Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

As armas assinaladas

Raridade. Espada de cerimónia do Sri Lanka que poderá ter pertencido a um rei e é feita coM ouro, prata, safiras e ágatas

Quando Vasco da Gama desembarcou na Índia, em 1498, teve de enfrentar guerreiros com um arco mortífero. Já Afonso de Albuquerque, na Malásia, foi recebido com flechas envenenadas. E no Japão, os portugueses foram alvo de ‘espionagem’ e roubaram-lhes o segredo das suas espingardas. As histórias estão guardadas em casa de um cirurgião, em Évora, que tem uma das melhores coleções do mundo de armas brancas

Foi a arma que mais portugueses matou durante os Descobrimentos. Numa das prateleiras da vitrina onde estão expostos escudos, espadas, flechas, adagas e outros objetos, um arco de 44 centímetros, de cor avermelhada, não denuncia a sua eficácia mortífera. Mas, nos anos em que Portugal esteve na Índia, aquele arco, feito de corno de búfalo, era usado por guerreiros indianos, que com ele lançavam uma flecha que matava a uma distância de 800 metros. Foi uma das grandes ameaças aos conquistadores portugueses desde o momento em que Vasco da Gama ali desembarcou em 1498. Faz parte de uma das maiores e mais prestigiadas coleções de armas brancas sobre os países do Oriente por onde andaram os portugueses, que pertence a um cirurgião português, Jorge Caravana. “Era a arma mais temida pelos descobridores”, garante o médico, que guarda esta e muitas outras histórias em sua casa, em Évora, onde tem as 154 peças do acervo.

Algumas destas armas foram usadas em batalhas, outras pertenceram a famílias de imperadores e sultões, outras ainda serviram para selar acordos — e todas ajudam a descobrir as técnicas de guerra praticadas pelos povos na época das descobertas marítimas. Jorge Caravana, de 63 anos, vive rodeado destes episódios históricos desde 1998, ano em que começou a sua coleção. Por sugestão do historiador e colecionador luso-alemão Rainer Daehnhardt, centrou-se no tema ‘Armas Brancas e Armaduras Orientais relacionadas com a Expansão Portuguesa pelo Oriente’. Desde então, passou a dividir o seu tempo entre o bloco operatório do Hospital de Évora, onde é diretor do serviço de cirurgia, e a procura de peças raras e importantes para a sua coleção. Tem acesso aos mais reservados leilões do mundo (incluindo na Sotheby’s e na Christies) e já disputou peças com Aga Khan e com o xeque e ministro dos Negócios Estrangeiros do Qatar.

Hoje, em cada canto da sua casa, há uma história dos Descobrimentos, seja em vitrinas, paredes ou em armários. Aquele arco mortífero foi usado em várias batalhas contra os portugueses. Na de Chaul, em março de 1508, quando uma força conjunta de três sultões — Guzerate, mameluco do Cairo e otomano — com o apoio do samorim de Calecute, impuseram a primeira derrota naval aos portugueses na Ásia. Nas batalhas de Diu, em 1509, quando o vice-rei da Índia conseguiu aniquilar aquela força e garantir o domínio português no oceano Índico por mais 100 anos. Ou no sangrento confronto comandado por Afonso de Albuquerque para conquistar Goa.

As ‘patas’ da tribo marata

Nas lutas que os portugueses foram travando era também comum enfrentarem cavaleiros que na mão direita tinham armas mais compridas do que o habitual, com uma espécie de luva em aço onde se colocava a mão e parte do antebraço. Duas dessas armas usadas pelos guerreiros indianos estão também ali, na coleção daquela casa alentejana. Serviam como lanças ou para ‘varrer’ os adversários. Foram inventadas pelos monges das tribos maratas, do centro sul da Índia. A ideia destes hindus era a de parecerem a face do elefante e a tromba. Mas os portugueses, surpreendidos, quando as viram pela primeira vez acharam que pareciam umas ‘patas’ e foi com esse nome que acabaram por ficar conhecidas.

