Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Nova Feira Popular de Lisboa começa a ser construída em Carnide

Cerimónia do arranque das obras decorre esta manhã. Câmara de Lisboa pretende que o espaço seja “um parque verde de fruição de todos e das famílias” e promete, se houver necessidade, instalar vidros duplos em casas do bairro Padre Cruz

A Câmara de Lisboa assinala esta quinta-feira, numa cerimónia que se inicia às 10h30, o arranque das obras da nova Feira Popular, em Carnide, espaço que pretende que seja um “parque verde de fruição de todos e das famílias”.

A cerimónia decorre junto à saída do Metropolitano da Pontinha e contará com a presença do presidente do município, Fernando Medina.

A Associação Portuguesa de Empresas de Diversão, que agendou para este mês iniciativas de protesto, em defesa da “sustentabilidade da atividade”, anunciou que irá estar presente no arranque das obras.

Falando na semana passada no debate anual sobre o estado da cidade, promovido pela Assembleia Municipal de Lisboa, Fernando Medina anunciou que as obras de construção da Feira Popular iriam iniciar-se “através das demolições das construções que ali se encontram”.

Numa resposta escrita enviada à agência Lusa, o município precisa que em causa estão cinco construções, “uma antiga carpintaria e anexos”, e adianta que estes trabalhos de demolição “deverão decorrer durante cerca de um mês”.

Segue-se a “remoção dos escombros e, posteriormente, a limpeza do terreno”, para na fase seguinte se realizar “a construção das acessibilidades e estacionamento”.

Questionada sobre eventuais implicações no trânsito, a autarquia explica que “pontualmente haverá necessidade de desvios e condicionamentos necessários aos trabalhos de construção das acessibilidades e estacionamento”, mas garante que, nesta fase inicial, isso não se coloca.

A Feira Popular de Lisboa foi criada em 1943 para financiar férias de crianças carenciadas e, mais tarde, passou a financiar toda a ação social da fundação O Século.

Antes de Entrecampos, onde fechou em 2003, a feira funcionou em Palhavã.
No final do ano passado, mais de 12 anos depois do encerramento, a autarquia anunciou que a Feira Popular iria voltar, inserida num parque urbano de 20 hectares em Carnide.

Com os protestos anunciados, a Associação Portuguesa de Empresas de Diversão (APED) pretende mostrar que “está em causa a atividade dos carrosséis itinerantes”.

De acordo com o presidente da APED, Luís Paulo Fernandes, há “três ou quatro anos” que estes empresários têm vindo a ser pacientes, com os governantes a pedirem confiança e dando como justificação para os atrasos na regulamentação do setor “primeiro a ‘troika’ e depois os governos instáveis”.

Desde 2013 que estes empresários reivindicam a aplicação da resolução 80/2013, aprovada por todos os partidos políticos no parlamento e publicada em Diário da República.

O documento “recomenda ao Governo o estudo e a tomada de medidas específicas de apoio à sustentabilidade e valorização da atividade das empresas itinerantes de diversão”.

Os moradores do bairro Padre Cruz que residam nos prédios contíguos ao terreno de 20 hectares da nova Feira Popular, vão ter direito a instalação gratuita de vidros duplos nas casas, segundo refere o “Diário de Notícias". O presidente da Câmara de Lisboa promete instalar os vudros duplos, assim como barreiras acústicas, caso o ruído vindo da nova feira seja demasiado elevado.

A autarquia deixou também a promessa de que as hortas existentes nos terrenos onde vai ter lugar a construção serão transplantadas para novos terrenos.

  • Obras da nova Feira Popular em Lisboa arrancam a 3 de novembro

    “Hoje podemos estar em condições de dizer que os trabalhos vão iniciar-se e que a cidade vai ter de novo a sua Feira Popular”, disse Fernando Medina, frisando que a Câmara que dirige pretende criar na zona de Carnide “um parque verde de fruição de todos e das famílias”