Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Triplicou número de portugueses sem dinheiro para ir ao médico

Adam Berry / Getty Images

Entre 2008 e 2014, a percentagem de pessoas em Portugal sem recursos para pagar consultas subiu de 2,2% para 6,3%. Dados do relatório “Health at Glance: Europa 2016” foram anunciados esta quarta-feira

Em seis anos, triplicou em Portugal o número de pessoas que deixaram de ir ao médico por falta de dinheiro. Segundo os dados do relatório “Health at Glance: Europa 2016”, apresentado na Comissão Europeia esta quarta-feira, entre 2008 e 2014 a percentagem de portugueses sem capacidade para aceder a cuidados médicos saltou de 2,2% para 6,3%, o que representa o crescimento mais significativo na Europa.

Na Grécia, onde a crise afetou também a capacidade de as pessoas consultarem um médico em caso de necessidade, a percentagem subiu de 4% para perto de 10%.

Consequência desta realidade, alerta o relatório, agravou-se a desigualdade no acesso à saúde, com a população mais pobre a representar a maior fatia entre quem não recebe cuidados clínicos.

Exemplos de países onde o problema é menos expressivo são a Áustria, Holanda, Eslovénia, Luxemburgo e Espanha, onde a percentagem de população que refere necessidades de saúde não satisfeitas fica abaixo de 1%.

Em matéria de saúde dentária, a Letónia apresenta a mail alta percentagem da população sem acesso a cuidados da especialidade (18%), com Portugal, Grécia e Itália a registarem percentagens igualmente significativas, especialmente entre os grupos com menores rendimentos.

Notícia em atualização