Os maratas foram um dos povos que ameaçaram o poder dos portugueses na Índia. Foram eles quem, em 1740, forçaram os descobridores a fazer um acordo para ceder Chaul em troca da paz em Goa e Damão. Nas suas investidas, estes guerreiros usavam muitas outras armas que eles próprios criaram e que integram a coleção. Por exemplo, um escudo com lanças fixas de ferro e latão, que é uma arma rara indiana, feita com dois cornos de antílope e que ficou conhecida como madu. E uma espada de aço, madeira, ouro e veludo conhecida como firangi, que era feita com lâminas que os portugueses traziam da Europa e trocavam por cavalos e outros bens.

Quando se olha para todas aquelas armas, consegue-se imaginar as lutas corpo a corpo que os nossos navegadores enfrentaram. Na época, reinos como o Decão, o Mugal, os maratas e os sikhs lutavam entre si pelo poder, por toda a Índia. Umas vezes foram opositores dos portugueses; outras, aliados. Parte dessas lutas estão guardadas nesta coleção.

Quatro ganchos metálicos para condução de elefantes, que o médico adquiriu em leilões privados, estiveram nesses confrontos. Foram utilizados por guerreiros para conduzir estes animais que eram usados pelos exércitos inimigos de Portugal. Os elefantes tinham um papel muito semelhante ao que assumiriam, muito mais tarde, os tanques. Montados por quatro guerreiros, eram usados para furar as linhas do inimigo, esmagando os adversários com as patas ou perfurando-os com as suas presas de marfim, forradas com aplicações em aço. Muitas vezes, os portugueses lutavam contra centenas de elefantes. No sul do país, no reino de Vijaganamar, por exemplo, era comum o rei andar em campanha com 40 mil homens a cavalo e mil elefantes, segundo relatos dos portugueses Domingos Paes e Fernão Nunes, que na época viveram neste local.

Armadura de cerco histórico

Enquanto os portugueses se concentravam em lutar pelo controlo no litoral, no interior da Índia sucediam-se as batalhas entre todos aqueles reinos. E há vários vestígios desses combates em casa do cirurgião Jorge Caravana. Um deles está num canto da sala onde o médico tem expostas grande parte das peças. Trata-se de uma armadura de 14 quilos para cobrir o corpo dos antigos cavaleiros. Foi capturada por Anup Singh, um dos generais do imperador Aurangzeb — filho do imperador Shah Jahan, que mandou construir o Taj Mahal. Composta por 30 mil anéis que formam uma túnica de malha, a armadura esconde uma inscrição em hindu que conta a história da peça e do cerco de Adoni, em 1689, onde foi capturada. Fazia parte do espólio desta guerra que opôs o exército mugal de Aurangzeb ao do sultão do Decão (o último descendente da dinastia Adilshahi, que até aí tinha controlado Jaipur, no Rajastão). “Nessa batalha foram conquistadas 500 armaduras. Esta é uma delas”, explica Jorge Caravana, acrescentando que Aurangzeb, também conhecido como xá Alamgir, um islâmico radical, não facilitou a vida aos portugueses, rejeitando acordos como haviam feito outros sultões do seu império. Entre as 154 peças, há mais um sinal deste imperador e fanático religioso: uma espada que pertenceu a um alto dignitário da sua casa real e onde se lê a inscrição “xá Alamgir, o rei [que é] um conquistador do mundo”.

Espólio. Jorge Caravana, diretor do serviço de Cirurgia do Hospital de Évora, começou a coleção em 1998

Espólio. Jorge Caravana, diretor do serviço de Cirurgia do Hospital de Évora, começou a coleção em 1998

josé caria

Na coleção ainda há sinais de outros importantes homens do Oriente. É o caso de uma adaga de aço com a forma de um ferrão de escorpião igual àquela que foi usada por um líder marata, Sivaji, para assassinar, a 10 de novembro de 1659, um destacado general de uma importante dinastia indiana (os adilshashi). E uma espada que pertenceu à família do sultão Shah Alam II, que liderou o império Mugal entre 1760 e 1806, já em total declínio (foi o antepenúltimo imperador antes de os ingleses acabarem com a dinastia Mugal). Com um punho decorado em ouro, esta arma tem um desenho de um guarda-sol no reverso, um símbolo que apenas podia ser usado pelo monarca e pela casa real.

