Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Saúde termina 2016 com défice de €248 milhões

Adalberto Campos Fernandes, ministro da Saúde

TIAGO PETINGA / Lusa

Ministro Adalberto Campos Fernandes sublinha que se trata de “um dos melhores saldos” nos últimos anos

A Saúde vai terminar as contas de 2016 com um défice de 248 milhões de euros, "um dos melhores saldos" nos últimos anos, apesar do agravamento que sofreu com o défice herdado pelo anterior governo, segundo o ministro.

Os dados constam da nota explicativa do Orçamento do Estado para 2017, o qual está a ser debatido esta segunda-feira nas Comissões Parlamentares do Orçamento e da Saúde, na presença do ministro da Saúde.

De acordo com o documento, "o objetivo traçado pelo anterior Governo para o défice de 2015 do Serviço Nacional da Saúde (SNS) era de 30 milhões de euros. Com a informação disponível em janeiro de 2016 estimou-se que o défice seria de 259 milhões de euros", mas este atingiu os 372 milhões de euros.

Questionado pela deputada Ângela Guerra (PSD), o ministro da Saúde disse que 248 milhões de euros representam "um dos melhores saldos da execução orçamental dos últimos anos", o que motivou uma gargalhada da deputada social-democrata.

"Não ria, porque quem projeta menos 30 [milhões de euros] e acaba com menos 372 [milhões de euros] não é muito bom a fazer contas", respondeu o governante, numa referência às contas iniciais do seu antecessor Paulo Macedo.

Ainda assim, a nota explicativa do Orçamento do Estado para 2017 refere que "o desequilíbrio que transitou para 2016 é muito maior do que o antecipado à data de elaboração do OE, exigindo um esforço de redução da despesa no SNS de 192 milhões de euros para se poder atingir o objetivo".

Na sua intervenção inicial, Adalberto Campos Fernandes apresentou o Orçamento do Estado que está a ser debatido na AR como "equilibrado e justo".