Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Médicos advertidos contra jantares de Natal pagos pelos laboratórios

José Carlos Carvalho

Comunicado da Ordem alerta que o patrocínio de convívios natalícios de serviços hospitalares ou de equipas de centros de saúde não têm objetivos científicos e devem ser recusados

A Ordem dos Médicos (OM) publicou esta quarta-feira um alerta dirigido aos profissionais sobre os convívios de Natal suportados pelos laboratórios. No comunicado, a Ordem "considera oportuno sublinhar a recente assinatura do renovado protocolo entre a OM, a Apifarma e a Associação dos Médicos Portugueses da Indústria Farmacêutica que regula a ética e a transparência das relações entre os médicos e a indústria farmacêutica" e que "neste contexto, recorda que os jantares de Natal, ou outros de semelhante teor festivo, não se enquadram no referido protocolo, pelo que não devem ser objeto de qualquer tipo de pedido ou oferta de patrocínio por parte da indústria farmacêutica".

"Médicos devem dar exemplo de transparência"

Face ao exposto, é sublinhado que, "nesta como noutras matérias, os médicos devem dar um exemplo à sociedade civil de transparência, independência e salvaguarda de conflitos de interesse, contribuindo assim para o engrandecimento desta nobre profissão", pelo que "o eventual pedido ou aceitação de patrocínio da indústria farmacêutica a jantares ou eventos de claro e predominante teor festivo por parte de médicos constituiria uma violação do protocolo". Além disso, "pode conflituar com o Código Deontológico".

O alerta é justificado com "algumas dúvidas que nos foram colocadas" e "serve apenas como mera informação, pois temos a plena convicção que todos os médicos sabem manter um relacionamento responsável, digno e ético com a indústria farmacêutica".

Em declarações ao Expresso, o bastonário José Manuel Silva acrescenta que o financiamento por parte das farmacêuticas só é justificado "para questões específicas de cariz técnico e científico, o que não é o caso de um jantar de Natal oferecido a um serviço de um hospital". Ainda assim, "os laboratórios podem convidar médicos para refeições, desde que não seja excedido o valor definido pela legislação em vigor".