Símbolos de poder

Se muitas destas armas eram de combate, outras serviam para dar estatuto e poder. Por isso, várias são cobertas de pedras preciosas. Uma das mais valiosas da coleção é uma adaga com um punho em forma de cabeça de cavalo decorada com jade, ouro, rubis e esmeraldas. Terá pertencido a um príncipe ou a outro alto dignitário de uma corte, pois na religião islâmica a imagem de animais no punho era reservada a estes homens. Aliás, muitas das armas que eram trazidas para Portugal como oferta ao rei eram idênticas a esta.

Há ali também anéis inspirados naqueles que os soldados colocavam no polegar quando usavam arcos e flechas, mas que se transformaram em joias. No acervo do médico há um par de luxo: esculpidos a partir de uma só peça de jade de veios negros e encastrados com 11 rubis e um diamante, com cada pedra preciosa rodeada por filigrana em ouro. Estes anéis eram objetos de prestígio entre a realeza e a nobreza, utilizados na corte em toda a Ásia e Oriente. Já outros objetos tinham funções concretas nos combates. Através das armas descobrem-se as técnicas de combate dos povos que foram conquistados. Há uma adaga indiana chamada katar que dava verdadeiras garras a quem a usava — na coleção, existem nove exemplares. Formada por uma lâmina triangular de duplo gume e por duas hastes paralelas para que possa ser a extensão do braço, permitia furar as cotas de malha das armaduras dos inimigos. Muitos guerreiros indianos transportavam esta adaga na mão esquerda, enquanto na mão direita usavam a ‘pata’.

Antiguidade. Jorge Caravana tem em casa 154 armas Aqui, segura uma espada japonesa de aço, ferro e ouro usada pelos samurais no século XVI

Antiguidade. Jorge Caravana tem em casa 154 armas Aqui, segura uma espada japonesa de aço, ferro e ouro usada pelos samurais no século XVI

josé caria

Olhando em volta para as armas da coleção, decifram-se mais métodos de guerrilha: há esferas de aço demolidoras que derrubavam cavaleiros e machados de combate usados pela infantaria. A preferida dos guerreiros indianos era contudo a tulwar, uma espada equivalente ao sabre europeu que se transportava à cintura e se transformou numa das mais emblemáticas do povo indiano.

Na vivenda do cirurgião está também conservado um dos segredos de guerra de uma importante comunidade que surgiu na Índia na altura em que os portugueses lá chegaram — os sikh. Começaram por ser pacifistas, contestando a política dos sultões e das castas. Mas, ao serem perseguidos e os seus líderes assassinados, tornaram-se guerreiros para se defenderem dos ataques, especialmente dos mugais. Um dos seus trunfos para a sobrevivência está na coleção do cirurgião português. Trata-se de um anel de aço que os sikh, homens de barba longa, escondiam nos turbantes em forma de cone que usavam e onde tinham vários outros objetos de arremesso. Chamado chakaram, este círculo mortal de aço tem 23,5 centímetros de diâmetro e é afiado nas pontas, cortando facilmente os braços e as pernas dos adversários. Podia ser usado de duas maneiras: como arma de arremesso ou como um disco. A sua eficácia era assustadora: cortava varas de bambu com dois centímetros de diâmetro a mais de 25 metros de distância.

Uma faca que substitui os noivos

Com os portugueses já instalados na Índia, D. Francisco de Almeida chegou ao Sri Lanka (Ceilão) em 1506. E deparou-se com homens armados com espadas parecidas com as falcatas usadas por Viriato, o líder da tribo lusitana que lutou contra os romanos no século IV a.C. São chamadas de Pia Kaeta e nesta coleção há cinco. Para representar a passagem dos portugueses por este país, o médico comprou ainda duas espadas conhecidas como kastanes, típicas do Ceilão e que foram inspiradas nas armas levadas à cintura pelos conquistadores portugueses. Uma delas acredita-se que pode ter pertencido a um rei (Bhuvanaikabahu).

