Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Jiadista detido em França residiu numa instituição social em Aveiro

Hicham El Hanafi, o marroquino detido em Marselha este fim de semana por ligações ao Daesh, esteve acolhido na Fundação CESDA (Centro Social do Distrito de Aveiro)

Hicham el Hafani, o cidadão marroquino detido em Marselha numa operação antiterrorismo este fim de semana, residiu desde o final de 2013 e o verão de 2014 na Fundação CESDA - Centro Social do Distrito de Aveiro, na localidade do Paço, em Esgueira, Aveiro.

A informação foi avançada pelo "Jornal de Notícias" e confirmada ao Expresso por fontes oficiais. Contactada pelo Expresso, uma responsável da instituição explica que alguns detentores de asilo sem meios económicos próprios "são colocados na Fundação pela Segurança Social, com quem tem protocolo no âmbito da Linha Nacional de Emergência 144". E acrescenta: "A escolha do local de acolhimento é aleatória, e é decidida em função das vagas a nível nacional".

Sobre o caso concreto, no entanto, diz ter "o dever de sigilo" perante a Segurança Social. E não comenta.

Segundo o "JN", para pedir asilo em Portugal Hicham El Hanafi terá alegado que era perseguido no seu país, por pertencer ao Movimento 20 de Fevereiro, grupo contestatário do regime de Marrocos. Depois de concedida a proteção humanitária, e não tendo meios de subsistência, nem família no país de acolhimento, coube à Segurança Social ajudá-lo com alimentação, alojamento e uma pequena quantia monetária mensal.

Já depois de ter saído da Fundação, quando foi considerado autonomizado, alugou um quarto com um amigo, também com asilo em Portugal, na zona de Aveiro, onde, segundo o "JN", viveu até julho deste ano.