Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Armazém em Odivelas esconde grupo neonazi português

Hammerskins reúnem-se em dois restaurantes da Grande Lisboa e têm uma associação de apoio a famílias desfavorecidas “só brancas”. Violência cresceu nos últimos dois anos, diz a PJ

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

Uma fila de carros esventrados e avariados alinha-se, sem ordem aparente, ao longo do beco virado para a CRIL. Apesar de a rua ser de difícil acesso, estar cheia de buracos e de edifícios abandonados, não tem falta de movimento. Uma oficina de reparação de automóveis e um pequeno restaurante dão vida àquele microcosmos situado nas traseiras de uma zona industrial de Odivelas (arredores de Lisboa). No canto do beco, fica um armazém a precisar de pintura, com uma grande porta de metal no primeiro andar. É aqui o local, quase secreto, onde se reúnem os Portuguese Hammerskins (PHS), a fação mais radical da extrema-direita. Chamam-lhe Club 38 ou skinhouse.

Na última semana, este foi um dos principais locais onde os investigadores da Unidade Nacional de Contraterrorismo (UNCT) da PJ realizaram buscas, tendo apreendido várias armas de fogo, munições, pés de cabra e tacos de basebol. A operação, liderada por Luís Neves, fez no total 21 detidos, muitos deles já com cadastro por violência contra homossexuais e minorias étnicas. Segundo uma fonte da investigação, a entrada de refugiados em Portugal, sobretudo nos últimos dois anos, “fez crescer os crimes de ódio feitos em nome desta ideologia fascista”.

Dentro do armazém não faltam bandeiras e cartazes dos PHS coladas à parede, posters de D. Afonso Henriques ou Viriato e numerosas referências ao III Reich em autocolantes colados à mesa de matraquilhos. À direita fica o palco onde a banda BiBo (Blood in Blood out) — sucessora dos extintos Ódio — ensaia músicas com letras como “Criança branca” ou “Morte aos traidores”. Ao lado dos instrumentos musicais está um saco de boxe e vários aparelhos de musculação. Não falta uma sala de convívio e dois bares com bebidas alcoólicas. “Esta skinhouse existe há cerca de três anos. Antes disso, tínhamos uma no Tojalinho (Loures)”, revela Nuno Cláudio Cerejeira, sobrinho-neto do célebre cardeal do Estado Novo, proprietário do Club 38, vocalista dos BiBo e um dos arguidos da operação da UNCT.

Este dirigente hammerskin, que foi detido e condenado noutros processos que envolveram ‘cabeças-rapadas’, considera que nesta operação da PJ, “a montanha pariu um rato”, já que nenhum dos suspeitos ficou detido preventivamente: a maioria ficou obrigado a apresentar-se semanalmente numa esquadra da PSP (nalguns casos as apresentações são diárias). “Chamar preto a alguém não é crime. Agressões há todos os dias em Lisboa. Não estive envolvido em nenhuma e não me arrependo de nada do que fiz”, argumenta o homem de 43 anos que tem o corpo e a cara cobertos de tatuagens com simbologia neofascista.

Associação Luz Branca

No ano passado, o grupo Hammerskin criou a Luz Branca, uma associação solidária e sem fins lucrativos que tem feito recolha e distribuição de roupa, brinquedos e manuais escolares em bairros carenciados. Um pormenor diferencia-a de outras instituições do género: a solidariedade é apenas dirigida a “crianças brancas”, como reconhece Nuno Cláudio Cerejeira. No armazém de Odivelas há cartazes com o logótipo desta associação, que é gerida por Bruno Monteiro, alegadamente o número um da hierarquia dos skinheads portugueses.

Um alto responsável da PJ garante que um dos objetivos da Luz Branca é “fazer propaganda nazi” mascarada de apoio a famílias carenciadas. Num dos vídeos do YouTube divulgados pela associação, intitulado ‘Memorial aos Combatentes Caídos da Pátria’, surgem algumas dezenas de ‘cabeças-rapadas’ em Belém, no Dia de Portugal, vestidos com t-shirts pretas empunhando bandeiras portuguesas. Noutros, distribuem roupa a crianças ou ensinam como se treinam cães em cenários de catástrofe.

Os “almoços solidários” para “discussão de ideias e opiniões” da Luz Branca servem para “promover a recolha de fundos e bens alimentares” mas sobretudo “a partilha de ideias e formas de promover o ativismo solidário e social”. E são marcados através do Facebook num restaurante em Odivelas, não muito longe do armazém da zona industrial. As fotografias dessas reuniões mostram alguns hammerskins num ambiente familiar, com as tatuagens cobertas por roupas formais. O restaurante, que tem boas críticas nos sites de gastronomia, é elogiado pelo seu “requinte”. Mais próximo do Clube 38, e bem menos sofisticado, um outro café-restaurante é também um dos pontos de encontro dos hammerskins. Na tarde em que o Expresso esteve em Odivelas cruzou-se com dois dos arguidos do processo, que iam ali almoçar.

O final de tarde de 20 de setembro do ano passado foi um dos pontos de viragem da investigação. Nesse dia, um grupo de ‘cabeças-rapadas’, entre eles um guarda prisional, bateu em simpatizantes da CDU, que tinham saído de um comício do partido no Coliseu dos Recreios e se encontravam perto do Teatro Nacional D. Maria II. Os agressores tinham estado duas horas antes em frente ao Parlamento numa manifestação anti-refugiados. “Percebemos que com episódios como esse, a violência com base numa ideologia poderia ganhar novo espaço”, diz a fonte da PJ.
Os hammerskins, “em quase letargia” nos últimos anos, são suspeitos de terem esfaqueado um negro em Benfica, “que só não morreu porque não calhou”; um outro rapaz foi espancado e esfaqueado em frente ao Teatro São Carlos, em Lisboa; e uma terceira vítima foi igualmente “brutalmente agredida” na Praça da Alegria, também no centro de Lisboa.

Além da violência, também a apologia à ideologia extremista tem sido feita de “forma mais refinada” na internet, e aliciados novos recrutas, os chamados ‘hangarounds’. A Judiciária acredita que entre estes novatos, a estrutura fixa e os prospects (militantes que estão em fase de estágio antes de entrarem na estrutura) existirão perto de três dezenas de hammerskins em Portugal. “O grupo não é grande, mas integra um conjunto de novos elementos e alguns crimes foram cometidos como rito de iniciação ligado sobretudo à discrimação racial”, diz Luís Neves. A PJ tem agora em mãos onze inquéritos de “violência extrema” ligados a hammerskins que estavam dispersos por diversas equipas e polícias e eram tratados como criminalidade comum.