambas as casas eram propriedade da Convida, sociedade imobiliária que pertencia a Lalanda de Castro.

Para a primeira habitação em Lisboa, terá sido simulado um contrato de arrendamento a Cunha Ribeiro, mas na prática nunca pagou qualquer valor significativo enquanto lá viveu. Quanto à habitação no Porto, o ex-presidente do INEM adquiriu-a à Convida – mas por valores muito abaixo do mercado.