Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Pedro Dias chegou a estar escondido “dentro de um barril” ao lado da GNR

DR

“Ou ele fugia e teria um vida em fuga ou seria abatido”, referiu ao Expresso Mónica Quintela, advogada do homem mais procurado do país que se entregou às autoridades esta terça-feira à noite

A advogada de Pedro Dias explica ao Expresso as razões do fugitivo de Aguiar da Beira se ter entregue esta terça-feira à noite às autoridades. “Ou ele fugia e teria uma vida em fuga ou seria abatido pelas autoridades”, afirma Mónica Quintela.

A advogada, que falou ao Expresso quando se dirigia de carro para as instalações da Polícia Judiciária da Guarda, juntamente com o seu cliente, garante que, durante as cerca de quatro semanas que esteve em fuga, Pedro Dias chegou a estar escondido “dentro de um barril” mesmo ao lado de militares da GNR que o procuravam. “Tinha muito medo de ser apanhado”, referiu. Para a advogada tratou-se de uma “caça ao homem” em que havia “instruções para atirar a matar”.

Sobre o facto de Pedro Dias ter-se declarado inocente dos homicídios de 11 de outubro, de um militar e de um civil, Mónica Quintela diz que não pode falar de factos concretos ligados ao processo. Em tudo o caso, tal como tinha afirmado o seu cliente, indica que “o militar da GNR que sobreviveu é que pode explicar o que de facto aconteceu naquela madrugada em Aguiar da Beira”.

Quintela refere ainda ter sido anteriormente já advogada de Dias noutro processo, assegurando que “se trata de uma pessoa de bem” e “que quer esclarecer as coisas”.

Enfatiza ainda que o seu cliente não teve anteriormente oportunidade de se entregar às autoridades.

A advogada diz também que serviu de intermediária entre o fugitivo de 44 anos e uma familiar, de modo a arranjar forma para a entrega se concretizar “com total segurança”.

O momento da entrega foi transmitido em direto pela RTP, que antes entrevistara o fugitivo.

  • Pedro Dias garante que está inocente

    O suspeito dos crimes de Aguiar da Beira, Pedro João Dias, entregou-se esta terça-feira em Arouca. O suspeito de dois homicídios estava desparecido desde 11 de outubro. Pedro Dias diz que nunca contactou a família enquanto esteve desaparecido e que nas últimas quatro semanas esteve sempre entre Arouca e Aguiar da Beira. A irmã e os três advogados que o vão representar estavam no local onde Pedro Dias se entregou. O suspeito, que garante estar inocente, já foi conduzido para as instalações da Polícia Judiciária da Guarda.