Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Mau tempo nos Açores: aviso vermelho para Flores e Corvo

O aviso vermelho para rajadas de vento de 150 km/h ventos para aquelas ilhas do grupo ocidental do arquipélago vigora entre as 20h desta quarta-feira e as 5h de quinta-feira.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) elevou para vermelho o aviso para as ilhas das Flores e do Corvo, nos Açores, devido à previsão de rajadas de vento até aos 150 km/h.

Segundo o IPMA, o aviso vermelho para vento para aquelas ilhas, do grupo ocidental do arquipélago, vigora entre as 20h desta quarta-feira (21h em Lisboa) e as 5h de quinta-feira.

Este aviso é antecedido para as Flores e Corvo por um aviso laranja para vento, a partir das 11h, e outro igual para a agitação marítima, a partir das 17h, prolongando-se até à próxima madrugada.

Nestas duas ilhas, devido ao agravamento do estado do tempo, as escolas estão encerradas esta quarta-feira, informou a Secretaria Regional da Educação e Cultura.

Para o grupo central – ilhas do Pico, Terceira, São Jorge, Faial e Graciosa –, o IPMA mantém igualmente um aviso laranja entre as 17h de hoje e as 5h de quinta-feira devido ao vento, com rajadas que podem atingir os 130 km/h.

O IPMA emitiu, também, avisos amarelos devido à previsão de chuva, trovoada, agitação marítima e vento, para os grupos ocidental, central e oriental, este último constituído pelas ilhas de São Miguel e Santa Maria. Estes avisos começam a vigorar à 11h, prolongando-se por um período até 24 horas.

O aviso laranja é o segundo mais grave de uma escala de quatro e indica situação meteorológica de risco moderado a elevado. Já o aviso amarelo, o terceiro mais grave, indica situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

Entretanto, a Autoridade Marítima nos Açores anunciou que é previsível um agravamento das condições meteorológicas, explicando que este será notado "pela ocorrência de vento forte, chuva intensa e aumento da ondulação", que pode atingir "mais de seis metros de altura".

"Recomenda-se, por isso, à comunidade marítima o reforço das amarrações e vigilância das embarcações, sobretudo nas zonas viradas a sul e, por isso, mais expostas à forte ondulação que se prevê", adiantam comunicados emitidos pelas capitanias, que aconselham a população a evitar "os passeios junto à linha de água, em particular os molhes, piscinas naturais e zonas balneares".