Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Medina: apoio de €250 milhões da UE “marca início da construção do futuro de Lisboa”

Roman Escolano, vice-presidente do Banco Europeu de Investimento, e Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa

MIGUEL A. LOPES / Lusa

Falando na apresentação do Plano de Investimentos da Cidade de Lisboa 2016-2020, o autarca reforçou que este é um “dia de confiança e de início da construção do futuro da cidade. Investimento ascende a €520 milhões, sendo metade suportada pelo Banco Europeu de Investimento

O presidente da Câmara de Lisboa diz que o empréstimo de 250 milhões de euros do Banco Europeu de Investimento ao município vai permitir iniciar a "construção do futuro da cidade", em áreas como o emprego e habitação.

"Lisboa é hoje uma cidade moderna, aberta, cosmopolita, uma cidade que sofreu nos últimos anos um incrível processo de desenvolvimento. Mas o que este programa significa para a cidade de Lisboa é que estamos a marcar o primeiro elemento central para continuarmos a construção do futuro", afirmou Fernando Medina.

Falando na apresentação do Plano de Investimentos da Cidade de Lisboa 2016-2020, no Pátio da Galé, na baixa da capital, o autarca reforçou que este é um "dia de confiança e de início da construção do futuro da cidade". "O que está em causa é (...) acoplar a visão que temos para a cidade de Lisboa e os instrumentos financeiros para que lhe possamos dar corpo e concretizá-la", acrescentou.

Denominado LX XXI, o plano visa a modernização do parque escolar (com mais 37 escolas e sete creches) e de instalações culturais e de proteção civil, a melhoria do espaço público e dos espaços verdes (mais 26 jardins), a melhoria do parque de habitação social (com a construção de 400 fogos e intervenções em 26 bairros), a requalificação da rede viária (tendo em conta a municipalização da rodoviária Carris) e a preparação da cidade para as alterações climáticas (com a execução do Plano Geral de Drenagem).

Ao todo, os investimentos ascendem a 520 milhões de euros, sendo que metade deste valor é suportado por fundos próprios do município. O resto será financiado pelo Banco Europeu de Investimento.

Na cerimónia foi assinado o contrato da primeira tranche de 100 milhões de euros, de um total de 250 milhões ao abrigo do Plano de Investimento para a Europa.

Lisboa é o primeiro município da União Europeia a usufruir diretamente deste apoio.

Referindo que a "nova visão da cidade assenta em quatro pilares fundamentais", Fernando Medina precisou que o primeiro assenta no "crescimento, modernidade e inovação". O programa "vai-nos permitir investimentos tão simbólicos, mas tão estruturantes, em áreas urbanas para equipamentos de serviços e empresas e para projetos comuns de universidades e centros de investigação", apontou, falando ainda no apoio à criação do polo criativo e empreendedor na freguesia do Beato, que vai regenerar aquela zona.

Outro dos pilares é o de "cidade com mais qualidade de vida, devolvida às pessoas, mais humana, mais segura e mais confortável". Isso significa, de acordo com o autarca socialista, "mais espaço público, menos automóveis, menos poluição e uma cidade mais protegida contra as intempéries, que não são um problema do futuro, [mas] uma realidade do presente".

Significa, também, "que a cidade seja capaz de ter o transporte público na espinha dorsal", área que será "o grande desafio da cidade na próxima década", indicou Fernando Medina.

Os restantes pilares centram-se em tornar Lisboa uma "cidade inclusiva para todos", reduzindo as desigualdades sociais através de políticas de habitação, e fomentar o conceito de "cidade aberta e multicultural" com o apoio ao empreendedorismo e à escola pública para as "dezenas de nacionalidades" que vivem no concelho, adiantou o responsável.

Presente na ocasião, o presidente do Banco Europeu de Investimento Werner Hoyer sublinhou que este investimento "vai, certamente, contribuir para tornar Lisboa ainda mais atrativa para o investimento".