Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Aveiro repõe iluminação que havia sido desativada devido à subida do IVA

O presidente da Câmara de Aveiro, durante a sua intervenção no congresso do PSD

Alberto Frias

“Fizemos um contrato com a EDP para pôr tudo isso na ordem e acabou o período da escuridão e de lâmpadas desligadas”, declarou o autarca Ribau Esteves.

A iluminação pública no município de Aveiro deverá ser totalmente reposta “nas próximas semanas”, revelou esta segunda-feira fonte municipal.

A iluminação nas vias e espaços públicos do concelho havia sido reduzida quando o Governo aumentou o imposto de valor acrescentado (IVA) da iluminação pública de seis para 23%.

Na altura, o executivo municipal resolveu tomar medidas para diminuir a despesa, quer desligando alternadamente as luminárias em várias ruas, quer reduzindo em uma hora o período de acendimento, de manhã e ao fim do dia.

“O que estamos ainda a acabar são os troços onde havia lâmpada sim, lâmpada não, apagada. Seguramente que esse trabalho estará terminado nas próximas semanas. Eram muitas as lâmpadas desligadas no município, não era só na cidade”, comentou o presidente da Câmara, Ribau Esteves.

Segundo o autarca, a Câmara tem agora de pagar à EDP cerca de três euros por cada lâmpada que volta a ser “atarraxada”, estando esse trabalho a ser executado por empreiteiros contratados para o efeito.

“No nosso Município, tudo o que tem armadura é para estar ligado. Fizemos um contrato com a EDP para pôr tudo isso na ordem e acabou o período da escuridão e de lâmpadas desligadas”, declarou Ribau Esteves.

Além da reativação das lâmpadas dos postes de iluminação pública que haviam sido desligadas, a autarquia teve de pagar também à EDP cerca de 10 mil euros para sincronizar os cerca de 400 relógios da iluminação pública com o nascer e pôr-do-sol.

“Quando chegámos à Câmara havia um período ao fim da tarde e outro ao início da manhã em que havia uma hora de escuridão. Acabámos primeiro com a hora de escuridão ao fim da tarde, porque às cinco da tarde, em dezembro, é de noite, e as crianças não podem andar àquela hora nas ruas em segurança”, salientou o presidente da Câmara.

O aumento do IMI para a taxa máxima, em resultado das medidas previstas no Plano de Ajustamento Financeiro para o Município poder aceder ao Fundo de Apoio Municipal, veio dar “alguma folga” às finanças municipais, o que, conjugado com a poupança resultante de Aveiro se ter associado a outras autarquias da região para lançar um concurso público conjunto para a energia, permitiu reduzir em cerca de 14% o preço a pagar pelo fornecimento.

“Tendo em conta esses fatores e a segurança de pessoas e bens tomámos a decisão de repor totalmente a iluminação pública e, concluída que esteja a ligação das luminárias pela EDP, só pontualmente, devido a alguma lâmpada que se possa fundir, haverá postes desligados”, disse Ribau Esteves.