Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Bem-vindos ao maravilhoso mundo dos cogumelos

Amanita Caesarea. Um cogumelo raro que no tempo dos Romanos se servia aos Césares. É o único cogumelo que se deve comer cru, em saladas ou carpaccios

Este fim de semana é tempo de Festival Míscaros na aldeia de Alcaide, no Fundão. Para os apreciadores de cogumelos silvestres, e para os que gostam de os panhar, aqui fica um guia útil, com imagens do que não deve nunca colher. Não se esqueça: em dúvida, nunca apanhar

É assim há 8 anos. Outono dentro, já com os dias frios de Novembro, a aldeia de Alcaide, no Fundão, transforma-se numa espécie de aldeia dos cogumelos. Os habitantes abrem os pisos térreos das suas casas aos muitos visitantes e oferecem deliciosas iguarias, todas à base de cogumelos silvestres, apanhados na serra da Gardunha. Não se preocupe já o leitor, que os cogumelos que aqui se vendem foram todos testados em laboratório e são garantidamente comestíveis. Ali, servem-se iguarias como feijoada de boletos, arroz de "amanitas caesarias" (uma espécie rara de cogumelo), risotto de frango e boletos, cogumelos salteados ou uma pizza cuja base é um cogumelo gigante. Sanchas, míscaros, boletus e 'cantarellus' assomam às mesas dos comensais.

Mas há muito mais do que apenas prazeres do palato no Festival Míscaros, que começou este sábado e que vai até segunda. Há animação de rua, passeios micológicos pela floresta, guiados por quem sabe distinguir os cogumelos comestíveis dos perigosos, muita música, ateliers para crianças e vários eventos de 'live cooking', levados a cabo por 'chefs'. Um fim de semana em cheio para provar novos sabores, adquirir novos saberes, e conhecer melhor uma riqueza do nosso país - desperdiçada, no entender de alguns.

Passeios micológicos em Alcaide, no Fundão. Na Serra da Gardunha, ensina-se quais os cogumelos silvestres que se podem apanhar.

Passeios micológicos em Alcaide, no Fundão. Na Serra da Gardunha, ensina-se quais os cogumelos silvestres que se podem apanhar.

José Matos, ex-comissário da TAP, mudou-se para o Fundão há 13 anos. Comprou uma quinta centenária - a Quinta do Vale d' Encantos -, que estava abandonada há muito, onde os cogumelos encontraram terreno próspero para se multiplicar. Hoje, são mais de 150 as espécies que José reconhece no seu terreno – e que aqui descobriu. Parecem muitas, mas se pensarmos que só a serra da Gardunha tem "400 espécies de cogumelos diferentes"… Ele, que apanha "muitos quilos por dia" e os vende a portugueses e estrangeiros, conhece bem os perigos que a floresta vive no momento em que "as hordas de apanhadores" a invadem, de setembro a novembro.

O guia dos passeios micológicos pela floresta que decorrem no Festival Míscaros explica que este é um sector económico em Portugal sem qualquer regulação ou legislação. Os apanhadores não têm licenças, vêm estrangeiros escavar a floresta com máquinas agrícolas e destruir os micélios dos terrenos, e levam cogumelos portugueses que são depois vendidos ao dobro ou ao triplo do preço em Espanha, França ou Itália - países onde a tradição de comer cogumelos leva décadas de avanço. José Matos arrisca mesmo que apenas 10% da produção nacional de cogumelos é consumida dentro de portas... o que significa uma lamentável perda económica e cultural.

Amanita Caesarea. Um cogumelo raro que no tempo dos Romanos se servia aos Césares. É o único cogumelo que se deve comer cru, em saladas ou carpaccios
1 / 12

Amanita Caesarea. Um cogumelo raro que no tempo dos Romanos se servia aos Césares. É o único cogumelo que se deve comer cru, em saladas ou carpaccios

Boletos edulis
2 / 12

Boletos edulis

Boletus aereus
3 / 12

Boletus aereus

Cantharellus Cibarius
4 / 12

Cantharellus Cibarius

Cantharellus cornucopioides
5 / 12

Cantharellus cornucopioides

Cantharellus Lutescens
6 / 12

Cantharellus Lutescens

Craterellus Tubaeformis
7 / 12

Craterellus Tubaeformis

Michael Wood

Laccaria Amethystea Violetter Lacktrichterling
8 / 12

Laccaria Amethystea Violetter Lacktrichterling

Lepista nuda
9 / 12

Lepista nuda

Lepista nuda
10 / 12

Lepista nuda

Pleurotus ostreatus
11 / 12

Pleurotus ostreatus

Pleurotus ostreatus
12 / 12

Pleurotus ostreatus

Para os que têm por hábito ou ritual colher cogumelos silvestres depois das primeiras chuvas, aqui fica um guia prático (com fotografia) com uma lista dos principais cogumelos comestíveis e tóxicos em Portugal. Em caso de dúvida, não pense duas vezes: não colha, não coma! Todos os anos, invariavelmente, há quem vá parar ao hospital por ter comido cogumelos que não devia.

Amanita phalloides, o cogumelo mais tóxico que existe em Portugal. A toxina é a muscarina, que é mortal. 1 mg mata um homem adulto.
1 / 5

Amanita phalloides, o cogumelo mais tóxico que existe em Portugal. A toxina é a muscarina, que é mortal. 1 mg mata um homem adulto.

Amanita vaginata, outro cogumelo venenoso existente em Portugal
2 / 5

Amanita vaginata, outro cogumelo venenoso existente em Portugal

Amanita gemmata
3 / 5

Amanita gemmata

Macrolepiota venenata. Este cogumelo é mortal.
4 / 5

Macrolepiota venenata. Este cogumelo é mortal.

Amanita Muscaria. O famoso cogumelo celebrizado pela Walt Disney não é comestível - antes pelo contrário. É alucinogéneo, e os seus sintomas em caso de ingestão vão das náuseas ao coma.
5 / 5

Amanita Muscaria. O famoso cogumelo celebrizado pela Walt Disney não é comestível - antes pelo contrário. É alucinogéneo, e os seus sintomas em caso de ingestão vão das náuseas ao coma.