Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Fraudes ao Serviço Nacional de Saúde ascendem a três milhões de euros em 2016

Investigação em curso da Diretoria da Polícia Judiciária do Norte já deteve este ano oito farmacêuticos envolvidos em esquemas fraudulentos de emissão de receitas falsas e e venda fictícia de medicamentos

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

A Polícia Judiciária do Porto deteve, esta quarta-feira mais duas farmacêuticas, de 51 e 53 anos, indiciadas por em burla ao Serviço Nacional de Saúde. Nas buscas realizadas a uma farmácia na zona de Barcelos, os inspetores da PJ recolheram provas de venda fictícia de medicamentos através da emissão de receitas médicas fictícias, revertendo a taxa de comparticipação paga pelo Estado a favor das duas arguidas.

Ao que o Expresso apurou junto de fonte da PJ, os prejuízos ao Estado estão calculados para já em 125 mil, estando as detidas indiciadas por crimes de burla qualificada, corrupção, falsificação de documento agravado e falsidade informática.

No âmbito desta investigação, cujos inquéritos são titulados pelo Ministério Público, através do DIAP do Porto, a PJ deteve há 15 dias, no Porto, dois farmacêuticos, donos de duas farmácias, e dois diretores técnicos dos espaços, suspeitos da prática do mesmo esquema fraudulento.

Nas três farmácias alvo de buscas, todas na área metropolitana do Porto, foram apuradas fraudes calculadas em cerca de 1 milhão de euros, tendo dois dos quatro detidos sido libertados mediante cauções de 75 e 60 mil euros.

Na primeira operação, em fevereiro, la PJ do Porto, deteve um médico e duas farmacêuticas por delitos similares, tendo sido efetuadas buscas a duas farmácias, no distrito de Braga. Tal como no raide do Porto, a investigação detetou uma faturação indevida de quase um milhão de euros numa das farmácias e e mais de oitocentes mil euros noutra.

Os detidos nas duas primeiras operações ficaram sujeitos a proibição de entre eles, proibição de deslocações ao estrangeiro, suspensão da atividade de gerência das farmácias e, prestação de cauções e apresentações policiais periódicas. As detidas, esta quarta-feira, em Barcelos, vão ser presentes a interrogatório judicial, não sendo ainda conhecidas as medidas de coação.