Depois da Índia e do Sri Lanka, as naus portuguesas chegaram a uma cidade estratégica e à desejada ilha das especiarias. É normal o médico colecionador estar a jantar e a olhar para peças que foram usadas nesses tempos em que Afonso de Albuquerque zarpou de Goa e conquistou Malaca (Malásia), em 1511, e Malucas (Indonésia). É junto à sua mesa de madeira escura para as refeições que colocou uma vitrina com as armas que os portugueses encontraram após terem entrado em Malaca, onde, apesar de serem recebidos por flechas molhadas em veneno, e por canhões rudimentares, conseguiram infligir uma pesada derrota aos malaios e depois chegar à Indonésia, onde não perderam tempo a encher os navios de noz moscada e cravinho.

O maior símbolo da história militar destas duas regiões está ali: uma faca chamada kris, que tem um valor cultural, militar e social fora do comum. Em sua posse, Jorge Caravana tem já 19 exemplares. Num deles, de origem indonésia, está representada uma nau portuguesa, dando sinal da chegada dos homens dos Descobrimentos àquelas ilhas para controlar o tráfico marítimo que se fazia entre a Índia e o Extremo Oriente. Esse kris tem um feitio na boca da bainha igual aos navios usados pelos portugueses, mostrando até o leme.

Outra das facas da coleção servia para executar nobres. Era usual os condenados das classes mais elevadas pedirem para morrer sem derramamento de sangue, por este ser considerado impuro na religião islâmica. Para isso, o nobre condenado era sentado numa cadeira, com dois acompanhantes, um de cada lado, e o kris era introduzido de forma a provocar a morte por hemorragia interna. Há também uma arma destas que se destinava apenas a cerimónias, sendo decorada com ouro, prata, rubis, diamantes e marfim. Estas facas tinham tanta importância que até podiam — e ainda hoje podem, nota o colecionador — substituir o noivo no casamento. Além disso, o armeiro que as fazia realizava sempre antes entrevistas aos futuros donos para que as lâminas estivessem de acordo com a sua personalidade: quanto mais complexa ela fosse, mais curvas teria a faca. E, no dia em que os nobres a iam buscar ao armeiro, as leis permitiam que as experimentassem com as pessoas com as quais se cruzassem na rua.

Os segredos dos samurais

Cinco capacetes e três espadas japonesas (wakizashi) transportam quem os vê para o ano de 1543, em que navegadores portugueses desembarcaram na ilha japonesa de Tanegashima e foram recebidos por samurais com este tipo de armas na mão e com os jingasas na cabeça. Sem qualquer arma de fogo, ficaram fascinados quando viram a eficácia das espingardas que os portugueses levavam. O chefe da ilha japonesa mandou fazer algumas cópias, mas o mecanismo de disparo não funcionou corretamente. Então, os nipónicos arranjaram uma solução: conseguiram que a filha do armeiro japonês se aproximasse de um navegador português e ela embarcou numas das naus com ele, andando um ano juntos no mar. Quando regressou desvendou ao pai o segredo do mecanismo da arma de fogo. “Foi o primeiro ato de espionagem industrial com uma mulher”, refere o colecionador, acrescentando que, segundo dados históricos, os japoneses do sul produziram de imediato três mil espingardas — que passaram a ser conhecidas por tanegashimas. Foram elas que mudaram a estratégia militar no Japão e permitiram a vitória do imperador do sul sobre o imperador do norte, pondo fim à guerra civil que se vivia no país e levando à unificação do país.

Dessa época e dos samurais restam vários objetos espalhados pelo mundo e alguns estão em Portugal, em casa do cirurgião, num outro armário-vitrina. É o caso de três capacetes kabutos, que eram usados em combate e que recentemente serviram de inspiração para o capacete de Darth Vader, na saga “Star Wars”. Há também um par de estribos que pertenceram à família imperial e espadas do tempo de governação da poderosa família Tokugava.

Ao lado, duas facas, espalhafatosas, são da China, onde os portugueses também andaram. Há ainda indícios da passagem dos navegadores pelo Nepal, Turquia, Pérsia, Filipinas e Marrocos.

Jorge Caravana — um dos maiores especialistas neste tipo de armas e cuja peças são citadas em catálogos como o do leiloeiro Correio Velho — diz não ter dúvida de que a sua coleção mostra que “a História foi feita de arma na mão” e que muito mudou: “Passámos da guerra nobre e corajosa de corpo a corpo para a guerra traiçoeira à distância, com químicos ou com drones manipulados.”

Artigo publicado na edição do EXPRESSO de 5 de novembro de 2016