Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Proprietários concordam que alojamento local deve ser atividade económica

Nuno Fox

No entender do presidente da Associação Nacional de Proprietários, o alojamento local não é habitação, é uma forma de hotelaria, uma atividade económica e, portanto, deve ser classificada como tal

O presidente da Associação Nacional de Proprietários (ANP), António Frias Marques, concorda que o alojamento Local deve ser considerado uma atividade económica, não de habitação, podendo assim ser travado o aluguer a turistas.

António Frias Marques falava esta manhã à agência Lusa a propósito de uma notícia do jornal "Público", segundo a qual os proprietários podem proibir vizinhos de arrendar casas para habitação a turistas, citando um acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa que deu razão a uma assembleia de condóminos.

De acordo com o matutino, o caso que chegou ao Tribunal da Relação de Lisboa tem por base uma decisão de uma assembleia de condóminos de um prédio de Lisboa, aprovada por maioria em maio deste ano, que proibiu a prática de alojamento local exercida numa fração.

Em declarações à Lusa, o presidente da ANP diz que esta decisão "não surpreende", e revela ter conhecimento de alguns casos. "Tudo começou quando, há uns anos, começaram a surgir como cogumelos aquilo que se chama alojamento local (...). As câmaras, entretanto, entenderam que, se eu quiser montar um alojamento local num edifício de habitação em que moram uma série de famílias, eles consideram que o alojamento local é habitação", diz.

No entender do responsável, o alojamento local não é habitação, é uma forma de hotelaria, uma atividade económica e, portanto, deve ser classificada como tal. "A licença de utilização não deveria ser de habitação, mas de utilização de serviços, porque é de serviços que se trata. As câmaras entendem que é habitação", afirma.

De acordo com António Frias Marques, no caso do alojamento local, é legítimo que a assembleia de condóminos reúna, se houver alguma situação irregular, e tenha poder de decisão. "Os problemas começaram a surgir porque principalmente nos condomínios em propriedade horizontal em que as pessoas têm a sua residência permanente começaram a não ter sossego porque no meio daquilo tudo um decidiu pôr a sua habitação no alojamento local (...). Tem-nos chegado a informação da existência de barulho, bebedeiras, elevadores a subir e a descer, lixo a ser deitado pelas janelas, etc", explicou.

Segundo o presidente da ANP, este problema também surge em prédios que não estão em propriedade horizontal, mas estes pouco mais podem fazer do que queixar-se à polícia.

"Também sabemos que mais de metade do alojamento local é ilegal. Não estão registados na câmara, não têm fiscalização, não pagam impostos e todo o dinheiro que entra vai diretamente para o bolso do proprietário", sustenta. O presidente da ANP aponta que estão registados 35 mil alojamentos locais, apesar de em apenas um site haver uma oferta de 70 mil.