Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Nove portugueses entre os cientistas mais citados do mundo

Nuno Peres é professor catedrático e vice-presidente da Escola de Ciências da Universidade do Minho e o cientista radicado em Portugal mais citado em todo o mundo

D.R.

Os investigadores figuram na lista dos 3000 com os artigos mais citados do mundo em 2016 da ISI Thomson Reuters. Nesta lista, os artigos científicos selecionados representam 1% de tudo o que se publica a nivel mundial

Virgílio Azevedo

Virgílio Azevedo

Redator Principal

Seis cientistas radicados em Portugal e pelo menos mais três a trabalhar fora do país figuram na lista dos 3000 com os artigos mais citados do mundo em 2016 (até 21 de novembro) da ISI Thomson Reuters. Na lista figuram apenas os artigos científicos classificados de "altamente citados", que representam 1% de tudo o que se publica a nivel mundial.

Os cientistas radicados em Portugal são o físico Nuno Peres (Universidade do Minho), com 18.793 citações; o geógrafo Miguel Araújo (CSIC – Conselho Superior de Investigações Científicas de Espanha e Universidade de Évora), com 17.507; o engenheiro Mário Figueiredo (Instituto de Telecomunicações, Universidade de Lisboa), com 6898; as investigadoras de ciências agrárias Isabel Ferreira e Lillian Barros (Instituto Politécnico de Brangança), com 5333 e 2955 citações, respetivamente; e o matemático Delfim Torres (Universidade de Aveiro), com 2197.

Os cientistas portugueses a trabalhar fora do país que o Expresso conseguiu encontrar na lista são, para já, Gonçalo Abecasis, ligado à área da genética e da biologia molecular na Universidade de Michigan (EUA), Inês Barroso, investigadora na mesma área mas na Universidade de Cambridge e no Wellcome Trust Sanger Institute (Reino Unido), e Caetano Reis e Sousa, investigador em imunologia no Francis Crick Institute, também no Reino Unido.

Lista nacional liderada por Nuno Peres, da Universidade do Minho

Nuno Peres, físico da Universidade do Minho, é pelo terceiro ano consecutivo o cientista radicado em Portugal cujas publicações científicas têm mais impacto mundial, e cada um dos seus artigos foi citado em média 241 vezes nos últimos dez anos.

A lista é elaborada pelo Institute for Scientific Information "e a presença de investigadores nacionais tem muita relevância, pois constitui um indicador da qualidade e do impacto internacional da ciência feita em Portugal e é um dos critérios para realizar rankings de instituições de ensino superior", salienta um comunicado da Universidade do Minho.

O trabalho de Nuno Peres "confirma que a estratégia da Universidade do Minho tem sido bem sucedida, em particular no Departamento de Física e no Centro de Física, que intensificaram esforços em investigação e visibilidade internacional".

Investigação do grafeno, a forma bidimensional do carbono

Nuno Peres, 49 anos, é professor catedrático e vice-presidente da Escola de Ciências da UMinho e o primeiro físico português a dedicar-se, desde 2004, à investigação do grafeno, a forma bidimensional do carbono com potenciais aplicações na eletrónica, na fotónica, nos materiais compósitos, nos sensores e nas ciências da vida. Até agora publicou 140 artigos em revistas científicas de referência internacional.

O cientista é coautor do artigo de revisão mais citado sobre o grafeno, editado pelo jornal "Reviews of Modern Physics", e já colaborou várias vezes com os Prémios Nobel da Física Andre Geim e Konstantin Novoselov, da Universidade de Manchester, que foram laureados pela Academia Sueca em 2010 precisamente pelas suas experiências inovadoras com o grafeno.

Nuno Peres é também coordenador do único projeto nacional do Graphene Flagship, um dos dois maiores programas científicos europeus em curso, com 500 milhões de euros de investimento. Já venceu os prémios Gulbenkian Ciência, Seeds of Science e de Mérito à Investigação da Universidade do Minho e foi professor visitante na Universidade de Turku (Finlândia), Universidade de Boston (EUA), Instituto Max Planck (Dresden, Alemanha) e Universidade Nacional de Singapura.

Projeção internacional

"Claro que estou satisfeito com o facto de ser o cientista radicado em Portugal que é mais citado a nível mundial, mas para mim era um resultado esperado", afirma Nuno Peres ao Expresso. O cientista acrescenta que "a Universidade do Minho tem neste momento uma grande projeção nacional e internacional".

Além do grafeno, Nuno Peres trabalha também com outros materiais bidimensionais, como os dicalcogetos de metais de transição, "em que os mais interessantes são os semicondutores, para aplicação na indústria eletrónica". Os semicondutores são materiais sólidos geralmente cristalinos, de condutividade elétrica intermédia entre os materiais condutores e os isolantes.

O investigador da Universidade do Minho refere que "começam já a aparecer as primeiras aplicações do grafeno e a Samsung, por exemplo, anunciou que poderá lançar em breve no mercado telemóveis com grafeno".

Há também avanços importantes nos materiais compósitos, onde o grafeno está a ser integrado na estrutura de polímeros "para lhes dar propriedades elétricas ou maior resistência mecânica". Ou propriedades ópticas em dispositivos de optoeletrónica, usando "em sanduíche" uma camada de dicalcogetos entre duas camadas de grafeno, "o que permite fabricar transístores de novo tipo, os chamados transístores verticais". Mas aqui os cientistas ainda estão na fase de demonstração da nova tecnologia.